O Arquivo
logo



apolonio2NECTEMEROM – 10ª Hora  - Décima Hora: Ela é a Chave do Ciclo Astronômico e do movimento circular da Vida dos homens. Em nossa exposição sobre o Nuctemeron de Apolônio de Tiana chegamos à Décima Hora, a décima fase do Caminho do "vir-a-ser", do Homem Divino. O texto desta Hora diz: "Ela é a Chave do Ciclo Astronômico e do movimento circular da vida dos homens." Explicamo-vos, tanto quanto possível, o significado da Nona Hora, e vimos como o homem, que se tornou apto para o Sacerdócio Gnóstico, ingressa no Jardim dos Deuses, a fim de salvar todo, a fim de salvar todas as coisas que se degeneraram nesse Jardim, e que ameaçam perder-se, renovando-as e fazendo-as retornar ao Lar.

 

Ao mesmo tempo, referimo-nos aos Poderes que o Mago Gnóstico deve possuir para semelhante consecução. Esses Poderes constituem uma "Chave", capaz de abrir todas as prisões. Atravessando a Nona Hora, o candidato se encontra perfeitamente equipado para a sua tarefa como Obreiro na Grande Vinha. O número nove, visto de acordo com a Magia, é o último dos números, é denominado o Número do Homem, como certamente deveis saber, ele é o Número da glorificação e da consecução, e por isso libera grande força. Assim, compreendemos que o número dez significa um Novo Ciclo, significa o desdobramento de uma nova série de desenvolvimentos num Plano Superior. Por outras palavras, abre-se diante de nós, que procuramos ver de fora o Grande Caminho do Desenvolvimento, uma ampla perspectiva relativa à poderosa extensão do trabalho dos Filhos de Deus.

Na Décima Hora torna-se necessário para o Obreiro que ele veja, de um modo geral, as manifestações degenerativas em sua interligação, e não tanto em seus detalhes. Para tanto, ele recebe a Chave do Ciclo Astronômico e do movimento circular da vida dos homens.

Para tornar-vos compreensível a Décima Hora, precisamos remeter-nos às leis e às forças, das radiações, as quais regem e guiam o Grande Espaço da Sétima Região Cósmica.

São as Radiações-Força do poderoso Reino Natural, radiações-forças que traçam suas trajetórias circulares, e assim, em ciclos que se diferenciam um do outro, crescem e descressem em atividade. Poder-se-ia designá-las como a Grande Alma do Espaço Natural, e na Cosmologia Gnóstica, essas Radiações recebem a denominação de Eões. Estes Eões naturalmente atuam, cooperando um com outro. O quadro externo dessa cooperação ainda pode ser caótico para a nossa compreensão, ou pode estar cheio de tensões e atritos, porém é um fato que essa cooperação é absolutamente necessária, e em seus resultados, não apresenta falhas. Mediante essas forças- radiação, ligadas à única lei, e que dela se explicam, a Sétima Região Cósmica mostra o seu inegável objetivo, isto é, o de ser o Jardim Alquímico ou a Oficina, o Jardim dos Deus, do total espaço Intercósmico.

Suponde que entrais num laboratório alquímico e que estais diante de muitos alambiques e retortas, cheios de pólvora e de soluções de toda espécie e de todas as cores. Dentre essas pólvora e soluções há as que são altamente perigosas, altamente venenosas e explosivas, caso se as manipulassem e aplicassem sem conhecimento e sem a correspondente finalidade, portanto não de acordo com a Lei. Resultaria naturalmente, a maior desgraça. E por isso devemos dizer que esses preparados são maus? São ruins? Certamente que não!

Eles são impessoais, completamente neutros. Eles possuem uma força, uma possibilidade, uma natureza. E esta força pode realizar o objetivo se for aplicada em sentido salutar e libertador, e isto quando aquele que a aplica, conhece o objetivo e o anela. Neste caso, pode se manifestar um bem e uma verdade superiores. Por isso, aquele que utiliza a Força, aquele que determina a Ação, o alquimista, o homem, é aquele que leva os Eões a serem maus. É o alquimista que desata o Bem e o Mal. E por isto que, desde os primórdios, foi vedado aos alquimistas comerem da Arvore do Conhecimento, do Bem e do Mal, em sentido experimental ou científico, porquanto, por assim terem feito, o Fogo foi atiçado na Sétima Região Cósmica, e, segundo o nosso modo de ver e a nossa experiência, o Bem e o Mal foram desencadeados.

