OVNIS, Controle mental e Projetos Secretos - Parte 1

    secreto8Einstein afirmou uma vez que "resolver os problemas pela violência, é sinal de fraqueza" . Dos tempos imemoriais, passando pelo império de Alexandre, ao Egipto; do império romano aos nossos dias, os que quiseram ou querem impor-se pela força, procuraram e procuram sempre uma maneira astuciosa de colher informações ou eliminar "opositores". Tais práticas são conhecidas por "espionagem" e "eliminação selectiva". Pode afirmar-se, com alguma certeza, que as "raízes" da espionagem moderna a Ocidente, estão nos reinos de Portugal e de Castela, na Península Ibérica (nos primórdios da fundação das nacionalidades), cujos métodos foram aperfeiçoados séculos mais tarde, pela Inquisição) e, a Oriente, na região da China e da Manchúria .É com o desenrolar dos ...

    acontecimentos históricos na Europa no Século XX, aliados ao desenvolvimento tecnológico, que os "métodos" utilizados na espionagem e contra-espionagem, deram um salto de gigante. E o fenómeno OVNI parece não estar alheio a esta questão. Senão, vejamos:

    Leia também - Manual do Grupo de Operações Especiais Majestic 12


    TRIÂNGULO DAS BERMUDAS



    É na sequência do desaparecimento misterioso em 5 de Dezembro de 1945, da esquadrilha 19 constituída por 5 aviões Avengers, ao largo da Flórida, ( na região conhecida por "Triângulo das Bermudas"), que um grupo de oficiais da contra-espionagem da marinha do Estados Unidos recebeu ordens do presidente Truman para constituirem um corpo especial de investigação denominado CIG - Central Intelligence Group predecessor da CIA.

    5 aviões Avengers desapareceram no triângulo de Bermudas em 5-Dezembro-1945

    CIG - Central Intelligence Group

    Um dos primeiros casos que a CIG investigou, para além do desaparecimento da Esquadrilha 19, foi o dos designados GHOST ROCKETS (observações massivas de OVNIS na Suécia, em 1946).

    Meses mais tarde a CIG alterou a designação para CIA e em Setembro de 1947 (o incidente de Roswell ocorreu em Julho de 1947), esta criou dois grupos especiais de investigação:

    Em 1948 o OSI - Office Scientific Intelligence destinado à Análise Científica de Tecnologia Alien ; e
    Em 15 de Janeiro de 1951 o OCI - Office Current Intelligence com o objectivo de investigar o fenómeno OVNI mantendo ao corrente o resultado das investigações, o presidente dos Estados Unidos e o NSC-National Security Counsil (Conselho Nacional de Segurança)

    CIG - Central Intelligence Group                     
    CIA - Central Intelligence Agency

    OSI - Office Scientific Intelligence
    OCI - Office Current Intelligence

    Assim temos que, como os serviços de "inteligência" a par de investigação OVNI, envolviam custos elevados, eles passaram a ser total ou parcialmente financiados por orçamentos da defesa.


    ROSWELL


    Como se sabe, uma das funções dos serviços de inteligência, é a de preparar homens especialmente treinados para operações especiais, que, depois de serem cumpridas, partem do objectivo sem deixar rasto.

    Uma dessas operações teve lugar próximo de Roswell, onde, em Julho de 1947, presumivelmente terá-se-á despenhado um OVNI. Com efeito, cerca de 700 homens da Força Aérea dos Estados Unidos foram enviados para a região no intuito de, rastejando durante dias numa área de vários quilómetros quadrados, "palmilhando" centímetro a centímetro todo o terreno, recolher qualquer vestígio, ainda que milimétrico, resultante do acidente ! Conclusão ? Não havendo provas materiais, o OVNI nunca existiria !

    Outra das funções dos serviços de "inteligência" é, como sucedeu no caso Roswell, o de silenciar as testemunhas oculares ou outras pessoas com conhecimentos específicos com eles relacionados: seja pelas ameaças veladas à sua integridade, ou aos seus familiares e amigos.


    O SILENCIAR DOS INOCENTES EM ROSWELL...

    Leia também - Raças Alienígenas

    Frank Joyce, locutor da estação de rádio de Roswell, KGFL que deu em primeira mão a notícia da queda do OVNI.

