A Estranha morte do presidente da Polônia e mais 96 pessoas

pol2 Lech Kaczynski10/04/2010 - O presidente da Polônia, Lech Kaczynski, morreu na queda de um avião neste sábado (10), na região do aeroporto de Smolensk, no oeste da Rússia, informou o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Polônia, Piotr Paszkowski. Havia 97 pessoas a bordo, segundo as autoridades russas, e ninguém sobreviveu. Não há ainda informações precisas sobre as circunstâncias da queda da aeronave, um Tupolev TU-154, que decolou de Varsóvia. As autoridades locais informam que o avião caiu cerca de 1,5 km do pouso, durante manobra de aproximação ao aeroporto de Smolensk. O acidente ocorreu às 10h50 locais (3h50 de Brasília).

Um porta-voz do governo da Polônia informou que o país terá eleições presidenciais antecipadas, ainda sem data definida. Por enquanto, o governo foi assumido pelo presidente da Câmara Baixa do Parlamento, Bronislaw Komorowski.

Especialistas na Constituição da Polônia afirmam que a data da eleição deve ser anunciada num prazo de duas semanas, e que a votação deve ocorrer dois meses depois do anúncio. Também estavam a bordo o comandante do Exército, general Franciszek Gagor, o presidente do Banco Nacional, Slawomir Skrzypek, e o vice-chanceler Andrzej Kremer, segundo a chancelaria. A primeira-dama, Maria, também morreu.

O Ministério de Emergência da Rússia disse que, entre os 96 mortos, 88 eram da delegação polonesa. O porta-voz da chancelaria polonesa disse que a comitiva era formada de 89 pessoas, mas uma delas não embarcou. Kaczynski se dirigia à localidade russa de Katyn, para prestar homenagem aos milhares de oficiais poloneses executados em 1940 pelos serviços secretos soviéticos. Os corpos das vítimas da tragédia serão levados a Moscou para serem identificados, declarou o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, citado pelas agências russas.


Militar polonês que investiga tragédia aérea tenta suicídio

pol6 Mikolaj Przybyl


09/01/2012 - Um promotor militar polonês deu um tiro na cabeça nesta segunda-feira, depois de pôr fim abruptamente a uma coletiva de imprensa na qual ele havia defendido uma investigação militar sobre vazamentos de informações relacionados a um acidente de avião na Rússia que matou o presidente da Polônia há dois anos. Mikolaj Przybyl foi levado ao hospital depois que os jornalistas o encontraram deitado no chão de seu escritório em meio a uma poça de sangue, logo após escutarem o som de um tiro.

pol7

pol8

Ele se levanta e sai de repente da entrevista

Ele havia pedido aos jornalistas que saíssem de seu gabinete depois de criticar o vazamento na mídia da investigação sobre o acidente em Smolensk, no oeste da Rússia, em 10 de abril de 2010, no qual morreram o presidente Lech Kaczynski e outras 95 pessoas, a maioria autoridades polonesas. As imagens do corpo de Przybyl atrás de sua escrivaninha foram exibidas por vários canais de notícias antes que uma ambulância o levasse para o hospital. O promotor-chefe da Polônia, Andrzej Seremet, disse em coletiva de imprensa em Varsóvia que a vida de Przybyl não estava mais em perigo e que ele deve se recuperar.

pol9

pol10

Ouv-se entao o tiro e ele é retirado de tras de sua mesa

Ele também disse que discordava de algumas declarações feitas por Przybyl na coletiva. Serement afirmou que promotores militares agiram certo ao exigir os registros telefônicos dos celulares de jornalistas enquanto procuravam a fonte dos vazamentos na investigação de Smolensk, mas que haviam infringido a lei ao buscar o acesso às mensagens de texto.

pol11

pol12

É levado então direto ao Hospital.

"Esse caso está sendo acompanhado por tanta emoção, incluindo histeria desnecessária, a meu ver", disse Serement. O presidente polonês Bronislaw Komorowski disse em comunicado que estava "preocupado" com o incidente e pediu à equipe de segurança nacional que monitore a situação. A investigação do acidente em Smolensk continua um assunto político delicado no país e em sua relação com a Rússia. O líder do principal partido da oposição, Jaroslaw Kaczynski - irmão-gêmeo do presidente morto - acusou o governo do primeiro-ministro Donald Tusk de conivência com a Rússia no acobertamento das verdadeiras causas do desastre.


