História dos Turcos

    turpo1Por Me. Cláudio Fernandes - A história dos turcos, ou da civilização turca, teve sua origem na Ásia, mas se estabeleceu na região do Oriente Médio por meio de ondas migratórias que os conduziram para essas regiões. Assim como os povos árabes, os turcos foram convertidos ao Islamismo por volta do século X d.C. e, a partir de então, passaram a traçar sua própria forma de organização política, que se sobrepôs às outras formas de organização política do Oriente Médio.

    No século XI, uma primeira organização imperial turca foi desenvolvida a partir da dinastia seljúcida, constituindo assim o primeiro império turco. As regiões dominadas pela dinastia seljúcida compreendiam a Mesopotâmia, Síria e a Palestina. Entretanto, tal dinastia fragmentou-se por conta de divergências internas, tendo durado pouco, se comparada com aquela que a sucedeu, a otomana.

    Na segunda metade do século XIII, o líder turco Otman, ou Osman, fundou o seu império, que ficou conhecido como Império Turco-Otomano. Esse império, assim como o da dinastia seljúcida, era muçulmano e também se desenvolveu na região do Oriente Médio. No entanto, seus domínios tornaram-se muito mais vastos, abrangendo os planaltos da Anatólia, onde fica a atual Turquia, após derrotar o Império Bizantino, em 1453, com a conquista de Constantinopla – que mudaria seu nome para Istambul. A dinastia otomana também conquistou a maior parte dos territórios dominados pelos antigos califas árabes, como a Península Arábica, a Mesopotâmia, a Síria e a região norte da África, além de parte dos territórios do leste europeu.

    Leia também - Pirâmide de Gizé: Pesquisadores descobriram mecanismo de defesa no interior do monumento

    O Império Turco-Otomano teve uma duração muito longa, chegando ao fim apenas no início do século XX durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918). A partir de sua fragmentação, houve a formação dos modernos Estados árabes na região do Oriente Médio e de outros na região dos Bálcãs, na Europa.

     

    História da Civilização Turca - Curiosidade da Civilização Turca

     turpo2

    A primeira civilização importante da Anatólia foi a dos hititas, entre 1900 e 1200 a.C. Os frígios dominaram a região entre os séculos IX e VIII a.C.; no século VII a.C., os lídios fundaram um reino nas costas do mar Egeu, que foi ocupado pelos persas de Ciro II, o Grande, em 546 a.C. A cidade de Éfeso, na Turquia, reconstitui uma antiga cidade grega situada na costa ocidental da Ásia Menor. A via Arcadiana (na imagem) é uma calçada de mármore construída durante o reinado do imperador Arcádio (395-408 d.C.). Seu trajeto inicia-se na área central do porto e termina no teatro da cidade. Este teatro greco-romano foi edificado no período helenístico. Governantes posteriores modificaram a estrutura do edifício e os traços que ainda se conservam parecem totalmente romanos.

    No século IV a.C., o território foi dominado por Alexandre Magno. Nos séculos II e I a.C., chegaram os romanos. Depois da divisão do Império Romano no século IV d.C, a Ásia Menor passou a fazer parte do Império Bizantino, cuja capital era Constantinopla ou Bizâncio. No século XI, a Ásia Menor sofreu a invasão dos seldjúquidas turcos, que foram derrotados pelos mongóis de Gengis Khan. Na Anatólia, os nômades turcomanos fundaram uma série de principados.

    O monte Ararat, que se levanta nas terras altas do leste da Turquia, possui dois cumes; o mais alto, o Grande Ararat, com 5.122 m de altitude, está coberto de neves perpétuas. Segundo o Antigo Testamento, foi neste cume que a arca de Noé desembarcou. Osman I, fundador da dinastia otomana, contratou os serviços de numerosos nômades turcomanos, árabes e iranianos que fugiam dos mongóis. A partir de 1326, os otomanos passaram a controlar o sistema administrativo, financeiro e militar da área. A expansão otomana na Europa começou com o reinado de Orjan. Os soldados otomanos (janízaros) ocuparam vários territórios bizantinos na Trácia e na Macedônia, e realizaram ataques continuados às possessões bizantinas situadas na Europa.

    No século XIV, o Império Otomano se estendia do Danúbio ao Eufrates; fora fundado por Murat I e consolidado por seu filho Bajazé I, que conquistou a maioria dos principados turcomanos da Anatólia. O império mongol de Tamerlão ocupou a Anatólia em 1402, capturando Bajazé. Sardes, capital do antigo reino da Lídia, alcançou seu máximo esplendor durante o reinado de Creso, famoso por sua riqueza. Depois da conquista da Lídia pelos persas, em 543 a.C., Sardes foi a capital ocidental do Império Persa. Estas colunas correpondem ao período de Ardis, pai de Creso, e foram descobertas nas escavações que tiveram início em 1910.