    Ameaça recebida dos serviços secretos: "Se vocês derem mais alguma notícia sobre a queda do OVNI em Roswell, fechamos a estação de rádio e nunca mais poderão trabalhar..."

    FrankieRowe, filha do comandante de bombeiros de Roswell que transportaram pretensos corpos de humanóides para o Hangar 84.

    Ameaça recebida dos serviços secretos: "Ouviram bem ? Vocês não sabem de nada. Se disserem alguma coisa, levamo-los para o deserto e nunca mais encontrarão os vossos corpos"

    William Wood, testemunha ocular que naquela altura, tinha 13 anos.

    Ameaça recebida dos serviços secretos: "Se disseres que viste algum OVNI em Roswell nunca mais verás a tua família !"

    Mas sabendo quanto imprevisível é o comportamento humano, pensaram que o mais fácil seria, se houvesse uma outra forma ( mais subtil) de controlo. Se se pudesse fazer o controlo mental dos humanos ...


    JACQUES D' ARSONVAL


    Foi nesse momento que alguns serviços de inteligência do E.U.A. lembraram-se que, em 1893, nos finais do Século XIX, o investigador Jacques d' Arsonval efectuou experiências com animais mamíferos, submetendo-os a emissões rádio-frequência. Arsonval constatou que os animais submetidos às radio-frequências, hoje conhecidas por micro-ondas, alteravam o seu comportamento e a sua diatermia, aumentando a temperatura no corpo.


    PROJECTO MOONSTRUK

     

    Com base nos estudos rudimentares de Jacques d' Arsonval , a CIA decidiu criar o Projecto Moonstruk. O objectivo era o de tentar desenvolver emissores-receptores de pequenas dimensões que seriam implantados no cérebro e nos dentes dos "incautos"; estes implantes seriam ali colocados sem conhecimento das vítimas, durante intervenções cirúrgicas ou raptos. Estes implantes seriam produzidos pela empresa AT&T que já tinha colaborado durante a II Guerra Mundial com o OSS - Office of Strategic Services no Projecto MANHATTAN (construção da primeira bomba atómica).
    Na imagem acima à esquerda vem

    os uma radiografia do crâneo com implantes, antes de serem retirados pela narina direita a Robert Naesland (imagem à direita). Robert Naesland afirma que aqueles objectos foram implantados pela SAPO o equivalente Sueco do MK Ultra

    Inicialmente, os testes foram feitos em mendigos, em prostitutas e nos sem abrigo. O objectivo essencial consistia em tentar alterar o comportamento dos seres humanos sem o conhecimento destes, através da excitação electronica do cérebro - E.S.B. . Estes implantes trabalhavam na base de altas frequências HF - ELF .



    PROJECTO BLUEBIRD - PROJECTO ARTICHOKE



    Facilmente se constatou que nos anos 50 a tecnologia, ao nível da electrónica, não se encontrava minimamente desenvolvida, pelo que tornava-se difícil efectuar "apenas" electronicamente um controlo mental por emissões de "radio-frequências". Foi então testado um novo método: associado aos implantes, era ministrado LSD e aplicados choques electricos. Assim surge em 20 de Abril de 1950 o Projecto Bluebird que em Agosto de 1951 passa a designar-se Projecto Artichoke . O objectivo era o de "apagar" memórias vividas e implantar falsas memórias. Esse trabalho foi desenvolvido com base nas experiências feitas pelos chineses conforme descreveu no seu livro publicado em 1951 por Edward Hunter ex-oficial da CIA intitulado "BRAIN-WASHING IN RED CHINA. THE CALCULATED DESTRUTION OF MEN'S MIND"



    PROJECTO MK-ULTRA - PROJECTO MK-SEARCH



    Em 3 de Abril de 1953, foi criado pela CIA o Projecto MK-ULTRA - Candidatos Manchus , ,dividido em 149 subprojectos . O objectivo principal era o de, electronicamente, "apagar" a memória das "vítimas" - E.D.O.M. utilizando remotamente radio-frequências de VHF, UHF e HF, e "implantar" falsas memórias e criar humanos com personalidades múltiplas, inclusivé como "serial killers", altamente especializados e treinados em diversos tipos de armas.