Não se deve então liberar o superior atributo da Força alquímica? Sim, deve-se, e para isto, foi convocado o Filho de Deus, desde que, em perfeito saber e por impulso interno, se submeta à Lei e à Direção Única da Arvore da Vida, que está no meio do Jardim. E assim podeis conceber como o "Fogo" foi inflamado no Espaço, bem como as Flamas da desarmonia e da violência, e como surgiu uma reação em cadeia, em cujo desenvolvimento, um fogo desencadeou outro. E, desse modo, patenteou-se no Universo a "Ira", a Maldade, e assim surgiram Eões bons e maus. Inúmeras entidades, enquanto se ocupavam com a manifestação de suas formas, foram apanhadas pelo jogo das flamas e mergulharam na degeneração. A Maldade adquiriu força e tornou forma nos átomos. Assim, como um afogado anela, deseja ar, assim também, manifestou-se anseio pelo Bem, pela Segurança, por Paz, Equilíbrio e Amor. E o homem, apanhado por essa infelicidade, foi atirado entre o Bem e o Mal. E não conheceis o lamento de Paulo: "Quando quero fazer o bem, faço o mal!?"

E assim temos o Inferno da dialética, o qual nos apanhou e se entranhou em nós, e isto porque o Universo da Sétima Região Cósmica crepita no Fogo Ímpio. E podemos perguntar: como é possível que em tais condições todo o Espaço com todas as suas criaturas não tenham perecido?

Porque os Filhos de Deus intervieram nesta Ordem-llusão Eles dividiram o Espaço em duas partes, numa permanecendo a Ordem Divina, e na outra manifestando-se a Ordem Ilusória, com o seu Bem e o seu Mal, assim informam os antigos relatos. Este último espaço foi isolado. O verdadeiro Paraíso, o Jardim dos Deuses tornou-se completamente inacessível aos "filhos da desobediência."

Não poderiam os Filhos de Deus ter feito com que a totalidade do espaço tivesse voltado à condição original?

É evidente que tinham o poder para fazê-lo. Mas, se tal tivesse acontecido, então as inúmeras entidades, que foram vitimadas pela Impiedade, e por conseguinte, ficaram completamente desorganizadas, não seriam capazes de participar da restauração, se retivessem a correspondente Nova Natureza de sua manifestação, e assim ter-se-ia criado nova desgraça.

Por isso O Legítimo foi separado do Falso, e este, com todo que nele havia, foi encerrado numa Ordem de Socorro e submetido a um Plano de Salvação, a um sistema de Sete Leis de Radiação, para que a Verdadeira Vida pudesse, através de um Processo, libertar-se da Morte e da necessidade. Foi submetido a um Plano, para que a Verdadeira Vida pudesse libertar-se, através da atividade da Luz que, como uma Estrela de cinco pontas, com sete qualidades, irradia para dentro da Noite de nossa Existência Isolada. A Luz é denominada a Estrela de Belém. Por isso que os Irmãos da antiga Fraternidade evocavam, uns para os outros, as belas e magnificentes consolações de Belém, isto é, a Transfiguração, a grande Restauração mediante a Luz Libertadora. E quem ingressa na Décima Hora, recebe a Chave do Ciclo Astronômico e do movimento circular da Vida dos homens. Ele se torna um "Cooperador" da Estrela de Belém, um Cooperador do Corpo Vivo da Gnosis.



O que significa a posse dessa Chave?

O que tem ela em mira?

