Por que os vampiros não refletem no espelho?

    vampes1Você já deve ter visto inúmeros exemplos de vampiros sendo retratados na ficção e uma constante é o fato de que eles não refletem sua imagem em espelhos. Você pode ter se perguntado de onde foi que surgiu esse conceito, e como é que sabem que vampiros não refletem? Bem, este artigo foi feito exatamente para sanar essa dúvida. Bram Stoker criou uma das peças mais duradouras da tradição vampírica da mídia em Drácula (1897) — a ideia de que eles não refletem em espelhos. Na verdade, era para ser mais do que isso, suas anotações nos dizem que "Pintores não podem pintá-lo — se assemelhariam sempre ...

    como outra pessoa" e "Não poderiam fotografá-lo — sairia tudo preto ou como um esqueleto cadavérico". Essas outras partes do folclore não fizeram parte do livro, mas o que nem o livro nem as anotações nos dizem é por quê. Uma indústria caseira surgiu tentando explicar isso. Na série de TV Moonlight (2007-2008), eles não podiam ser tradicionalmente fotografados (câmera de filme), mas não havia problema em serem capturados digitalmente, devido à emulsão de prata no filme. Esta foi uma expansão em uma frequentemente usada (falta de) explicação para o problema da reflexão que é o prateamento na traseira do espelho que impede a reflexão.

    Eu particularmente gosto da ideia (especialmente com o elemento pintor) de que talvez seja uma versão do efeito Dorian Gray. Como você sabe, Dorian Gray — no conto de 1891 de Oscar Wilde — tem um retrato de si mesmo que envelhece e mostra o impacto de seus excessos em vez de seu próprio rosto. Se o vampiro está fisicamente congelado no tempo, a pintura/reflexão não pode existir. Não há evidências de que este fosse o pensamento de Stoker, mas curiosamente ele e Wilde se conheciam como estudantes e embora houvesse algum mal-estar quando Stoker se casou com a ex-noiva de Wilde, eles finalmente se familiarizaram mais uma vez.

    Surgem então perguntas sobre por que é que o vampiro e suas roupas não refletem? Alguns filmes realmente têm as roupas refletidas, mas não o vampiro — o primeiro exemplo que eu posso imaginar é O Retorno do Vampiro (1944), estrelado por Bela Lugosi, que mostra o cadáver do vampiro em um caixão e depois uma reflexão que mostra apenas as roupas.

    Leia também - Corpos Pedrificados em Exposição

    Logo em seu encalço estava The Vampire’s Ghost, que é uma das poucas versões de The Vampire: A Tale (1819), de John Polidori, e data de 1945. Curiosamente, é claro, Polidori não usou tal característica em sua história original.

    O problema com a falta de reflexos em um filme é que as superfícies refletem e o cineasta não pode garantir que a produção manterá todas as reflexões acidentais de fora. Isso nos leva à versão de Drácula de John Badham em 1979, mostrando Frank Langella como o Conde. O filme deixa bem claro que os vampiros não refletem. De fato, há um ponto no filme quando Abraham Van Helsing (Laurence Olivier) e Jack Seward (Donald Pleasence) mostram a Jonathan Harker (Trevor Eve) o fato de que Mina Van Helsing (Jan Francis) não possui reflexo — eles então removem seu coração para finalmente libertá-la.

    No entanto, no início do filme, Van Helsing tinha ido para umas minas abaixo do cemitério à procura de sua filha vampírica (Mina no filme assume o papel tradicional de Lucy e é dada uma relação familiar com Van Helsing). Um morcego voa ao seu encontro e ele deixa cair seu crucifixo em uma poça de água. Enquanto ele procura, vemos refletido na água uma visão sombria — a do rosto medonho da Mina reanimada. A cena reúne a detração à medida que ela é refletida, claramente contra a própria lógica interna do filme. Em um extra do lançamento em DVD, Badham gostou da cena e inventou a regra de que os vampiros lançam reflexos em água benta e, quando a cruz caiu nela, a poça se transformou em água benta.

     

    Fonte: https://vamped.org

    Translate

    ptenfrdeitrues

     

     

    Curta O Arquivo no FacebookCurta O ARQUIVO no Facebook

    O Arquivo

    Sobre  |  Fale Conosco