Caso Paulo Coutinho - Parte 1

    coutinho1Na noite de 23 de julho de 1976, a família de um jovem estudante do bairro Aricanduva, em São Paulo, vive momentos de angústia. Seu filho, Paulo Coutinho, desaparece misteriosamente por aproximadamente 20 horas. Na tarde do dia seguinte, aparece ao lado de sua casa, visivelmente abatido e contando ter sido levado a bordo de um OVNI por seres estranhos.  Caso Paulo Coutinho, também conhecido como Caso Aricanduva, ...

    é um dos mais interessantes casos ufológicos ocorridos na cidade de São Paulo. Dados sobre o episódio: A testemunha: Paulo Coutinho, estudante, de 37 anos de idade (na ocasião do rapto), quarto filho do casal Maria Coutinho e José Coutinho (de 59 anos de idade, aposentado).

    Leia também - Acordos secretos entre militares e seres alienígenas

    Local do seqüestro: Rua Moisés Marx, uma das principais do populoso bairro de Aricanduva. Este bairro fica na cidade de São Paulo, a uma distância de aproximadamente 12 a 15 km do centro.

    Residência da testemunha: Rua Júlio Colaço, nº 399, Vila Aricanduva – São Paulo (Capital), distante cerca de 700 metros do local do seqüestro.

    Datas:

    Do seqüestro: 23 de junho de 1976, aproximadamente às 24 horas;

    Da devolução do seqüestrado: 24 de junho de 1976, cerca de 20 horas após o rapto;

    Da pesquisa: 16 a 24 de outubro de 1976; 26 de março e 15 de maio de 1977.

    Agradecimento: O nosso agradecimento vai para os familiares de Paulo e para Carlos Artur Ribeiro da Rocha (que mui habilmente nos informou sobre o presente caso, alem de também outros). Passamos agora a narrar o episódio propriamente dito, e chamamos a atenção dos leitores, para as importantes peculiaridades de que o mesmo se reveste.


    O Episódio


    Antecedentes: Paulo Coutinho freqüentava o segundo ano, na escola Zalina Rocha, em horário noturno. Esta escola fica situada na Rua Dr. Luiz Carlos, distante cerca de três quadras da sua residência.

    No dia do incidente Paulo havia saído de casa cerca de 18:45 hs. Antes de seguir para o colégio, ele passou pela casa de sua namorada, que estuda no mesmo estabelecimento. Ambos chegaram à escola por volta das 19:25 hs.

    OBS.:Instado por nós a fazer um relato minucioso de tudo o que se passou naquela noite, Paulo narrou um fato interessante: Entre 21:15 hs e 22:45 hs, ele havia feito uma prova de matemática. Normalmente, nesta matéria, ele obtinha a nota mínima(“D”). Entretanto, na prova que mencionamos, Paulo conseguiu, inexplicavelmente, a nota máxima (“A”).

    Paulo e sua namorada saíram do colégio, aproximadamente às 23:30 hs. Ele deixou a moça em casa e se dirigia para a residência dele.

    Seu trajeto era a Rua Moisés Marx, que alcançou, aproximadamente, às 23:45 hs. Conforme se pode observar em algumas fotos que acompanham o texto, essa rua apresenta uma topografia irregular, com altos e baixos; ela passa pela igreja de São Pedro, segundo uma orientação leste-oeste, e apruma-se a seguir, em direção ao centro da cidade de São Paulo.

    OBS.:O colégio estadual de Vila Aricanduva (CEVA) Zalina Rocha, situado na esquina das ruas Dr. Luiz Carlos e Prof.  Miguel Russiano, serve a aproximadamente 2 mil alunos, oriundos não só daquele bairro, como também, das vilas Guilhermina, Artur Alvim, Matilde Dalila e Cidade Patriarca.

    Calcula Paulo haver deixado a escola às 23:30 hs em companhia de sua namorada, que deixou às 23:45 hs, na esquina da rua onde a mesma residia. Isto foi confirmado, posteriormente pela mãe da moça, que a aguardava naquela ponto e acrescentou que o encontro ocorrera por volta de 23:45 hs. Cronometrando-se o tempo que se gasta para ir daquela esquina até o local do seqüestro (assinado no mapa), evidencia-se que Paulo deve ter gasto, no percurso, uns 4 min, o que indica ter o incidente ocorrido aproximadamente às 23:47 hs.