 



O gênero humano decaído encontra-se, em sua grande parte, tomado pela Maldade, de modo que, de muitos, pode se dizer que a carreira de sua vida está sob o Signo do que é demoníaco. Quando são tocados pela Luz de Belém, e neles desperta "nova possibilidade", então aparecem os esbirros de Herodes, os matadores de crianças, para, sem demora, aniquilarem o que foi iniciado. Outro aspecto dos homens nascidos da natureza é a cobiça, cobiça ilimitada, cobiça que em parte resulta do Medo, e em parte da eu-centralizacao petrificada. Inúmeras pessoas existem que se iludem, quando dizem que realizam "verdadeira atividade." Elas se imaginam criaturas de geração divina, e dão forma e expressão a essa ilusão. No entanto, elas não sabem que, comparadas aos Homens de Geração Divina, para a qual também elas são convocadas, são como "cães". Todas essas pessoas rendem hornenagem ao Ônix, tão bem conhecido na magia.

Talvez seja do vosso conhecimento que o ônix, em sua forma mais pura, apresenta listras brancas e pretas. Como tal, o onix é um símbolo do Bem e do Mal, bem e mal desencadeados na Natureza da Morte.

O homem nascido da natureza, continuamente é jogado de um lado para o outro, porque os aspectos branco e preto são sempre relativos, permutáveis entre si ("Quando quero fazer o bem...")

Em seguida, descobrimos que o "campo de respiração" do homem nascido da natureza está cheio de vampiros, os quais encontram-se ativos em suas práticas repugnantes, e como conseqüência, em todo o estado de vida natural mostra-se uma luz profundamente falsa, procurando, sem descanso, pôr-se no lugar da Estrela de Belém. Por conseguinte, quem, como Obreiro, revestido de Poderes, abrange na Décima Hora tudo isso, compreende que não tem nenhum sentido ver o homem decaído unicamente como entidade isolada, como indivíduo, e auxiliá-lo como tal, mas compreende que, ao mesmo tempo, devem ser atacadas, processualmente, as condições cósmicas de seu campo de vida. O fato é que o homem não pode ser nada mais do que é em razão de seu aprisionamento no calabouço das Forças Naturais desarmoniosas que foram desencadeadas. Por isso que a Luz de Belém traz doas Atividades Sanadoras, uma de cima para baixo, por meio da atividade das Leis da Radiação, isto é, a Atividade Regeneradora para a obtenção de relações cósmicas modificadas, as quais, unificarão o "espaço Isolado" com o Espaço da Árvore da Vida.

Com base nisso, diz-se que Cristo, mediante o emprego dessa Atividade Regeneradora, vence o o Mundo, que Ele baniu o pecado do mundo, e que o Mundo foi entregue a Ele.

Ao lado desse auxilio de cima para baixo, existe a atividade de baixo para cima a serviço do Homem, considerado individualmente, serviço em prol do homem que, sinceramente, busca a Luz de Belém.

E assim, compreendereis que através daqueles que receberam a Chave do Ciclo Astronômico e a Chave da Décima Hora, cada entidade decaída será elevada à Luz Universal, que as "Flamas do Fogo Cósmico" da impiedade serão apagadas, que toda ilusão será dissolvida em névoa, e aquilo que é demoníaco de fato se mostrará como inexistente. Este é, por conseguinte, o abençoado segredo da Décima Hora.

Que em breve possam descer sobre vós as belas e magnificentes Bênçãos de Belém.
NECTEMEROM – 11ª Hora
Décima Primeira Hora. As asas dos Gênios movimentam-se com misterioso rumorejar.

Em nossa série sobre o Nuctemeron de Apolônio de Tiana, que, como se sabe, dá completa descrição da marcha do desenvolvimento Hermético que Eva, do estado de homem dialético, ao estado de Homem Divino, liberto, chegamos agora à Décima Primeira Hora. Aproximamo-nos assim do final desta caminhada para o Lar Paterno, porquanto a Décima Segunda Hora é a última Hora do Nuctemeron. Assim sendo, é possível que os contornos do corpo, que vimos acompanhando através dessas Horas, vão se tornando para vós cada vez mais vagos e abstratos, portanto cada vez menos claros.

Não obstante, devemos prosseguir, a fim de que logo possa-mos abranger o conjunto, e otilizá-lo como guia para a Vida. E assim sendo, queremos analisar a Décima Primeira Hora, porque esta análise se torna, por vários motivos, necessária.