Polônia escondeu evidências de acidente aéreo que matou presidente em 2010


30/10/2012 - O segundo maior jornal da Polônia, Rzeczpospolita, publicou nesta terça-feira (30/10) uma reportagem de capa afirmando que foram encontrados restos de explosivos nos destroços do avião Tu 154M, que caiu perto da cidade de Smolensk, na Rússia, em abril de 2010. No avião, viajavam altos membros do governo polonês, incluindo o então presidente, Lech Kaczynski. As 95 pessoas a bordo morreram.

Sem citar as fontes, o jornal informou que a perícia encontrou TNT e nitroglicerina nas asas, na cabine e em 30 assentos do avião. Segundo o veículo, a informação vem de fontes confiáveis. “Não podemos dar a fonte por uma questão de segurança”.

Em uma coletiva de imprensa convocada em caráter de emergência, o chefe da Procuradoria Militar da Polônia, Ireneusz Szelag, negou o que ele chamou de “especulações do jornal”, mas confirmou a presença de restos de explosivos. "Os investigadores encontraram vestígios de TNT e nitroglicerina, mas as evidências coletadas sobre o acidente até agora não indicam que a tragédia possa ter sido o resultado da ação de terceiros, ou seja, um assassinato.” Szelag acusou o artigo do jornal Rzeczpospolita de “sensacionalista” e de ser “um texto falso ou, no mínimo, impreciso”. Logo após a coletiva de imprensa do chefe da Procuradoria Militar, o jornal Rzeczpospolita publicou em seu site uma nota informativa dizendo que o veículo não afirmou que o acidente em Smolensk tenha sido um assassinato, mas que “se perguntam porque o governo não anunciou publicamente a descoberta de novo material nos destroços, o que é algo de interesse nacional”. O jornal argumentou ainda que, para confirmar qualquer hipótese, novos testes precisam ser feitos nos próximos meses.

Especialistas russos apontaram durante a investigação do caso que a aeronave decidiu aterrissar mesmo com o forte nevoeiro. No entanto, para o principal partido de oposição da Polônia, Lei e Justiça, o acidente foi na verdade planejado para assassinar o presidente polonês. O líder da oposição, Jaroslaw Kaczynski, irmão gêmeo do presidente falecido no acidente, exigiu a renúncia do primeiro-ministro Donald Tusk. “Não é possível que a Polônia esteja sendo governada há 30 meses por pessoas que ocultaram o que agora se confirmou como um crime hediondo”.

Alguns analistas que não acreditam na versão do assassinato argumentam que os resíduos de explosivos encontrados podem ter vindo de bombas da época da Segunda Guerra Mundial, que não foram utilizadas, mas permaneciam no local da queda do avião. O porta-voz do BOR (sigla em polonês para o Gabinete de Proteção do Governo), Dariusz Aleksandrowicz, informou que o avião presidencial foi cuidadosamente examinado antes de decolar e que cães varejadores também não encontraram nenhuma substância perigosa ou proibida. Um funcionário polonês da União Europeia, que preferiu não se identificar, disse que a história parece uma tragicomédia. “Restos de explosivos da Segunda Guerra Mundial? Em tantas partes do avião? Como é possível? Tem muita gente na Polônia que acha que isso não foi um acidente. As caixas-pretas continuam na Rússia”.

Testemunha-chave cometeu suicídio

pol13

Uma das testemunhas-chave na investigação do acidente do avião presidencial polonês cometeu suicídio no último sábado (27/10). Remigiusz Mus foi encontrado morto no porão de sua casa em Varsóvia, capital da Polônia. Mus era engenheiro de voo e estava em um avião Yak-40 que aterrissou no mesmo local uma hora antes do acidente, levando um grupo de jornalistas. Em seus depoimentos, o piloto disse que escutou quando os controladores aéreos deram autorização para que o avião com a comitiva do governo aterrissasse, apesar do mau tempo, contradizendo a versão oficial das autoridades russas. O piloto do Yak-40, Artur Wosztyl, também é considerado uma testemunha essencial no caso e passará a contar com um serviço especial de proteção.


Conspiração na morte do Presidente da Polônia


Agentes do serviço secreto polonês trabalhando sob a autoridade da inteligência russa poderia ter projetado a queda do avião que matou o presidente polonês Lech Kaczynski, bem como dos principais líderes militares e civis em Smolensk, de acordo com Polskaweb. Polskaweb diz que o acidente de avião tem as características de assinatura de uma operação realizada pelos serviços do Leste Europeu secretos, incluindo a “preparação” miserável em combinação com táticas de choque, a intimidação de testemunhas, bem como a utilização de uma rede de agentes nos meios de comunicação procurador do estado, de escritórios, militares e do governo para suprimir a informação. Os elementos do serviço secreto polonês que poderia ter sido envolvidos incluem inteligência estrangeiros, ABW, e os desonestos dissolvida unidade de inteligência militar, o WSI.