    Descrição do episódio: Paulo caminhava na direção leste-oeste, na calçada direita da rua Moisés Marx. De repente, a um ângulo de aproximadamente 60º acima do horizonte, ele avistou uma luz branca. Aparentemente, esta luz se afastava em direção ao centro  da cidade.

    O estudante parou para observar melhor a estranha luz. Nisto, percebeu que, ao invés de afastar-se, a luminosidade inverteu seu movimento e rapidamente aproximou-se do rapaz. Assustado, Paulo procurou afastar-se depressa do local. Só então notou que isto já não era mais possível. Repentinamente, sentiu-se impedido de fazer qualquer movimento com os membros e com o resto do corpo. A única exceção eram seus olhos, por meio dos quais continuou a acompanhar a vertiginosa aproximação da luz.

    Durante os dois segundos seguintes, a luminosidade aproximou-se o suficiente para se distinguir sua forma. Tinha o feitio de uma esfera de aproximadamente 2m de diâmetro. A lua, antes branca, mudara para uma tonalidade alaranjada (comparável à do padrão Letrafilm 280 M). A esfera baixou ao nível do solo, sobre a calçada, distando cerca de 6 m de Paulo. O objeto luminoso ficou perto da murada das casas e jardins. Mais tarde, Paulo se lembrou de que a luz da esfera iluminava um arbusto que se erguia a uns 80 cm acima do muro.

    Paulo acredita que ficou imobilizado e observando o objeto por uns 2 ou 3 minutos. Gradualmente, a luz da esfera foi desaparecendo. Após o total desaparecimento, surgiu, em lugar da esfera, a figura de um indivíduo anão, com uma estatura aproximada de 90 cm. A sua cabeça era exageradamente grande, com cerca de 30 cm de diâmetro, ocupando quase um terço do volume do corpo.

    Leia também - Quem é Asthar Sheran?

    Os olhos mediam aproximadamente 3 cm de diâmetro. Embora proporcional ao tamanho da cabeça, eram bem maiores que o olho humano comum. A esclerótica era grande e branca. Sobressaía no centro do olho a pupila, também grande, e cercada por íris de um azul pálido. A cabeça do estranho ser era totalmente calva. Paulo continuava imobilizado. Durante uns 2 ou 3 minutos, ele e o anão ficaram se observando mutuamente. O estudante pôde então distinguir tais pormenores graças à luz de mercúrio, oriunda de um poste de iluminação pública, que ficava próximo. Ele pôde notar, também, que as feições da criatura não se pareciam com as de um terrestre. O anão apresentava um nariz feio, arrebitado, como um focinho de porco; a boca era relativamente pequena e ele vestia um macacão de tecido bem grosso, sem nenhuma emenda, de cor cinza-azulada.

    Em seguida, sem que ele próprio pudesse achar uma explicação para o seu gesto, Paulo começou a movimentar-se na direção daquela ser. Prosseguiu até reduzir a distância entre ambos, de 6 metros, para apenas 50 cm. Depois, colocou-se do lado esquerdo do ser, paralelamente a este (nesta posição, ele fica entre o anão e o muro). Paulo havia dado, portanto, uma volta de 180º com o corpo. Tudo isto ele percebeu apenas com os olhos, uma vez que se encontrava totalmente impedido de fazer outros movimentos, além dos descritos.


    Uma viagem

    coutinho3


    Paulo e o anão estavam postados na Rua Moisés Marx, no sentido leste, adiante deles ficava a Igreja de São Pedro. O estudante observou então que a igreja começou a situar-se lentamente num plano inferior ao dele. Dirigindo o olhar para o plano da rua, Paulo notou que outro se afastava cada vez mais. A princípio, duvidou que isto significasse a elevação do seu corpo, no ar. Mas, percebeu de soslaio que o ser ao seu lado também acompanhava esse movimento de ascensão. Logo notou que ambos ultrapassavam a altura dos postes de iluminação, que possuem aproximadamente 20 metros de comprimento. A elevação dos dois processou-se lentamente, até alcançarem uma altura de uns 30 m. Isto aconteceu num intervalo de aproximadamente 10 ou 15 segundos.