Vimos, na Décima Hora, que se tratava de duas Atividades de Salvação, sendo que uma é de cima para baixo, mediante a atividade das Leis da Radiação, a qual é uma Atividade Regeneradora, a fim de se chegar, através de um Processo, a relações cósmicas transformadas, relações estas que, novamente, unificarão o "Espaço Isolado da Dialética" com o "Espaço da Arvore da Vida". Ao lado dessa atividade, encontra-se a outra, a serviço do homem, do homem considerado isoladamente, e que sinceramente busca a Luz de Belém.

O Microcosmo Dialético gira na Roda do Nascimento e da Morte no Espaço Isolado da Natureza da Morte, e o Obreiro Iniciado, pertencente à Décima Hora, recebe, por um lado, a Chave desse ciclo astronômico, repleto de solidão e morte, mas, por outro lado, também recebe, no interior dessa solidão, a CHAVE do Movimento Circular da vida do homem, pelo que, afinal e definitivamente, toda entidade decaída será alçada à Luz Universal, apagando-se todas as flamas do Fogo Cósmico no Espaço Isolado.

A Décima Primeira Hora diz: "As asas dos gênios movimentam-se com misterioso rumorejar. Eles voam de Esfera a Esfera e levam, de Mundo a Mundo, as Mensagens de Deus."

Compreenderemos que o texto da Décima Primeira Hora concerne à incumbência que é posta sobre os ombros do Obreiro da Décima Hora. A Décima Primeira Hora revela-nos a atuação dos Iniciados Gnósticos, uma vez que, querendo eles levantar e salvar a Natureza da Morte, com todo que nela se agita, devem ter o gigantesco Espaço da Sétima Região Cósmica como seu campo de trabalho. Torna-se-nos clara a imensidade do trabalho a realizar, e com que poderosas forças e possibilidades devem estar revestidos os Obreiros Iniciados. Tais forças e possibilidades, concernentes a esses Obreiros, são indicadas como "Asas dos Gênios"

Um Gênio é uma entidade revestida de um novo poder criador. Trata-se da extraordinária força de natureza especial com a qual o Mago Gnóstico pode trabalhar.

Então, os Obreiros da Décima Primeira Hora abrem soas asas de poderes gnóstico-mágicos e realizam o seu trabalho lá onde é possível realizá-lo. Esse grande Poder é sétuplo.

Tenhamos em vista, em primeiro lugar, que o fogo astral, acerca do qual ternos ultimamente falado, tantas vezes, pode ser perfeitamente dirigido pelos Iniciados Gnósticos. O Fogo Astral, que obedece a esses homens, pode ficar sob o perfeito domínio de sua vontade. Esse fogo torna-se, então, o instrumento de sua força e a luz de suas lâmpadas.

Sabeis como o homem que ainda está preso à Roda do Nascimento e da Morte é completamente governado pelo fogo astral e suas forças, tal como se manifestam neste cárcere planetário em que estamos. De segundo a segundo, todo o que fazemos é determinado pelo fogo astral da dialética. Todo o que se manifesta se explica por esse fogo. Todo empecilho na Senda em que estamos, toda incapacidade, todo fracasso tem um fundo astral.

A substância astral, da qual vivemos e somos, é a nossa substância-raiz cósmica. A Morte tem a sua raiz nessa substância astral. Por isso é compreensível que os Gênios alados da Décima Primeira Hora tenham vencido esse "status" astral do nosso Cárcere Planetário, que governem esse "status", e que estejam em condições de liberar e administrar a pura substância astral de Abraxas, da qual os Alimentos Santos são diferenciados.

E assim mostra-se, como realidade, o fato de os alados e amorosos Gênios da Fraternidade precedente terem estado do nosso lado, e trazido o Fogo Santo, a Luz de seu Facho, a fim de podermos acender o Fogo do Templo.

Por conseguinte, ficamos sabendo da existência de um Novo Campo Astral, pertencente ao Corpo Vivo da Escola. Sabemos da Salvação que se encontra guardada para a Jovem Gnosis nesse Corpo, e mostramos o Caminho para que, todos nós, participemos desse Campo; sim, sabemos que agora, durante o sono do corpo, podemos participar desse Campo.

Queremos transmitir-vos um quadro claro de um dos aspectos dos Gênios da Décima Primeira Hora.