    Segundo o investigador Colin A.Ross Doutorado pela Universidade de Alberta e especializado em Psiquiatria pela Universidade de Manitoba, E.U.A, e presidente do International Society for the Study of Dissociation, as Universidades de Harvard, Yale e John Hopkins eram instituições pertencentes ao MK-ULTRA onde eram feitas experiências com estudantes involuntários. Em 7 de Junho de 1964 é criado o Projecto MK-SEARCH de idêntica natureza, subdividido em 7 subprojectos.

    Uma pequena chamada de atenção: o termo "Candidato Manchu" mais conhecido por "Manchurian Candidate", foi dado a conhecer em 1959, por Richard Condon quando, após ter colaborado com a CIA, publicou um livro sobre este tema naquele ano , tendo este sido um "best seller". O curioso nesta questão é que a pessoa anteriormente referida, era irmão do Dr. Edward Condon, Físico e Prof. da Universidade de Colorado, Chefe do Programa de Investigação sobre os OVNI's da Universidade de Colorado, àrea civil, no Projecto Blue Book, e que apresentou em 12 e 13 de Junho de 1967, através do capitão da Força Aérea dos Estados Unidos, Van Diver, o célebre relatório de 937 páginas sobre sobre o fenómeno OVNI designado por Relatório da Comissão Condon para os OVNI's .

    Voltando ao tema, as experiências destes dois projectos o MK-ULTRA e o MK-SEARCH resultavam do seguinte: antes das memórias "vividas" serem apagadas, transformavam as vítimas em "vegetais"; para isso, era administrado aos "pacientes" um "cocktail diário para dormir", (por um período de 15 a 30 dias a que designavam por "terapia do sono") composto por 100 mg de nembutal, 100 mg de torazina, 100 mg de seconal, 150 mg de veronal e 10 mg de fenergan e, de 2 a 3 vezes por dia, electrochoques de 110 volts. Esta "terapia" foi inicialmente testada num hospital de Montereal (Canadá), sob a supervisão do psiquiatra Dr. Ewen Cameron, director do Allen Memorial Institute e que foi eleito, em 1953, presidente da American Psychiatric Association (Associação Psiquiátrica Americana) e, mais tarde, presidente da World Psychiatric Association (Associação Psiquiátrica Mundial).

    Leia também - As esferas, plataformas e a ajuda dos aliens

    Paralelamente, no National Institute of Health (Instituto Nacional de Saúde , EUA), em Washington, o Dr. John Lilly efectuava testes em cérebros de macacos, cujas conclusões seriam posteriormente aplicadas em humanos, descobrindo 600 pontos no córtex cerebral, onde, à distância, e por meios rádio-eléctricos, podiam ser "transmitidas ordens subliminares"



    SEROTONINA



    Depressa se constatou quais eram os resultados:

    quanto mais elevadas as radio-frequências enviadas ao receptor,
    - maior é a sua percepção;
    - aumentam os casos de amnésia;
    - numa conversação longa, começam a produzir-se raciocínios ilógicos, causando confusão mental;
    - os períodos de depressão aumentam, bem como a ansiedade, a irritabilidade e a insónia;
    - crescem os sintomas de cansaço;
    - aumentam a distorção na visão, na audição e a anemia e os sintomas associados à esquizofrenia.
    Sabe-se hoje, que alguns dos sintomas associados à esquizofrenia resultam de um elevado nível de Serotonina 5HT ou baixo nível do metabolismo da Serotonina 5HIAA. A serotonina é um dos mais de 100 tipos de neurotransmissores conhecidos
    que existem no nosso cérebro, e que quando o seu nível é elevado, são responsáveis por esquizofrenias, psicoses e algumas doenças tais como a de Alzheimer, e Anorexia entre outras; ou, quando o seu metabolismo é baixo , induzem as pessoas a praticarem crimes violentos, o suicídio, a terem insónias, depressões, bulimia, a praticarem exibicionismo, etc.

    Em resumo:  quanto mais rádio-frequência for absorvida pelo cérebro dos seres humanos, mais violentamente eles se comportam.

