Anna Monaro, a mulher que emanava luz de seu peito

luzxPirano - Itália, 8 de março de 1934. Os hóspedes da pensão Piran já estavam dormindo quando, Maria Gherardi, uma cliente com insônia que se encontrava num dos quartos com outras sete mulheres, entre elas Anna, vislumbrou uma pequena nebulosa luminescente sobre o peito da senhora Monaro. O enigmático fenômeno repetiu-se várias vezes nas noites entre 9 e 19 de Março e obrigou seu internamento no hospital da cidade onde foi recebida e estudada por vários cientistas de prestígio. Os primeiro médicos a atender Anne foram Fabio Vitali, e G.C. Trabacchi que conduziram uma extensa análise baseada no isolamento da paciente e na tomada de dados, fotos e inclusive um vídeo de 3 segundos para concluir que o fenômeno era, absurdamente, real. Sua primeira descrição foi:

- "Às 10:35 da noite, sem nenhum som, aparece subitamente do peito da paciente um pequeno resplendor de luz branca-azulada que ascende lentamente até o pescoço. Ao mesmo tempo, a paciente acorda de seu sono emitindo um pequeno gemido..."

O caos propagandístico da época converteu o caso em fonte das mais disparatadas teorias pseudo-científicas, religiosas e místicas. Um psicólogo defendia a presença de organismos elétricos e magnéticos indefinidos no corpo da mulher. Só a atenção suscitada de um reconhecido cientistas contribuiu para esclarecer às causas da inexplicável quimera.

luz ana

O primeiro cientista sério que publicou (no The Times) uma explicação do fenômeno foi o Doutor Giocondo Protti, que apoiado nos estudos de bio-luminiscência de E.N. Harvey ("The nature of Animal Ligth.1920") estabeleceu que o estado de debilidade de Anne devido ao jejum religioso incrementou a quantidade de sulfetos em seu sangue e suor que convenientemente estimulados pela radiação ultravioleta do próprio sangue atingem propriedades luminescente. Para Protti a emissão ultravioleta do sangue de Monaro estava fora de toda normalidade.

Em setembro seguinte publicou um exaustivo relatório de 52 páginas, no qual participou o famoso físico Enrico Fermi, que contêm os resultados dos exames, as observações e experiências sobre Anna Monaro na clínica Romana (Suplemento de "pesquisa científica").

Mais adiante a história foi-se carregando de componentes religiosos e psicológicos. A própria Anne contava que em seus sonhos e recorrências infantis aparecia sempre desprendendo um áurea luminosa branca. Tudo isso conduziu a uma sacralização do fenômeno. A história desta "luminosa mulher" aparece na edição impressa dos mais importantes jornais da época. The Times (5-Maio-1934), London Illustrated News e o L’Illustrazione Italiana. Foi uma autêntica celebridade nos meios médicos e o indescifrável prodígio sempre esteve acompanhado da "rumorología" e populismo das classes sociais menos favorecidas.


Fonte: "Unexplained Phenomena" de John Michell, Bob Rickard, Robert J. M. Rickard.

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Publicidade