O Fogo Astral obedece a esse Gênios, assim dizem os antigos Caldeus. "O Fogo Astral é o veiculo da Vontade deles, o instrumento de sua força e a luz de suas lâmpadas." (A vontade do homem dialético tem como veiculo o éter.)

Os Gênios levam por toda parte a Substância Astral Pura, de modo perfeitamente inteligente, por toda parte onde essa substância se mostre necessária, onde ela se mostre útil, onde quer que seja solicitada. O Fogo Astral é a panacéia para a mais profunda dor da humanidade, porquanto aquele que vive do Puro Fogo Astral Original, certamente encontrar-se-à com o seu Pimandro. O Trabalho dos Gênios alados da Corrente Universal não consiste unicamente em trazer-vos aquele Uno necessário, não, eles ao mesmo tempo abrem suas protetoras asas sobre vós, a fim de proteger-vos do definitivo naufrágio. Quem sinceramente se empenha, recebe todo auxilio e proteção necessários.

Podeis sentir-vos seguros, bem abrigados sob as asas dos Gênios, Gênios que governam o Fogo Astral, bem abrigados sob as Asas de Jeová, como se expressavam e também pensavam os Antigos Rosacruzes.

Em torno de nós encontra-se estendida uma Esfera Astral Pura, e se nos empenharmos sincera e verdadeiramente, poderosa radiação resultará da Nuvem que nos cobre. E assim, em concordância com o nosso próprio esforço, o Fogo Astral da Morte é mantido afastado de nós. E assim vivendo, Desenvolve-se grande e poderosa maravilha, maravilha que assim é descrita num antigo escrito oriental:

"Os carvalhos dos santos bosques pronunciam oráculos, os metais transmutam-se ou tornam-se talismã; as pedras desprendem-se do solo e, arrebatadas pela lira dos grandes Hierofantes, transmutam-se em templos e palácios, os dogmas são formulados, os símbolos, representados pelo pentagrama, obtém grande efeito; os espíritos são encantados por poderosas simpatias, e governam as leis da família e da amizade."

Esta é a fórmula do milagre que se divulgará quando se manifestar o Novo Reino Gnóstico e for posto sob as Asas e sob o Poder dos Gênios da Décima Primeira Hora.

A humanidade ingressou em um Novo Dia de Luz que está se manifestando, período este em que os véus serão retirados e ficará notório o que até agora vem sendo conservado em segredo. Pelo grande Hierofante da Gnosis será elevado o Schamir ou o Schalrnei do ano Jupiteriano, e um Novo Chamado nos atinge.

Por isso, o milagre da Décima Primeira Hora vos deve ser revelado, a fim de que palavras como estas não permaneçam, para vós, como teoria. As coisas precisam ser reconhecidas por vós, e precisam ser saudadas, a fim de que seja conseguida poderosa base de cooperação.

O misterioso Scharnir faz-se ouvir no início do Ano Jupiteriano! Todos que poderam perceber algo disso, todos que ouviram o maravilhoso som, reunem-se para a Nova Tarefa da cabeça, do coração e das mãos.
NECTEMEROM – 12ª Hora
Décima Segunda Hora: Aqui são executadas, mediante o Fogo, as Obras da Luz Eterna.

No artigo precedente foi-nos descrito como os Gênios alados da Décima Primeira Hora, os elevados Iniciados das Fraternidades precedentes, levam de mundo a mundo as Mensagens de Deus. Ao mesmo tempo foi-nos transmitido que esses elevados Iniciados encontram-se em plena atividade no Jardim dos Deuses da Sétima Região Cósmica. Depois lemos que eles deixaram para trás os impedimentos astral-planetários, e que trazem do espaço interplanetário o puro Fogo Astral Primordial, para, com esse auxílio, poder ser encontrada a Senda Única, e poder ser atraída a Força que permite trilhar essa Senda.

E o Nuctemeron finaliza com a seguinte exclamação de júbilo:

"Aqui são realizadas, mediante o Fogo, as Obras da Luz Eterna."

As Obras e os Planos da Luz Eterna sempre se relacionam com a execução da Lei Universal do Amor, a fim de salvar, sem interrupção, o que se encontra perdido, a fim de consolar aquele que se encontra abatido, para curar as feridas de todos aqueles que foram atingidos pela dor.