     

    PROJECTO ORION



    Em 1958 a Força Aérea dos E.U.A. decide criar, com dependência directa dos seus serviços de inteligência, o Projecto Orion cujo pseudónimo era Projecto Dreamland (terra de sonhos) . Os objectivos eram idênticos aos anteriores. Os meios eram: a hipnose, o uso drogas e a excitação electrónica do cérebro - E.S.B. através radar, F.M. e microondas. É ensaiada pela primeira vez a indução mental esquizofrénica de fazer crer às cobaias humanas involuntárias que foram vítimas de raptos de OVNI's, através de projecções holográficas de OVNI's e de bombardeamentos electromagnéticos do cérebro.

    Na sua edição de Novembro de 1993, a revista NEXUS publicou reportagem sob o título "Psychic Warfare & Non-Lethal Weapons" sobre a utilização de emissões de radiofrequencia nos EUA, em que esclarecia que o coronel John Alexander, coordenava há alguns anos uma equipa do laboratório de Los Alamos, (constituída por agentes da CIA e da defesa) que dedicava-se à investigação do controlo da mente e em projectos psicotrónicos, nos quais, utilizava frequências VLF (frequências muito baixas de 20 a 35 kHz).

    Com retransmissores instalados em vários pontos dos EUA, a equipa "inseria" mentalmente em "cobaias humanas involuntárias" histórias inverosímeis de OVNI's por forma a desacreditar todos os investigadores privados que , seriamente, dedicam-se ao seu estudo. Curiosamente o Dr. Byron T. Weeks, na sua obra "Tavistock - The Best Kept Secret in America" explica que o STANFORD RESEARCH INSTITUTE encontra-se associado a estas pesquisas sobre o controlo da mente desde 1952, num trabalho designado "Mudar a Imagem do Homem".

    Abro aqui um um parêntesis para esclarecer que face aos insistentes rumores e às pressões exercidas pela opinião pública norte-americana o STANFORD RESEARCH INSTITUTE através de um alto responsável científico, especialista na área do comportamento humano, decidiu esclarecer, através dos órgãos da informação (imprensa, rádio e TV), que, efectivamente, durante vários anos aquele Instituto colaborou com a Agência na pesquisa do controlo mental dos humanos, e que tinham chegado a resultados "interessantes". Dando um exemplo: através da emissão de feixes rádio-eléctricos conseguiram estimular partes do cérebro de pessoas que trabalhavam numa base secreta na ex-URSS e que, involuntariamente, transmitiram mentalmente imagens do local que puderam ser recebidas nos EUA por seres humanos "receptores". Essas imagens foram posteriormente confirmadas por fotografias feitas por satélite (veja à esquerda a imagem seguinte que foi exibida)...

    ...e que idêntica experiência tinha sido feita com o astronauta Edgar Mitchel (na imagem à direita), quando, em 1969, participou voluntáriamente, na Lua, numa experiência de transmissão de imagens mentais.

    Conforme foi afirmado por aquele cientista do STANFORD RESEARCH INSTITUTE , quando separados por grandes distâncias, quer os fotões quer as partículas simples mantêm-se ligados entre si. Se um alterar o movimento o outro acompanha-o...
    é a interligação quântica de que falava o físico David Bome.



    O HOLOGRAMA QUÂNTICO

    Leia também - Cientistas e militares pede aos EUA que reabram pesquisa sobre ovnis

    Esta interligação quântica não é mais do que uma imagem holográfica do espaço-tempo que permite aos fotões, quando nascem juntos, mantenham-se ligados ao longo de grandes distâncias. Esse holograma quântico existe em toda a matéria e contém informação de todos os objectos do Universo; é, por assim dizer, uma macro-matéria que existe no espaço e no tempo, com os atributos de uma onda de choque. Qualquer acto praticado num determinado local, transmite-se a todo o Universo. Esse paradoxo foi comprovado pelo National Institute of Standards and Technology, EUA, quando constataram que um átomo pode existir em dois locais ao mesmo tempo.



    PROJECTO MK-DELTA



    Em 1960, a CIA criou um novo Projecto designado MK-DELTA também conhecido por Deep Sleep. Os trabalhos basearam-se no controlo mental através de frequências FM, HF, VHF e UHF. A transmissão passou a ser feita através de antenas de televisão, antenas de rádio e instalação electrica. Testaram, pela primeira vez, a aplicação de implantes nas costas, porque, em caso de morte do "implantado" fosse feita uma autópsia, provavelmente nunca seria detectado.