    A seguir, a ascensão tomou um ritmo vertiginoso. Paulo notou isto porque viu a Terra distanciar-se deles em poucos segundos. O nosso planeta apresentou-se com a forma de um globo, com uma das metades preta (à esquerda), e a outra azul.

    O estudante acredita que avançaram no espaço por mais 25 ou 30 segundos. Nesse instante, ele começou a perceber um objeto à distância. Esse objeto possuía a forma de um charuto, com uns 200 ou 300 metros de comprimento; a sua cor era de um vermelho cintilante. Este cilindro estava colocado horizontalmente em relação ao campo visual de Paulo.


    Dentro de uma nave

    coutinho4


    Paulo e o ser extraterrestre aproximaram-se então vagarosamente do cilindro. Nesse instante, a cor do objeto mudou para cinza claro (padrão Letrafilm 171 M). No centro do cilindro, havia uma certa marca retangular de cor cinza escura (padrão Letrafilm 230 M). O rapaz e seu acompanhante chegaram perto desta marca e, por ela, passaram para o interior do cilindro. Paulo acreditava que o fato aconteceu desta forma, pois ignora a maneira exata como se deu a passagem. Lembre-se apenas de que sentia uma tonteira, e, repentinamente, encontrou-se estendido sobre um chão poroso, no interior de um círculo cinza escuro (padrão Letrafilm 174 M). Ele notou que se achava em um cômodo quadrado, com certa de 3 metros de lado. As paredes e o chão do compartimento eram de cor cinza clara.

    Ao lado do estudante, havia mais dois anões, de pé, além daquele que o trouxera para a nave. As feições destes dois outros seres eram idênticos às do primeiro. Porém, diferiam um pouco na altura, pois um deles era mais alto que o outro. Além disso, apresentavam pequenas diferenças características nos traços do rosto.

    Duvidando ainda que estivesse vivendo  um fato real, Paulo quis colocar-se de pé. Ele desejava tocar nos estranhos com as próprias mãos, para se convencer melhor de tudo. Entretanto, não conseguiu ficar de pé. A altura do quarto onde se achava era de aproximadamente 1,20m, e a estatura de Paulo é de 1,74m. Assim, o rapaz viu-se forçado a ficar de joelhos no chão. Quando tentou colocar as mãos nos extraterrestres, este gesto também foi impedido, porque, repentinamente, o estudante viu-se de novo imobilizado. Simultaneamente, surgiu na mente de Paulo esta mensagem: “Nós não vamos fazer coisa alguma contra você. Assim, também, não tente coisa alguma contra nós!”. Uma vez que este pensamento não se originava de seu próprio raciocínio, Paulo julgou que a idéia estava sendo emitida para ele, pela mente de um dos extraterrestres.

    OBS.: Paulo não fez referência, em nenhum momento, a qualquer aparelho, nas mãos dos astronautas, que se pudesse responsabilizar pela paralisação que sofreu: quer no interior da nave, quer ainda na Terra, na rua Moisés Marx, quando foi seqüestrado. Nestas condições, não podemos dar aos estudantes nenhuma das explicações oferecidas em casos semelhantes, discutidos, às vezes, sob título “Efeitos fisiológicos de raios”, como nos casos relatados nos Boletins da SBEDV, nº42/44 (pág. 1 e 2), 48/50 (pág.:6 a 7), 54 (pág.: 19), 55/59 (pág.: 13 à 15), 66/68 (pág.: 89 a 90), 74/79 (pág.: 25 a 26), 80 (pág.: 22) e 94/98 (pág. 7)

    Logo em seguida, nova mensagem surgiu na mente de Paulo: “Siga-nos”!. Dois seres, à sua frente, dirigiram-se em direção à uma das paredes do quarto. Paulo acompanhou-os, tendo, à sua direita, o mesmo anão que o raptara. Os movimentos de Paulo agora haviam recuperado a liberdade. Contudo, enquanto os seres moviam-se com destreza, Paulo arrastava-se penosamente de joelhos. Na parede em frente, repentinamente a parte central desapareceu, deixando um vão de aproximadamente 2m. Por esta abertura, todo o grupo atravessou para uma sala contígua.