Kaczynski indicado antes de sua morte que iria publicar uma nova lista de 60 agentes da WSI, e ele mencionou primeiro-ministro polaco Donald Tusk, agora presidente interino Bronislaw Komorowski e Radoslaw Sikorski, neste contexto, com esta lista, e tendo como esqueletos em seus armários . A WSI foi dissolvida em 2007 para actividades criminosas. Muitas das pessoas-chave que apoiavam o governo de Donald Tusk eram antigos agentes da WSI. Os generais polacos mortos no acidente de avião em Smolensk se acreditava ter sido dificultar uma tomada de poder pelo WSI. Todos Polónia principais líderes militares, incluindo o chefe do Exército, foram mortos na queda do avião em um incidente que compartilha muitas características com a queda do avião ainda não resolvidos, que matou 16 altos oficiais da força aérea ranking polonês e quatro tripulantes a 23 de janeiro de 2008 na Polônia .

erro do piloto e do mau tempo também foram responsabilizados em 2008; luzes da pista estavam ligadas e desligadas durante o desembarque como parece ter acontecido em Smolensk. relatórios Polskaweb que os generais poloneses reunidos na secção militar do aeroporto de Varsóvia Frederic Chopin em 10 de abril, juntamente com uma dezena de jornalistas. No entanto, eles foram informados que o avião tinha de ser mudado por causa de dificuldades técnicas. É alegado que os generais foram oferecidos assentos no avião Tupolev com o Presidente e dezenas de outras figuras importantes. No entanto, uma gravação de áudio da conversa do piloto do Tupolev com Smolensk torre de controle indica que apenas quatro pessoas estavam a bordo do avião condenado. Os jornalistas viajaram a Smolensk em 42 Jakolew avião e aterrou sem problemas.

O Tupolev caiu em 08:41 CET em Smolensk. Armadas polacas agentes do serviço de segurança foram ao local do acidente antes da socorristas. Nenhum ambulâncias parecem ter desaparecido. Um vídeo em que quatro tiros podem ser ouvidos sugere que os quatro tripulantes do avião morreram no intervalo de tempo de 15 minutos entre a queda real do avião, a hora oficial do acidente em dada em primeira às 8:56 . Testemunhas do acidente informaram que foram interrogados por agentes polacos ABW: eles apresentaram queixas ao Ministério Público afirmando que eles foram ameaçados. O Smolensk controlador de tráfego aéreo que dever em 10 de abril não apareceu para trabalhar durante uma semana. Os investigadores russos e polacos deram detalhes esparsos do acidente misterioso.

Ainda não está claro por que o piloto ignorou um aviso de um dispositivo dizendo que ele era muito próximo ao chão. Não está claro como os 11,5 metros de avião Tupolev alta poderia ter cortado fora da copa das árvores de 2,5 metros. Não está claro que uma parcela significativa dos destroços do Tupolev 225 metros de comprimento foi dado o plano deveria ter caído no chão de apenas 2,5 metros. Não está claro onde os corpos dos passageiros foram, uma vez que as partes destroços restantes tinham portas, paredes, etc separá-los da fuselagem principal e são demasiado pequenos para conter cerca de 100 corpos não importa qual seja o ponto de impacto. Não está claro como os corpos poderiam ter queimado em uma explosão enorme, dada a ausência de qualquer evidência de um incêndio no local do acidente ou sobre os destroços.

Não está claro onde a neblina que veio do piloto prejudicado desde fotos tiradas do sol show Smolensk aeroporto apenas 40 minutos antes. O ex-vice ministro da Defesa e chefe das forças armadas contra a inteligência Antoni Macierewicz afirmou recentemente que a dissolução WSI continua a existir como uma organização criminosa. WSJ agentes são acreditados para ser envolvido em contrabando de armas e de drogas, corrupção e chantagem. O ISA também tem uma presença significativa nos meios de comunicação poloneses, de acordo com um relatório. Isto não deveria surpreender ninguém: a CIA tem uma presença significativa nos meios de comunicação E.U., também como parte da Operação “Mockingbird”, MI6 – (o primeiro serviço secreto foi fundado no Reino Unido para proteger a rainha Elizabeth 1 e mantém-se vinculado ao estabelecimento) – Acredita-se que uma célula em cada redação da BBC e outros meios de comunicação britânicos, agentes do serviço secreto alemão sentar-se nas redacções do Bild Zeitung, e os demais órgãos da editora Axel Springer entre outros meios de comunicação.