    Trabalhando com o Dr. Stephen Aldrich director do ORD - OFFICE RESEARCH AND DEVELLOPEMENT e director do OFFICE OF SCIENTIFIC INTELLIGENCE, a tecnologia de implantes no cérebro humano desenvolveu-se como resultado de trabalhos efectuados pelo Dr. John Lilly .

    Em 1965 ... (note-se bem, em 1965 ) a ORD começou a trabalhar na manipulação genética, com genes humanos e alienígenes (???), por forma a poderem criar um "super soldado". Em 1968 a ORD começou a trabalhar no Projecto OFTEN que, em colaboração com o ARMY CHEMICAL CORPS testavam em presos da Holnesburg State Prison, em Filadélfia, que se ofereciam voluntáriamente (em troca da redução de penas a quem diziam que estariam a testar novas vacinas), o efeito de vários virus de origem extraterrestre (???) . Este Projecto OFTEN foi abruptamente cancelado em 1973 por James Schlesinger .

     

    PROJECTO PHOENIX I I



    Em 1983, a Força Aérea dos E.U.A. em colaboração com o NSA cria o Projecto Phoenix I I tembém designado por Rainbow. O projecto utiliza frequências de Radar, Micro-Ondas, EHF e UHF. Pela primeira vez é utilizado o sistema de rastreio e controlo por satélite e utilizado o controlo mental sem utilização de implantes.

    O trabalho é desenvolvido tendo por objectivo "interseptar" as ondas electricas emitidas pelo cérebro humano para modificar o comportamento das pessoas (inicialmente foram utilizadas frequências que oscilavam entre os 400 mHz e os 1.700 mHz).

    Áreas do Cérebro Informação Induzida Por Modulação Frequência de Ressonancia Bioeléctrica
    Córtex de associação motora Coordenação de movimentos 10 Hz
    Córtex auditivo Detecção de intensidade sonora 15 Hz
    Córtex visual Detecção de estímulo visual 25 Hz
    Córtex Somatosensorial Detecção de temperatura, tacto, dor 9 Hz
    Córtex Prefrontal Pensamentos, emoções 20 Hz

    Leia também - A Experiência Filadélfia - A Verdadeira História contata por um sobrevivente

    Julga-se que, ainda hoje, apesar de, à superfície, parecer encontrar-se abandonada, os seus 15 pisos subterrâneos que atingem 400 metros de profundidade a base de Long Island, está em plena actividade. Conseguem detectar-se, à superfície, sinais de radiofrequência, emitidas clandestinamente e em simultâneo com portadoras de telemóveis através dos seus retransmissores
    como pode constatar-se na imagem acima, captada num osciloscópio. Neste caso, a frequência é 435 mHz:

    Neste "local" encontrava-se sediada a antiga base militar (pretensamente) abandonada de Montauk, Long Island.

    Para que não se pense que as investigações sobre a utilização de radiofrequências no controlo da mente possam parecer que são inofensivas, foi divulgado em 1986 um relatório feito pelo Microwave Research Department (Departamento de Pesquisa de Microondas, ) do WALTER REED ARMY INSTITUTE OF RESEARCH que afirmava que "As microondas na faixa de frequências compreendidas entre 1 e 5 gHz ...penetra todos os órgãos do corpo e colocam-nos em risco, sendo os efeitos de debilitação geral imediatos, a debilitação auditiva imediata, e os efeitos de controlo mental podem ser imediatos".
    O relatório conclui: "...parece que as microondas também provocam reacções electricas no sistema nervoso central podendo-se controlar o movimento das pessoas..."
    Um outro relatório (publicado em 1982 na revista de biotecnologia da Força Aérea dos EUA) refere que "a alteração do comportamento provocada pelo HPM (Microondas de alta potência) é uma brincadeira comparado com o que o ELF (Muito Baixa Frequências) porque estas podem produzir, nomeadamente ... o controlo individual ou de multidões..."

    PARTE 2

    Translate

    ptenfrdeitrues