    Esta sala era mais extensa que a anterior, também quadrada, apresentando cerca de 10 m de lado. Entretanto, a altura era idêntica à do quarto, e, como neste, havia superfícies curvilíneas de encontro (concordância) entre as paredes e entre estas e o teto. Não havia, nesses locais, as linhas retas (arestas) usuais. A cor e abertura do chão e das paredes eram conforme as do quarto. Nesta sala havia mais seis criaturas. Tais seres apresentavam aspecto semelhante ao daquele que acompanhava Paulo. Ao todo, havia agora nove tripulantes. Conforme o estudante notou, um dos tripulantes estava encostado à parede e de tal modo que à sua direita ficava a abertura por onde o grupo havia penetrado. Este ser tinha uma das mãos colocada numa saliência da parede. Com o desenrolar dos acontecimentos, Paulo interpretou que esta saliência seria um posto de comunicação interna com outros compartimentos da nave. O estudante arrastou-se em direção à parede oposta à que lhe servira de passagem. Quando faltavam cerca de 2 metros para chegar até a mesa, recebeu ordem (telepática) para permanecer onde estava. Obedeceu à ordem e sentou-se para mais bem se acomodar.


    A Morfologia dos extraterrestres

    Leia também - Turistas invadem vilarejo francês em busca de 'garagem alienígena'

    Paulo achou esta sala arejada. Isto porque sentia o frio do suor que lhe corria pelo rosto e pelo corpo (devido ao medo que estava experimentando). Observando mais atentamente os tripulantes da nave, notou que todos usavam roupas iguais às dos outros que o introduziram na sala. Todos vestiam macacões de um tecido cinza azulado (Letrafilm 115 M), fechado no pescoço e nos punhos. Usavam sapatos de cor prateada, com sola inteiriça, lisa, grossa e bicuda. Entretanto, tamanho dos calçados, de aproximadamente 27 cm de comprimento, era desproporcional em relação à reduzida altura dos anões (cerca de 90 cm). Contudo, os cinco dedos visíveis, das mãos, eram de dimensões bem proporcionais em relação aos corpos. Todos os tripulantes eram calvos, à semelhança dos anteriores. Possuíam pele branca, e ombros largos. Os olhos eram também grandes, com esclerótica branca e íris de um azul claro, quase branco. Impressionava bastante o formato amendoado, que possuíam os olhos, com diâmetro de uns 3 cm, conforme anteriormente mencionamos. Todos possuíam o mesmo tipo de nariz arrebitado. Apresentava uma fronte ampla, com duas protuberâncias, sendo que a da esquerda se acentuava mais que a do lado direito. A pele de seus rostos parecia mais sólida que a dos terrestres, rugosa, comparável à das palmas das mãos (conforme interpretação do próprio Paulo). Na boca, não se enxergavam os dentes, uma vez que não a abriam o suficiente para que fossem vistos, e nem sorriam. Entretanto, dentre  os seis tripulantes que se encontravam na sala, havia três que apresentavam feições mais harmoniosas e delicadas. As suas orelhas, ao invés de seres bicudas e grandes como as dos demais, eram menores, bem formadas com o pavilhão auricular de forma quase circular. Como se soube mais tarde, estes últimos tipos de tripulantes corresponderiam à mulheres daqueles extraterrestres.

    OBS.: O leitor já deve ter reparado os croquis explicativos, de boa qualidade, que acompanham o texto. Estas ilustrações foram feitas por Paulo. Isto contribui enormemente para a pesquisa, não só do caso em foco mas também talvez para outros que vierem eventualmente a ocorrer, para o futuro, especialmente os que se referirem à seres extraterrestres semelhantes aos agora descritos.

    PARTE 2

     

    Translate

    ptenfrdeitrues

     

     

     Ajude a manter o site no ar.

     

    Curta O Arquivo no FacebookCurta O ARQUIVO no Facebook

    O Arquivo

    Sobre  |  Fale Conosco