Em todos os tempos houve um Reino Gnóstico, um poderoso Reino sobre a Terra, Reino este que preciso ser realizado pelos Iniciados, para que, no interior desse Reino, e por meio de sua Força, pudessem encontrar o Caminho aqueles que se debatem buscando auxílio.

Um tal Reino deve ser estabelecido em sua ordem magnética mediante o Novo Fogo Astral. Em sua realização, já se trabalhou pelos milênios afora, e essa realização está registrada na Grande Pirâmide.

Vamos, agora, verificar como serão realizadas as indicações relativas à Décima Primeira e à Décima Segunda Hora.

Não é maravilhoso saber-se que o Nuctemeron de Apolônio de Tiana relaciona-se não somente com o Caminho de Desenvolvimento do homem, considerado isoladamente, mas relaciona-se também, e ao mesmo tempo, com a progressão da Onimanifestação Na realização presente da Décima Primeira e Décima Segunda Hora, também nós podemos colaborar, e o Corpo Vivo da Escola Espiritual da Rosacruz Áurea também tem importante tarefa a realizar. E vemos, por um lado, como os Sublimes Gênios Alados concedem o Fogo Astral, e por outro lado, vemos a presença da Escola Espiritual com o seu Grupo.

Qual é a mais importante tarefa do aluno na Escola Espiritual? É a de criar, pela auto-rendição à Santa Obra, a possibilidade ao -Novo Fogo Astral de realizar o seu trabalho no momento presente.

Devemos possibilitar, mediante auto-rendição e serviço amoroso dedicado ao Mundo e à humanidade, que o Grupo dê provas de estar suficiente e claramente lapidado para servir de espelho à Luz do Sol Astral Universal, e refletir, em nosso mundo obscuro, suficiente brilho da Eternidade.

Os alunos, que desta maneira podem cooperar conscientemente, cooperar com a cabeça, com o coração e com as mãos, podem ser considerados, no mais amplo sentido da palavra, Magos Gnósticos.

Um Mago Gnóstico é um homem que pode e deve trabalhar com as forças que do Alto lhe são concedidas - forças que não são deste Mundo - uma vez que o Fogo Astral do Mondo do estado de Alma Vivente, não tem em si nada que seja terrestre e planetário.

Esse Fogo pode, com razão, ser chamado Força Divina, e por isso o Mago Gnóstico deve recordar diariamente a conhecida advertência: Quem está de pé, que cuide de não cair!

Existem três grandes perigos que de hora a hora ameaçam o Mago Gnóstico, enquanto ele tiver que trabalhar na Natureza da Morte. Mas existem também quatro grandes Forças que sempre correrão em seu auxílio, se forem por ele chamadas.

São quatro Forças da Graça que, em última instância, o farão vitorioso. Os três grandes perigos explicam-se pelo fato de o Obreiro encontrar-se na Natureza da Morte. O Mago Gnóstico libertou-se desta Natureza da Morte, e recebeu, em seu estado renascido, participação no Mundo do estado de Alma Vivente. E tendo em vista que ele tem de realizar a sua tarefa, a sua missão, numa ordem natural que se lhe tornou completamente estranha, numa ordem natural em que se encontram muitas forças inimigas, está claro, então, que a cada instante o Mago Gnóstico deve contar com essa inimizade.

O primeiro perigo encontra-se no fato de ser continuamente solicitada a sua ajuda e a sua assistência.

Pode-se ver algum perigo nesse fato?

Sim! Justamente porque o Mago Gnóstico, em razão de seu ser, quer ser, antes de todo, um "auxiliador".

Precisais compreender bem que, quando um Gnóstico presta auxilio a alguém, sempre surge deste fato uma ligação magnética entre ele e esse alguém. Uma tal ligação, entre um Homem Alma e um homem dialético, só se justifica em casos muito isolados, quando resulta para o homem dialético um lucro anímico, quando lhe resulta vida libertadora.