Além disso, as casas de muitas das vítimas da queda do avião foram revistados por agentes da ABW justthree horas após o acidente de avião. Kaczynski tinha em sua posse um relatório sobre as actividades da WSI que planejava publicar, bem como uma lista de 60 pessoas que trabalharam para ele, incluindo políticos, milionários jornalistas e chefes de empresas que também ajudou as empresas alemãs, a Telekom, VW, MAN Siemens expandir suas operações na Polónia. Komorowski e Sikorski são ex-ministros da defesa, uma posição-chave. Além disso, Tusk em sua última visita ao E.U.A. pediu a namorada do ex-chefe da WSI Marek Dukaczewski para atuar como seu tradutor, quando ele foi para ter uma conversa one-to-one com o presidente George Bush.

Kaczynski relatório continha informações sobre como os agentes WSI ajudou a máfia russa obter o controle do setor energético do país, bem como os alemães para destruir a indústria do carvão polaca por meio da utilização de um tampão e do comércio de carbono, sob o pretexto do aquecimento global. agentes WSI Kwasniewski, Lech Walesa, assim como milionários Polônia desempenhou um papel fundamental em trazer Tusk, Klich und Komorowski ao poder. Putin e Tusk na semana passada um contrato selado bloqueado por Kaczynski e do valor de 100 milhões de euros para a Gazprom para fornecer gás para a Polônia, embora a Polónia tem suas reservas de gás.


Jane Bürgermeister, Jornalista Austríaca


pol14

Cracóvia, Polônia, 18/04/2010 - "Isto atrás de mim é o Castelo de Wawel na Cracóvia, espera-se que 1,5 milhão de pessoas venham a Carcóvia para o funeral do presidente Lech Kaczynski que morreu em um acidente de avião em Esmolensko, Rússia, sábado passado. O presidente Obama cancelou a viagem supostamente devido a nuvem de cinza vulcânica como podem ver o céu em Cracóvia está completamente claro. O príncipe Charles, Angela Merkel (chaceler da Alemanha), Nicolas Sarkozy e Silvio Berlusconi também cancelaram sua participação neste funeral de hoje, numa nota muito curta. É bastante assombroso, pois Berlin está a uns 400 km de distância, assim em teoria a chanceler Angela Merkel poderia chegar aqui em poucas horas.

Da forma que as crescentes perguntas sobre a naturesza do acidente de avião que matou não só o presidente Lech Kaczynski, mas também 100 membros da elite polonesa,muitas pessoas questionam realmente se foi um acidente aqui na Polônia. Acreditam que nunca chegarão a fundo na investigação completamente porque as provas forenses foram coletadas por investigadores russos, e a maior parte dessas foram para Moscou junto com os corpos das pessoas que supostamente morreram neste acidente.

Se podem ouvir disparos em um vídeo que foi gravado imediatamente depois da suposta colisão do avião neste bosque em Esmolensko. Podem-se ouvir disparos de uma arma de baixo calibre, se especula que membros de um grupo militar estavam entre os sobreviventes e na realidade dispararam para assegurar-se que não havia testeminhas no acidente, este vídeo está sendo examinado agora pela fiscalização do estado polaco, outro assunto que levantou muitas perguntas é o fato de que as caixas pretas foram recuperadas e mostram que o avião funcionava perfeitamente não havia nenhum problema técnico com o avião. O qual havia sido examinado cuidadosamente em dezembro de 2009. Tem surgido que este avião de Tupelew teria um sistema especial para assegurar que os pilotos seriam avisados se houvesse algum obstáculo perigoso que os fizessem chegar perto do solo.

