O implante Neuralink de Elon Musk "fundirá" humanos com IA

    inteliar1Natashah Hitti, 22/07/2019 - O fundador da Tesla, Elon Musk, lançou a startup de tecnologia Neuralink para construir implantes que conectam cérebros humanos com interfaces de computador via inteligência artificial. A tecnologia que se aproximava veria grupos de minúsculos "fios" flexíveis de eletrodos implantados no cérebro humano por um robô neurocirúrgico. Esses fios detectam e registram os sinais elétricos no cérebro e transmitem essas informações para fora do corpo. Isso tem o potencial de criar um sistema de interface cérebro-máquina (IMC) de alta largura de banda, o que significa que conecta o cérebro a um dispositivo externo para formar uma interface cérebro-máquina.

    Primeiros testes em humanos até o final de 2020

    O objetivo é usar o Neuralink para entender e tratar diferentes formas de distúrbios relacionados ao cérebro ou à coluna vertebral. Por exemplo, humanos paralisados ​​poderiam usar o dispositivo implantado para controlar telefones ou computadores. No entanto, Musk também prevê o implante como um meio de melhorar seu próprio cérebro, dando aos humanos a opção de alcançar uma simbiose com inteligência artificial (IA). Isso poderia levar a um futuro de "inteligência sobre-humana", segundo Musk.

    inteliar2
    A Neuralink está trabalhando em um implante para conectar o cérebro humano a dispositivos externos

    Como Musk explicou no evento de lançamento do Neuralink em San Francisco, em 16 de julho, a idéia é criar um "futuro bem alinhado" que mitigue a suposta ameaça existencial da IA. Ele e sua equipe esperam testar o sistema em um paciente humano antes do final de 2020. Cada grupo de threads poderia conter até 3.072 eletrodos, que seriam distribuídos por 96 threads.

    inteliar3
    O pequeno dispositivo implantável contém pequenos chips sem fio

    A startup Neuralink de Musk também construiu um robô neurocirúrgico capaz de inserir seis fios no cérebro humano por minuto. Cada fio é menor que um décimo do tamanho de um cabelo humano e contém 192 eletrodos.

    Leia também - O Exército dos Estados Unidos testa Realidade Aumentada para soldados

    Tópicos inseridos por robô de neurocirurgia

    Cada grupo de eletrodos é encaixado dentro de um pequeno dispositivo implantável que contém chips sem fio personalizados, medindo de quatro a quatro milímetros. Os fios seriam inseridos individualmente no cérebro "com precisão em mícrons" por uma pequena agulha no final do robô, que mede cerca de 24 mícrons de diâmetro. Isso seria capaz de atingir partes específicas do cérebro e evitar danos aos vasos sanguíneos.

    inteliar4
    Cada grupo de threads pode conter até 3.072 eletrodos

    Como o presidente da Neuralink, Max Hodak, disse ao The New York Times, atualmente a operação exigiria furos no crânio do paciente para implantar os fios. No futuro, porém, eles esperam usar um raio laser para perfurar o crânio com uma série de pequenos orifícios, que não seriam sentidos pelo paciente.

    "Tão seguro e indolor" quanto a cirurgia ocular a laser

    O implante funcionaria gravando as informações emitidas pelos neurônios no cérebro, conforme explicado em uma apresentação em vídeo no evento. Os neurônios do cérebro se conectam para formar uma grande rede através de sinapses. Nesses pontos de conexão, os neurônios se comunicam usando sinais químicos chamados neurotransmissores, que são liberados em resposta a um pico elétrico chamado "potencial de ação".

    Quando uma célula recebe o suficiente do tipo certo de entrada de neurotransmissor, é desencadeada uma reação em cadeia que causa um potencial de ação, à medida que os neurônios transmitem mensagens às sinapses. Esses potenciais de ação produzem um campo elétrico que se espalha pelo neurônio e podem ser detectados colocando eletrodos nas proximidades, permitindo o registro das informações representadas por um neurônio.

    inteliar5
    A Neuralink também criou um robô de neurocirurgia capaz de implantar os fios

    A operação Neuralink afirma ser tão segura e indolor quanto a cirurgia ocular a laser, envolvendo uma incisão de dois a oito milímetros na qual colocar o chip, o que não requer pontos.

    Musk brincou no palco que os usuários "não sentiriam nada".

    Dispositivo vestível conecta implante a dispositivos externos

    Até 10 implantes podem ser inseridos em um hemisfério do cérebro. Estes são conectados através de fios muito pequenos, tunelados sob o couro cabeludo, a uma bobina condutora atrás da orelha. Essa bobina se conecta sem fio através da pele a um dispositivo vestível que a empresa chama de Link, que contém um rádio bluetooth e uma bateria.

    Leia também - Napalm

    Um único cabo USB-C fornece streaming de dados de largura de banda total do dispositivo para um telefone ou computador, gravando simultaneamente todos os canais de chip. Controlado por meio de um aplicativo para smartphone, o Link pode ser usado para fazer atualizações de software e corrigir erros via bluetooth, evitando a necessidade de adulteração do chip. Uma vez que o Link é retirado, o implante é desligado.

    inteliar6
    Os dados do cérebro podem ser transmitidos de um dispositivo vestível para um telefone ou computador

    O lançamento do Neuralink segue a previsão de Musk na Cúpula do Governo Mundial em Dubai, há dois anos, de que os seres humanos precisarão aprimorar digitalmente seus cérebros se quiserem acompanhar os computadores em um futuro dominado pela inteligência artificial.

    "Com o tempo, acho que provavelmente veremos uma fusão mais próxima entre inteligência biológica e inteligência digital", disse Musk. "É principalmente sobre a largura de banda, a velocidade da conexão entre seu cérebro e a versão digital de si mesmo, principalmente a saída.

    Fonte: https://www.dezeen.com/

    Translate

    ptenfrdeitrues

     

     

    Curta O Arquivo no FacebookCurta O ARQUIVO no Facebook

    O Arquivo

    Sobre  |  Fale Conosco