Âmbar cinza

    amaim 2Âmbar cinza, âmbar pardo, âmbar gris ou âmbar de baleia, é uma substância sólida, gordurosa e inflamável, em geral de cor cinza fosco ou enegrecido, podendo contudo ter cor castanho escuro ou ser variegada com aspecto marmóreo. Em fresco tem cheiro fecal, mas com a exposição ao ar e à luz ganha um odor peculiar doce e terroso, com algumas semelhanças ao do álcool isopropílico. Foi de grande valor como fixante em perfumaria, atingindo por isso elevados preços, mas é hoje raramente utilizado, por ter sido substituído por um sucedâneo sintético e pelo seu uso poder configurar uma violação à Convenção CITES.

    Origem e história

    O âmbar cinza forma-se no intestino do cachalote (Physeter macrocephalus Linnaeus, 1758), a única espécie que se conhece produzir aquele material em quantidade apreciável, embora pequenas quantidades de uma matéria semelhante tenham sido encontradas nos intestinos da baleia-nariz-de-garrafa-do-norte (Hyperoodon ampullatus Forster, 1770 - também conhecido como botinhoso), uma espécie de zifiídeo aparentada do cachalote.

    Trata-se de uma secreção biliar, aparentemente destinada a envolver matérias indigestíveis, tais como as peças bucais de lulas e polvos e outros materiais duros ou cortantes, que poderiam ficar alojadas no tracto intestinal. O encapsulamento evitará que quando o animal está submetido às grandes pressões resultantes do mergulho profundo aqueles materiais perfurem o intestino e facilita a sua expulsão com as fezes.

    Leia também - O único insaio de Marilyn Monroe...morena!

    Conhecido desde a mais remota antiguidade pelos povos que habitavam as zonas costeiras dos oceanos, por ser encontrado a flutuar no mar ou arrojado às costas, o âmbar pardo, com o seu cheiro peculiar e origem desconhecida, era considerado um produto misterioso e por isso reputado como tendo propriedades curativas, afrodisíacas e mesmo mágicas. A sua raridade, resistência à decomposição e características físicas eram tais que sempre foi considerado precioso.

    Mais comum nas costas do Oceano Índico, embora aparecesse nas costas de todos os oceanos, até meados do século XVIII o âmbar pardo era considerado como sendo uma forma de enxofre dos mares, que se libertaria de cavernas sitas nas profundezas e flutuaria nas águas. Outra teoria dava-o como originado na raiz de uma estranha árvore que cresceria no litoral e emitiria raízes submarinas. Quando o desenvolvimento da baleação provou que ele aparecia no intestino dos cachalotes, tal presença foi inicialmente explicada como sendo pedaços não digeridos de âmbar engolido pelo animal, que o procuraria no mar pelas suas propriedades curativas.

    Apenas em meados do século XIX, a análise do produto, e particularmente a presença de restos alimentares embebidos, levou à aceitação generalizada de que o âmbar tinha uma origem orgânica e endógena no cachalote.

    Dimensão e ocorrência das concreções

    O âmbar pardo recolhido do mar, resultado das fezes dos cachalotes, aparece em geral em pequenas massas com pesos que variam entre algumas dezenas de gramas e os 50 kg, embora massas maiores (com mais de 200 kg) tenham sido encontradas. Como o produto que é encontrado no mar ou arrojado à costa já esteve nas águas por períodos em geral longos, e a sua superfície foi sujeita a fotodegradação, é em geral escuro e com odor agradável.

    O produto fresco, encontrado no interior do intestino de cachalotes abatidos, é em geral esbranquiçado e fétido, aparecendo em massas que vão desde alguns quilogramas até mais de 400 kg. Um cachalote capturado na ilha de São Miguel, nos Açores, tinha no seu intestino 322 kg, numa única concreção. A presença de âmbar pardo no intestino é irregular, ocorrendo tanto em machos como em fêmeas, mas parecendo ser exclusivo dos animais adultos. Também não parece existir uma relação directa entre o estado de saúde do animal e a presença de âmbar, embora entre os baleeiros fosse voz corrente que nos animais emaciados ou com sinais de doença fosse mais provável a presença de concreções.

    Dado que o âmbar pardo fresco é relativamente rico em água, as concreções podem perder até 50% do seu peso após um ano de simples secagem ao ar, pelo que não são directamente comparáveis os pesos das massas encontradas no mar ou arrojadas às costas e a matéria fresca. No que respeita à sua qualidade enquanto produto fixante de perfumes e quanto à suavidade do seu odor natural, o tempo de exposição ao ar e água salgada melhoram as características, pelo que o âmbar vendido em fresco era menos valioso.

    Cor

    A cor também varia com o tempo de exposição ao ar, indo do cinza claro nos produtos recentes até ao cinza e ao castanho muito escuros. Os âmbares mais antigos são dum cinzento-pardo quase uniforme e estão firmemente ponteados de amarelo claro por toda a sua espessura. Os de formação recente, com menor valor, apresentam-se com o aspecto de um pez castanho-escuro, firme e consistente. Em geral as massas são marmóreas, apresentando à vista camadas concêntricas de cor ligeiramente diferente. O aparecimento dessas camadas anelares resulta do processo da formação da concreção, já que camadas concêntricas e irregulares de matéria biliar são depositadas em torno de um núcleo central, enquanto a concreção vai sendo lentamente rebolada no intestino. No mesmo animal podem existir concreções diferentes, apresentando cores e consistências diferenciadas.

    Consistência e resistência ao corte

    A consistência do âmbar pardo varia desde a da cera dura de abelha até à consistência do alcatrão. As massas mais antigas são quebradiças, quase friáveis, com tendência para o esfarelamento. As mais recentes deixam-se moldar com os dedos e ao corte deixam uma superfície polida semelhante à do sabão.

    Solubilidade, fusão e vaporização

    Dada a sua natureza apolar, o âmbar pardo é insolúvel na água (diminuindo a solubilidade com a salinidade), sendo contudo solúvel nos éteres, óleos e álcool. Nos álcoois forma soluções de cor amarelo-acastanhada que fluorescem sob a luz solar com um halo esverdeado. Funde sem crepitação e sem espuma por volta dos 60º C, produzindo um líquido pastoso de cor negra. Esta propriedade é utilizada para a identificação rápida e preliminar do produto, sendo norma aquecer uma agulha ou fio metálico durante 15 segundos numa chama de gás e espetar no material. Se for âmbar pardo em torno da agulha forma-se uma zona de fusão preenchida por um produto ceroso negro que escorrerá em lenta ebulição. O âmbar pardo vaporiza-se a cerca de 100 °C libertando um vapor branco com cheiro intenso. Arde com chama fuliginosa, libertando um aroma semelhante ao da borracha queimada.

    Densidade

    A densidade varia em torno de 0,90 (existem registos de 0,870 a 0,926), o que explica a flutuabilidade das concreções e os longos tempos de permanência em flutuação no mar.

    Composição química

    O principal constituinte do âmbar pardo é uma molécula orgânica complexa, muito similar à colesterina, denominada ambreína. Quando purificada é uma substância branca, cristalina que funde entre os 82 °C e os 86 °C. Quimicamente a ambreína é um álcool monovalente cuja fórmula química corresponde a C26H43OH. Para além dos restos das peças bucais e outras impurezas de origem alimentar (já foram encontrados pelos de foca o que parece indiciar que a alimentação dos cachalotes não se restringe aos cefalópodes), o âmbar gris contém em geral um elevado teor de cloreto de sódio e pequenas quantidades de ácido succínico e de ácido benzóico. Estão também presentes traços de numerosas outras substâncias orgânicas odorantes, incluindo ácidos gordos complexos, ésteres e múltiplos compostos aromáticos.

    Resistência à decomposição

    A presença de ácido benzóico, a dimensão e complexidade estrutural das moléculas constituintes e a fraca solubilidade em água fazem do âmbar pardo uma substância muito resistente ao ataque bacteriano. A presença de copro-esteróis torna-o pouco atractivo para ingestão por outros animais. Tal explica a longa permanência no mar. O âmbar pardo é contudo susceptível ao ataque por fungos, sendo frequente o ataque por bolores, especialmente quando deixado em atmosferas úmidas com baixo arejamento e no escuro.

    Leia também - Arco-íris de fogo: veja como este estranho fenômeno ocorre

    Utilização

    Para além das utilizações cerimoniais e a queima como oferenda na antiguidade, em tempos recentes o âmbar pardo só tem utilização como afrodisíaco ou como especiaria e na indústria de perfumaria, sendo esta, de longe, a utilização dominante. Para ingestão como afrodisíaco, o âmbar pardo é misturado com açúcar ou ingerido em solução alcoólica. Como especiaria é raramente utilizado no sueste asiático para aromatizar vinhos e outras bebidas alcoólicas e, em quantidades minúsculas, aromatizar chás. Na perfumaria o âmbar é dissolvido num álcool, em geral etanol, sendo a dissolução feita a frio para evitar a dissociação do produto. Quando adicionado a essências perfumadas prolonga a sua fragrância e complexifica os aromas, dando-lhe persistência e bouquet.

    Com o desaparecimento da caça comercial ao cachalote, e com as questões jurídicas resultantes da protecção daquele animal no âmbito da Convenção CITES, a indústria perfumeira deixou quase por completo de utilizar o âmbar pardo para recorrer a sucedâneos escolhidos de entre produtos de síntese com características similares. O sucedâneo mais comum é o diterpeno (-)-8a-12-epoxy-13,14,15,16-tetranorlabdano, o conhecido sob a designação comercial registada de Ambrox. O seu isómero de quiralidade positiva (+)-8a-12-epoxy-13,14,15,16-tetranorlabdano, tem um aroma percebido como mais animal, mas um limiar de reconhecimento pelo olfacto muito mais elevado (2,4 ppb contra 0,3 ppb para o isómero (-)).

    Aplicação da Convenção CITES

    Com a inclusão do cachalote entre as espécies ameaçadas protegidas no âmbito da Convenção CITES, na generalidade dos países signatários é ilegal, e alguns casos punível com pesadas multas, a venda ou detenção de qualquer derivado daquele animal. Embora seja discutível a razoabilidade de aplicar esta norma ao âmbar pardo encontrado no mar ou arrojado à costa, é interpretação corrente que a utilização de tal produto, não obstante a especificidade de se tratar de facto de matéria fecal do animal, infringe a Convenção. Essa proibição levou ao abandono quase total da utilização do âmbar pardo em perfumaria, já que os perfumes que o contenham estão, ipso facto, banidos dos principais mercados internacionais. Daí o crescimento no uso dos sucedâneos sintéticos.

     

    Por que fezes de baleia podem valer milhares de dólares?

     amzin1

    03/05/2015 - Quem caminha por uma praia pode encontrar várias coisas na areia, entre elas algo que parece uma pedra, mas na verdade é matéria fecal que pode valer milhares de dólares. É o âmbar cinza, um nome mais elegante que designa um certo tipo de materia fecal das baleias cachalote e que algumas pessoas confundem com vômito da baleia. Há séculos o âmbar cinza é considerado um produto de luxo: já foi usado em cerimônias religiosas, ou como afrodisíaco no Oriente Médio, ou como produto culinário fino na China e como ingrediente em poções medicinais tradicionais. Mas atualmente a substância é usada principalmente pela indústria de perfumes.

    "O âmbar cinza tem um aroma muito particular", disse à BBC Mundo Dom Devetta, fundador da empresa de perfumes britânica Shay & Blue.

    "Seu aroma é intenso, doce, animal. Acrescenta uma capa dentro da fragrância que dá um toque de paixão, sensualidade, sexualidade e isto é algo muito difícil de conseguir."

    "Também ajuda o perfume a permanecer mais tempo na pele, mas, como qualquer outro aroma, não é para todo mundo", acrescentou Devetta.

    Na semana passada, um pedaço de âmbar cinza encontrado por um homem em uma praia britânica foi leiloado por cerca de US$ 17 mil (R$ 67 mil). Christopher Kemp, autor do livro Ouro flutuante: uma história natural (e pouco natural) do âmbar cinza, disse à BBC Mundo que o valor exorbitante se deve a uma série de fatores.

    "É escasso, tem propriedades muito diferentes - como a de estabilizar as fragâncias - e é impossível fabricá-lo em laboratório", afirmou.

    E não foi por falta de tentativa: já foram criadas versões de laboratório, mas elas ficam muito longe da qualidade do original.

    "É como escutar aos Beatles ou a uma banda que interpreta uma música dos Beatles. Soam igual, de alguma forma, mas definitivamente falta uma certa qualidade impossível de definir", afirmou

    O produto é raro pois, a princípio, o âmbar cinza só é produzido por uma parte muito pequena da população de cachalotes, cerca de 1%, e em circunstâncias particulares.

    "O âmbar cinza é um tipo de matéria fecal. Pelo menos é gerado no mesmo lugar que os excrementos e é expulso também pelo mesmo lugar. É um produto de um problema intestinal que alguns cachalotes têm", afirmou.

    Lulas

    Normalmente as cachalotes se alimentam quase exclusivamente de lulas. Em um dia, podem chegar a ingerir até uma tonelada. As partes duras destes moluscos, que não podem ser digeridas, são regurgitadas pela boca.Mas, em alguns casos, estes pedaços continuam a percorrer o sistema digestivo e irritam o estômago e o intestino delgado da cachalote. O intestino produz uma secreção gordurosa, rica em colesterol para cobrir este pedaços e atenuar o dano provovado no sistema digestivo do animal - e essas secreções ficam boiando no mar.

    Com o passar do tempo - anos e décadas, até - e, à medida que as correntes marítimas empurram a substância para vários lugares, ela vai se solidificando e adquirindo uma fragância partiular. Até que as ondas a levem de volta para a praia. Quanto mais tempo passar no mar, mais refinado e complexo será seu aroma e mais alto será o seu valor.

    Mercado

    É difícil determinar o quanto se usa o âmbar cinza. Por exemplo: está claro que, devido à sua escassez e ao fato de que encontrar o âmbar cinza é, em grande parte, uma questão de sorte, a indústria do perfume usa cada vez mais substâncias alternativas. E as grandes empresas também não querem revelar os ingredientes de suas fórmulas.

    Leia também - Formigas criam ponte para atacar ninho de vespas

    Kemp afirma que "muitas pessoas não gostam de saber que há produtos animais em suas fragâncias e menos ainda se são excrementos". Além disso, e apesar de em muitas partes do mundo com América Latina e Europa a comercialização da substância ser legalizada, os que participam do lucrativo mercado de compra e venda de substâncias exóticas "não querem compartilhar informações", de acordo com Kemp. Nos Estados Unidos uma lei de 1972 de proteção dos mamíferos marinhos proíbe a comercialização do âmbar cinza e também penaliza quem recolher um pedaço da substância na praia. Em outro países o uso está proibido também, "mas isto se deve acima de tudo a um tema vinculado a alergias", afirmou Devetta.

    Apesar destas proibições, Kemp afirma que "podemos dizer que há um mercado muito ativo" para o âmbar cinza.

     

    Se um dia encontrar esta pedra na praia, você ganhou a loteria

    amzin2

    Passeando na praia, um casal descobriu um verdadeiro tesouro. E não era um baú cheio de moedas de ouro…

    Indo para um passeio em uma praia não muito longe de sua casa em Overton, Inglaterra, Gary e Angela Williams não imaginavam que iam ganhar um prêmio.

    Atraído por um mau cheiro de peixe em decomposição, o casal de repente chegou perto de um objeto curioso do tamanho de um ovo de avestruz. Intrigado, Gary lembrou-se, por sorte, que era âmbar, uma regurgitação solidificada produzida pelo trato digestivo da baleia. Altamente valorizado, este material raro e caro é particularmente utilizado em perfumaria onde serve para fixar e exaltar outros perfumes considerados demasiado delicados e demasiado fugazes.

    Com um peso de 1,57 kg, o âmbar cinza colhido por Gary e Angela Williams devem trazer, sem surpresa, uma boa soma. Os últimos negociariam seu tesouro com potenciais compradores na França e na Nova Zelândia, que teriam se oferecido para comprá-los por 60.000 euros.

     

    Fonte: https://pt.wikipedia.org
               https://www.bbc.com
               https://www.ohmymag.com.br

    Translate

    ptenfrdeitrues

     

     

    Curta O Arquivo no FacebookCurta O ARQUIVO no Facebook

    O Arquivo

    Sobre  |  Fale Conosco