O TAWS (Terrian Awareness and Warning System), Sistema de Aviso e Percepção do Terreno. De modo que o piloto polaco devia estar sabendo que estava se aproximando das árvores. Assim, de acordo com a versão oficial, o avião chocou-se dentro do bosque, que está a 1km da pista de aterrissagem de 40 e 50 metros a direita da pista de aterrissagem, de acordo com a versão oficial, o avião se chocou contra uma árvores e depois quebrou uma asa, girou a esquerda e logo caiu a mais ou menos 1km da pista de aterrissagem. Encotram-se peças dos escombros em uma área que cobre 500 metros, mas não encontraram os corpos, nem pertences pessoais das pessoas que supostamente foram mortas por esse acidente. Nem puderam ser vistos nenhuma das imagens do vídeo que foi tomado justo depois que ocorreu a colisão, os serviços de segurança russos envolvidos para evitar que os jornalistas chegassem ao lugar do acidente e confiscaram as fotos e vídeos, os jornalistas russos comunicaram que a equipe de radar que havia no aeroporto de Esmolensko foi desmantelado depois da visita do primeiro ministro Donald Tusk e Valdimir Putin em 8 de abril, pouco antes do avião que levava Lech Kaczynski e a elite polonesa tocasse o solo em Esmolensko.

Adicionalmente testemunhas comunicaram terem visto oficiais militares mudando as luzes que iluminavam a pista de aterrissagem, pouco depois do acidente. Isto alimenta a epeculação de que as luzes etavam postas para confundir o piloto a respeito da localização real da pista de aterrissagem para atrai-lo por engano para dentro do bosque. A mídia inicialment culparam Lech Kaczynski, afirmando que ele teria interferido com o piloto causando a colisão do avião. Gravações de voz recuperadas da caixa preta mostram que ninguém interferiu com o piloto causando o acidente, pressionando o piloto para aterrissar. Assim, que a mídia afirmou que o piloto do avião polonês não podia falar russo adequadamente, não podendo estar nas declarações dos controladores de tráfego aéreo russo, mas colegas do pilto polonês dizem que ele falava fluentemente russo.

No início fomos informados pela mídia que o avião polnês havia tentado aterrissar 4 vezes em Esmolensko, devido a uma densa névoa, mas enquanto tinha-se materializado só tentou aterrissar 1 vez, e que colidiu nesse intento. Se tomarmos todos estes fatos juntos, o cenário mais provável é que o piloto aproximando do aeroporto de Esmolensko, foi-lhe dada informação falsa acerca da correta localização da pista de aterrissaagem, e foi ludibriado a aterrissar no bosque, e a explosão pode ter arrancado a asa esquerda do avião, enquano o piloto estava desscendo para o solo, quando o avião colidiu nesta parte do bosque, um pequeno grupo de indivíduos poderiam ter ido matar a tripulação a bordo, a ausência de todos os corpos, poderia explicar pela presença destes altos generais, os governadores do banco central, o chefe da segurança, os 2 candidatos presidenciais da oposição e grande número do partido da oposição no parlamento. Não estavam no avião em absoluto, foram assassinados ou presos na Polônia e desapareceram. Simplesmente está sendo justificado que morreram com parte deste acidente de avião. Estas são as perguntas que muita gente na Polônia esta discutindo em fóruns na internet, em blogs, e também aqui na rua, na Polônia.

A data do acidente de avião extraordinariamente ocorrido 70 anos depois do aniversário do massacre de Katyn onde 22.000 oficiais poloneses e acadÊmicos e líderes políticos foram assassinados pelas forças de segurança soviética com o consentimento da Alemanha nazista. Uma ve mais, a Polônia se encontra sem líderes. As pessoas aqui em Cracóvia estão em estado de choque. E muitas pessoas estão se perguntando quem está por trás deste extraordinário evento. Algumas pessoas tem sugerido que não foi um acidente.

Recordando que a Polônia é o único país da Europa que rejeitou a VAcina da Gripe Suina, devido a ações da ministra da saúde polonesa Ewy Kopacz. A Polônia foi o único pais que tinha um governador do banco central que não estava disposto a permitir que a moeda Zloty se fortaleça em respeito da tacha de cambio do euro. O Zloty beneficiou a economia ao realizar exportações, emprego e aumento de impostos no pais. O governador do Banco Central mostrou que não estava preparado para tomar emprestado do FMI. A Polômia é o único país que não esta em recessão na Europa, de fato está crescendo uns 2,7% este ano, eu acho, e 1,7% ano passado. Sua dívida é relativamente menor comparada com outros países e depois da morte do governador do Banco Central no acidente, pode-se esperar ver a Polônia sendo absorvida pela zona do euro, o que aumentará o tamanho de sua dívida pública brevemente."

Fonte: http://g1.globo.com/
http://iarochinski.blogspot.com.br/
http://operamundi.uol.com.br/
http://www.theflucase.com/
http://bravamarildo.webnode.pt/
http://noticias.terra.com.br/

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade