Vampiros do 'mundo real' mantêm segredo de beber sangue dos médicos para evitar preconceito

    vampmo12015 - Os vampiros não são encontrados apenas em histórias e filmes de ficção, mas uma pequena porcentagem de pessoas se identifica como vampiros na vida real, alguns bebendo sangue para manter sua energia espiritual e física. Muitos desses habitantes do escuro auto-identificados não admitem sua prática a médicos, conselheiros ou outros profissionais de saúde por medo de serem estigmatizados. As mídias sociais tornaram mais fácil para as pessoas com raras atrações e estilos de vida se conectarem, tanto online quanto na vida real. Isso pode ser útil para pessoas que buscam apoio de outras pessoas com interesses semelhantes.

    "Nós realmente precisamos entender algumas dessas novas identidades e novas maneiras de nos identificarmos, e algumas dessas novas identidades não se encaixam em estereótipos. Ajudar profissionais de todas as variedades a precisar de mais educação sobre esses tipos de tópicos", D.J. Williams, diretor de serviço social da Universidade Estadual de Idaho, disse. Os vampiros do mundo real afirmam que precisam recarregar regularmente sua energia para manter sua saúde. Enquanto alguns vampiros fazem isso com energia mental, outros buscam doações de sangue de doadores. Essa população pode ser maior do que muitas pessoas imaginam e inclui pessoas mais velhas, além de muitos jovens.

    "Muitas pessoas provavelmente assumem que são crianças mais jovens ou jovens que assistem Twilight ou outros tipos de cultura pop. No entanto, a verdadeira comunidade de vampiros, que é autodefinida por pessoas que alegam a necessidade de energia extra (sangue ou sangue)". energia psíquica), tendem a não se encaixar nesse estereótipo demográfico ", afirmou Williams.

    Leia também - Sceadugengan - Andarilhos das Sombras

    Os vampiros têm os mesmos problemas que todos os outros, incluindo pressões relacionadas ao estresse, trabalho e problemas familiares. Os pesquisadores acreditam que, se os vampiros do mundo real retiverem informações sobre seu estilo de vida dos profissionais de saúde, isso poderá ser prejudicial à saúde geral. Williams e sua equipe também declararam que os médicos e outras pessoas da comunidade de bem-estar poderiam servir melhor os pacientes, sendo abertos e aceitando aqueles que se consideram vampiros.

    A Universidade Estadual de Idaho conduziu entrevistas com vampiros, que relataram, quase universalmente, que hesitavam em trazer seu estilo de vida a terapeutas e médicos. Esses sujeitos relataram medo de serem estigmatizados, considerados mal ou diagnosticados com graves problemas psicológicos, potencialmente exigindo hospitalização. Embora muitas pessoas se vistam de vampiros, incluindo presas falsas, elas não devem ser confundidas com a população menor que sente que precisa consumir energia mental ou sangue. O estudo de como os vampiros auto-identificados podem se sentir estigmatizados, admitindo seu estilo de vida a profissionais de saúde, foi publicado na Critical Social Service.

    Fonte: https://www.techtimes.com/

    Translate

    ptenfrdeitrues

     

     

    Curta O Arquivo no FacebookCurta O ARQUIVO no Facebook

    O Arquivo

    Sobre  |  Fale Conosco