    Mehemet I restaurou o Império Otomano, Murat II restabeleceu o domínio otomano até o Danúbio, Mehemet II, o Conquistador, tomou Constantinopla (1453) e submeteu a Anatólia até o Eufrates e seus sucessores incorporaram o coração do antigo califado islâmico. Solimão I, o Magnífico, cruzou o Danúbio para conquistar a Hungria e cercou Viena em 1529; em direção ao leste, conquistou os últimos redutos da Anatólia e o antigo centro abássida e seldjúquida do Iraque.

    Após seu reinado, começou a decadência do Império Otomano. Os millets, comunidades criadas com critérios religiosos, e as corporações aumentaram sua autonomia. Na Europa, surgiram Estados nacionais poderosos. Em 1571, uma esquadra formada por vários países católicos e comandada pelo espanhol Juan de Áustria, destruiu a esquadra otomana na batalha de Lepanto. Os otomanos recuperaram o controle naval do Mediterrâneo oriental por mais meio século.

    Em meados do século XVII, o sultão Murat IV implantou as chamadas reformas tradicionais, que tiveram o apoio da classe dirigente e do Exército. Executou numerosos membros das corporações, expulsou os iranianos do Iraque e começou a conquista do Cáucaso (1638). Após a sua morte, irrompeu uma longa guerra com Veneza (1645-1669), o sultão Mehemet IV (1648-1687) entregou o governo ao grão-vizir Mehemet Köprülü, dando início a uma dinastia de vizires (chefes de governo), que durou até o começo do século XVIII. Depois de um longo cerco a Viena, o exército otomano foi totalmente derrotado; estabeleceu-se então uma nova Liga formada pela Áustria e por Veneza, com o apoio da Polônia e da Rússia, que obtiveram territórios do Império. Situada no estreito do Bósforo, Istambul é a maior metrópole e a principal cidade portuária da Turquia. Suas muralhas pertencem à cidade original, construída no ano de 324 d.C. por Constantino I de Roma.

    A guerra contra Veneza e Áustria (1714-1717) significou a perda de Belgrado e do norte da Sérvia. Durante o reinado de Ahmed III (1703-1730), inaugurou-se uma nova era de reformas orientadas para a europeização do país; o exército otomano foi modernizado. Na guerra contra a Rússia e a Áustria (1736-1739), os otomanos recuperaram a maioria dos territórios perdidos no norte da Sérvia e nas costas setentrionais do mar Negro. Entre 1768 e 1792, nas Guerras Turco-russas, o Império esteve perto do desmoronamento total.

    No século XIX, despontou o nacionalismo entre os povos não-turcos. A Grécia foi o primeiro país a lutar por sua independência em 1829, e estouraram diversas revoltas por parte de sérvios, búlgaros, albaneses e armênios da Anatólia oriental. Durante os reinados de Mahmud II e Abdülhamit II, a classe dominante otomana implantou um movimento reformista pró-ocidental (1839-1876), conhecido como Tanzimat, que incluía a eliminação das minorias e provocou o genocídio de muitos milhões de armênios entre 1894 e 1918. O autoritarismo da nova e moderna burocracia levou a um amplo movimento de oposição, os Jovens Turcos. Na Grécia, Sérvia e Bulgária, nasceram sociedades secretas que lutavam por meio de ações terroristas. Com a morte dos principais dirigentes do movimento Tanzimat por volta de 1870, o regime de corrupção voltou a grassar.

    O Império Otomano perdeu seus domínios europeus, exceto Istambul, embora no Congresso de Berlim de 1877 tenha recuperado as suas províncias trácias e macedônias. Em 1878, o sultão Abdülhamit instaurou um governo extremamente autocrático. A reação veio com um novo movimento liberal de oposição dirigido pelos Jovens Turcos, que forçou o restabelecimento da Constituição e do Parlamento. No exterior, a Áustria anexou a Bósnia e a Herzegovina, a Bulgária ocupou o leste da Romênia e as ações terroristas continuaram na Macedônia e na Anatólia oriental. Depois da tentativa contra-revolucionária comandada pelo sultão em 1909, este foi destronado pelo exército da Macedônia; os sultões otomanos se mantiveram no trono, mas seu poder de governo era nulo.

