História e Cultura

    Um economista explica por que a Arábia Saudita e a China estão procurando abandonar o dólar em um novo acordo de petróleo – e onde Pequim poderia visar a seguir, à medida que espalha a adoção do yuan

    econodolar119/03/2022 - Um possível acordo de petróleo baseado em yuan entre a Arábia Saudita e a China pode sinalizar mais desconforto com a dependência do dólar americano, além de servir como uma prévia de como Pequim poderia avançar sua moeda em outras partes do mundo. O Wall Street Journal informou recentemente que a Arábia Saudita está em negociações para vender petróleo para a China e ser pago em yuan, depois de negociar petróleo exclusivamente em dólares por quase 50 anos.

    Ambos os países podem se beneficiar de um rebaixamento do status do dólar no cenário mundial, de acordo com Aleksandar Tomic, economista, professor e reitor associado do Boston College.

    "Embora qualquer acordo seja simbólico, os chineses não estão sozinhos na busca por uma moeda de reserva que não seja o dólar", disse Tomic ao Insider. "A necessidade de dólares de outros países os expõe ao setor financeiro dos EUA e, consequentemente, dá aos EUA influência política."

    Alguns analistas minimizaram as chances de um acordo com o yuan, apontando que o rial saudita está atrelado ao dólar, ajudando a proteger sua economia da volatilidade. Mas a eficácia das sanções do Ocidente contra a Rússia tem sido um alerta para os países que buscam reduzir sua dependência dos EUA, enquanto outros regimes temem que possam ser os próximos se cruzarem Washington, disse Tomic.

    "Um possível acordo em yuan é um sinal de que o mundo está procurando algum contrapeso ao dólar americano", disse ele.

    Uma razão pela qual a Arábia Saudita está considerando um acordo de petróleo em yuan é porque isso criaria exposição a uma moeda diferente do dólar e oferece ao país um hedge baseado em yuan. Outro fator pode ser que os sauditas não preveem que o dólar seja tão estável no futuro, especialmente se os EUA aumentarem sua oferta de dinheiro em resposta aos desafios econômicos, disse Tomic.

    Leia também - A História de Mitra

    Enquanto isso, a China há muito pressiona para que o yuan suplante o dólar, e o colapso das principais instituições financeiras na Rússia significa que as chances são maiores agora do que nunca para uma mudança radical, disse ele. Além disso, a resposta internacional à invasão da Ucrânia pela Rússia também se aproxima.

    "Uma visão extrema seria que isso reduz a vulnerabilidade da China a sanções que o Ocidente pode impor caso a China faça algo que os EUA e seus aliados se oponham", acrescentou Tomic.

    Mas duas coisas devem acontecer para que o yuan chinês se estabeleça como moeda de reserva. Primeiro, a fé global no dólar teria que diminuir. Isso pode acontecer se o Federal Reserve não conseguir controlar a inflação ou se desviar de sua previsibilidade usual, disse Tomic. Em segundo lugar, a China teria que provar a estabilidade de longo prazo do yuan para ganhar a confiança de outras nações. Mas a China desvaloriza sua moeda ocasionalmente para aumentar as exportações, e os países não vão querer manter uma moeda assim, observou ele. Assim, Pequim teria que se comprometer com uma política mais responsável.

    Ainda assim, a China mantém ambições globais para o yuan, e a África é o lugar mais provável onde poderia deslocar o dólar, disse Tomic. A China desempenha um papel descomunal nas economias africanas como o maior credor bilateral do continente e fonte de investimento estrangeiro. E a China já tem uma infraestrutura considerável instalada na África, que não é um mercado tão disputado quanto a Europa, explicou. Mas para a China suplantar o dólar como moeda de reserva global, sua posição econômica teria que subir enquanto a dos EUA caía.

    "Se os EUA não fizerem nada imprevisível, outros países continuarão a confiar em sua moeda", disse Tomic. "Desafios para o dólar já vieram antes, mas nenhum se firmou porque quando as coisas ficam voláteis, os EUA tendem a ficar estáveis. Então o dólar persiste."

    Fonte: https://markets.businessinsider.com/

    Translate

    ptenfrdeitrues