Evidentemente, o Mago Gnóstico, o Mago que trabalha com o Novo Fogo Astral, tem poderes sobre grandes forças e possibilidades, e por isso, em muitos aspectos, será "o mais poderoso". E assim, se tentará estimular o mau uso dessas possibilidade e forças, para aplicá-las em assuntos bem terrenos.

Justamente por isso e em razão da lei magnética da ligação, o Obreiro poderá tornar-se vítima e correr perigo, poderá, de novo, ficar aprisionado no cárcere planetário. Por conseguinte, todo aquele que atua com forças gnósticas, precisa estar muito vigilante para não cair numa cilada. Depois está claro que todo Obreiro Gnóstico está exposto a perseguições de toda espécie.

Os Eões naturais da esfera píarietária, e todas as suas forças de luz, ficam, naturalmente, desorganizados com a presença do verdadeiro Obreiro Gnóstico, uma vez que, segundo o Evangelho Gnóstico, os Eões naturais são sempre postos "fora de sua ordem" pela grande Força de Luz da Sexta Região Cósmica. Por isso que todo Obreiro, onde quer que esteja e para onde quer que vá, será perseguido ou obstaculizado em suas atividades.

'Não que ele seja perseguido por forças sinistras e obscuras, mas perseguido por todo e por todos que se vêem ameaçados em sua existência.

Vede essa perseguição como algo essencial, como algo que pertence a todas as coisas que são da Natureza da Morte.

Assim como alguém se vê dificultado ao precisar atravessar um baixio, porque o elemento água produz maior oposição que o elemento ar, assim também são as oposições essenciais, as quais são unas com a Natureza da Morte, estando elas sempre em ação para estorvar o Obreiro na desnaturada vinha de Deus.

Por isso que se encontra muito próxima a possibilidade de que uma tal oposição ou uma confluência de fatores contrários cause um acidente, criando uma situação que, efetivamente, retenha o Obreiro, não podendo ele dela desvencilhar-se diretamente. Isto significa perda de tempo e perda de energia, significa estagnação no Grande Processo de Salvação do Mundo e da humanidade.

Vemos, assim, que para o candidato existem três perigos:

Primeiramente, o perigo de uma ligação magnética funesta, em segundo lugar, o perigo de perseguição, e assim um marcar passo, e em terceiro lugar, o perigo de uma séria estagnação.

Compreendereis certamente que o Obreiro, quando conhece esses perigos, quando sabe de antemão que esses perigos o espreitam, pode prevenir-se contra eles. Estará de guarda, e assim nada de mau poderá atingi-lo, já porque ao lado dos três perigos ele conhece as quatro Forças da Graça.

São as quatro Forças que, dia a dia e passo a passo, o acompanham.

Em primeiro lugar, acontece que o Irmão ou a Irmã do Santo Graal, ainda que algo aconteça por sua vontade ou aconteça inconscientemente, não será apanhado por uma ligação desarmoniosa, perseguição ou estagnação. Em segundo lugar, a Gnosis garante a impossibilidade de uma injúria. Daqui resulta que todo participante da Vida Universal, seja qual for o lugar em que ele possa estar, em razão de sua missão, conserva completa e direta participação na Vida do estado da Alma Vivente. Não pode existir nenhuma separação para aqueles que foram recebidos na Coletividade das Almas.

Em terceiro lugar, o Obreiro possui o poder de discernir os espíritos, e depois poderá provar, antecipadamente, todo espirito, se ele provém de Deus ou não.

Em quarto lugar, o Mago Gnóstico possui, como coroamento, a graça do Poder da absoluta inexpugnabilidade. Por isso que os Obreiros que aprenderam inteligentemente sua tarefa e sua missão no processo de salvação da Alma, e se encontram na Senda do Serviço para o Mundo e para a humanidade, possuindo as quatro Forças da Graça, não precisam ter medo algum dos três perigos fundamentais supra mencionados.

Sem dúvida alguma, levarão sua tarefa a um bom final.

PARTE 6

 

Adicionar comentário

ATENÇÃO:
- Não utilize os comentários para fazer perguntas ou enviar mensagens à administração do site;
- Não utilize palavrões;
- Não faça comentários ofensivos.

Código de segurança
Atualizar

Publicidade



Curta nossa página

Você também poderá gostar de

Produtos Sugeridos