    turpo3

    Leia também - Este seria o rosto de uma múmia com 2 mil anos

    Os primeiros anos do período dos Jovens Turcos (1908-1918) constituíram a etapa mais democrática da história otomana. Organizaram-se vários partidos políticos, como o Partido da União e do Progresso, e a indústria e a agricultura receberam forte impulso. A primeira das Guerras dos Balcãs levou ao triunfo do setor mais autoritário do Partido da União e do Progresso, que impôs um triunvirato no governo, dirigido por Enver Paxá. A Turquia entrou na I Guerra Mundial motivada pela oferta alemã de recuperar as províncias perdidas na Europa. Depois de um brilhante desempenho das Forças Armadas turcas na campanha de Gallípoli, as forças britânicas invadiram a Síria e ocuparam o sul da Anatólia. Os russos invadiram a Anatólia oriental e central em 1915 e 1916. Um quarto da população morreu, e sobreveio grave crise econômica.

    Com a rendição, o governo turco foi entregue às forças de ocupação aliadas. O Tratado de Sèvres (1920) determinou que o território turco englobava parte da Anatólia central e setentrional, estabeleceu zonas de influência francesa e italiana, autorizou a criação de uma Armênia independente e um Curdistão autônomo, internacionalizou a zona dos estreitos e deu à Grécia a Trácia e a região ao redor de Esmirna. O exército grego ocupou Esmirna em 1922. Na Anatólia, sob o comando de Mustafá Kemal Atatürk, ressurgiu o movimento nacionalista turco. Na Guerra da Independência turca (1918-1923), Atatürk expulsou as forças de ocupação gregas, inglesas, francesas e italianas. As zonas turcas da Trácia oriental e da Anatólia passaram a formar um único Estado. Proclamou-se a república com capital em Ancara, e em 1923 o sultanato foi abolido.

    Dirigida por Atatürk durante 15 anos, a República viveu intenso progresso econômico. Ismet Inönü deu continuidade a essa política e manteve o país neutro durante quase toda a II Guerra Mundial. Em 1952, a Turquia tornou-se membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). Inönü democratizou o regime e permitiu a introdução de partidos políticos de oposição. Em 1950, o Partido Democrático, que defendia a introdução da empresa privada, triunfou nas eleições gerais. O Partido Democrático controlou o governo entre 1950 e 1960, e a economia expandiu-se rapidamente. Não obstante, a má administração gerou descontentamento político. Em 1960, um golpe de Estado militar derrubou o governo e instaurou uma nova Constituição.

    Depois de 1961, a Turquia foi dirigida por uma série de governos fracos. Apareceram grupos extremistas e a violência aumentou. A disputa pelo poder se deu em geral entre os dois partidos com maior representação, o Partido Republicano, sob a liderança de Bülent Ecevit, e o Partido da Justiça, sob o comando de Suleimam Demirel. Havia outros partidos, mas a representação proporcional estabelecida pela Constituição impedia que eles obtivessem a maioria. Em 1974, a Turquia ocupou o norte de Chipre, em resposta a uma rebelião civil grega na ilha. Em 1980, o Exército tomou o poder e suspendeu a Constituição.

    Em 1982, promulgou-se uma nova constituição, e Kenan Evren foi nomeado presidente. Nas eleições parlamentares de novembro de 1983, o Partido da Mãe Pátria obteve uma vitória esmagadora. Seu dirigente maior, Turgut Özal, foi nomeado primeiro-ministro em 1989, sendo o primeiro chefe de Estado civil desde 1960. Depois da guerra do Golfo Pérsico e após uma rebelião dos curdos iraquianos centenas de refugiados cruzaram a fronteira da Turquia. Os governos ocidentais continuam criticando a violação turca dos direitos humanos. Com a vitória do Partido do Bem-estar (de tendência islâmica) em 1995, seu dirigente Necmettin Erbakam formou um governo de coalizão com o primeiro-ministro anterior e com o apoio dos deputados do Partido da Grande Unidade, de extrema direita.

     

    Os Turcos e Seus Costumes

     turpo4

    Ter contato próximo com culturas totalmente diferentes é sempre uma experiência fantástica. No entanto, antes de fazer as malas e viajar para um país desconhecido é interessante pesquisar e conhecer mais sobre os costumes do lugar, para evitar gafes ou até mesmo insultar sem querer alguém que está te recebendo tão bem. Os turcos são pessoas muito hospitaleiras e assim como nós brasileiros, eles têm alguns costumes comuns em seu cotidiano que valem a pena conhecer:

    Confira dez deles :

    1 – ANTES DE ENTRAR, TIRE OS SAPATOS

    Se você for convidado para conhecer uma casa turca ou visitar um templo e ao chegar, se deparar com sapatos do lado de fora, fique atento. É um costume comum tirar os sapatos antes de entrar em casas na Turquia e a razão disso é simples: os turcos prezam pela limpeza em seus lares e evitam trazer sujeira da rua para dentro de casa.

    2 – ELES VÃO ADORAR TE RECEBER

    s turcos são pessoas alegres e receptivas com suas visitas e eles adoram o povo brasileiro. Portanto, ao conhecer uma família turca, provavelmente você será recebido com muita comida. É comum que uma família turca passe várias horas em uma cozinha, preparando um verdadeiro banquete para receber suas visitas. Sente e aproveite porque é considerado ofensivo negar convites para refeições.

    3 – LIRA – A MOEDA TURCA

    A Lira Turca é a moeda do país. A aparência das notas é até similar ao nosso Real, bem colorida. Cada nota de Lira leva a figura de uma personalidade histórica da Turquia e o sistema de preços por lá também é um pouco diferente, então não se assuste ao encontrar um refrigerante sendo vendo por 1 milhão de Liras Turcas.

    4 – O DOLMUS

    O Dolmus é uma espécie de micro ônibus usado como transporte coletivo na Turquia. É muito utilizado, tanto em cidades grandes, quanto em regiões de menor movimento e em alguns casos, opera com rota definida ou simplesmente leva seus passageiros até o ponto onde cada um precisa chegar, funcionando como uma espécie de taxi coletivo. É comum que o motorista de um Dolmus só inicie a viagem quando houver passageiros suficientes para encher o veículo. Uma dica: se você for usar esse transporte, procure os últimos acentos, assim não terá que repassar o troco da passagem para os passageiros atrás e nem falar ao motorista o destino de cada passageiro.

    5 – CUIDADO COM OS PEDESTRES

    Se você preferir alugar um carro na Turquia fique de olho nos pedestres. Mesmo nas grandes cidades é comum ver pessoas atravessando deliberadamente uma avenida, sem ligar muito para os carros que estão passando. As travessias de pedestre não funcionam muito bem na Turquia, então o melhor é ter cuidado e evitar atropelar alguém.

    6 – NÃO DE UMA FACA A UM TURCO

    O turco é muito supersticioso e um dos costumes mais curiosos se refere a um simples ato de entregar uma faca a alguém. Muita gente na Turquia acredita que ao pegar uma faca diretamente da mão de uma pessoa, aumenta-se a probabilidade de ter uma discussão com quem te deu o objeto. O correto é que ao entregar a faca, você a apoie sobre uma mesa, para que o outro então possa pegar. Se acidentalmente um turco pega uma faca da mão de alguém, para anular o efeito negativo, é necessário cuspir no objeto, evitando assim uma briga eminente.

    7 – CUMPRIMENTOS

    É um costume comum entre os homens se cumprimentar com beijos no rosto e até mesmo andarem de braços dados. Os turcos demonstram de forma mais espontânea o afeto entre amigos. No entanto, é mais difícil que homens cumprimentem mulheres desconhecidas beijando-as no rosto. É normal também que pessoas mais velhas recebam beijos nas mãos de membros mais novos em uma família.

    8 – FIGAS, NEM PENSAR!

    Sabe aquele sinal de figas com as mãos? Cuidado ao usar isso na Turquia, pois é considerado de muito mal gosto e bastante ofensivo, podendo ser comparado até ao ato de mostrar o dedo do meio para alguém. Você não vai querer ofender ninguém, então o melhor é respeitar o costume.

    Leia também - A Conspiração do Harém

    9 – UM MINUTO DE SILÊNCIO

    Se você estiver nas ruas da Turquia no dia 10 de novembro, as 09h05 da manhã, vai perceber de repente um silêncio absoluto. Todos param as suas atividades, no comércio, nas casas e até mesmo no transito por um minuto. Isso acontece em respeito a Mustafa Kemal Ataturk, o fundador da república turca. A data é lembrada em vários monumentos do país e alguns relógios de museus foram desligados nessa hora em homenagem ao revolucionário.

    10 – BOA SORTE – IYI SANSLAR

    O Nazar Boncuk, também conhecido como olho turco é talvez o símbolo mais conhecido da Turquia. Ele combina muito com os cidadãos do país, já que carrega a superstição de espantar o azar ou o mau-olhado. É costume comum dar a uma criança recém-nascida um olho turco e o povo pendura o amuleto em todo canto: na fachada das casas, dos escritórios e das lojas. Então, carregue também um com você e boa sorte!

     

    Fonte: https://historiadomundo.uol.com.br
              Site Don Kebab
              https://trip4u.com.br

    Translate

    ptenfrdeitrues

     

     

    Curta O Arquivo no FacebookCurta O ARQUIVO no Facebook

    O Arquivo

    Sobre  |  Fale Conosco