A evolução da organização criminosa mais letal do Brasil - o PCC

    pcccri1aPor Leonardo Coutinho, 19/09/2019 - O Brasil é o país do futebol. Essa afirmação é significativa como uma referência a um dos elementos da formação da identidade nacional e subgrupo brasileira, e como um catalisador da coesão social.1 O esporte nacional do Brasil também é, não surpreendentemente, o favorito dos prisioneiros brasileiros. Em cada uma das 1.496 prisões brasileiras há um campo de futebol - projetado especificamente para esse fim ou simplesmente improvisado em áreas destinadas aos presidiários que tomam sol.

    2 No início da década de 1990, havia apenas oito presidiários da capital do estado no presídio de Taubaté, em São Paulo . Cercados por presidiários transferidos das diversas áreas do interior de São Paulo que os consideravam arrogantes, os oito bandidos da capital firmaram um pacto de proteção mútua dentro do presídio. Essa foi a origem da gangue “Capitals”.

    As capitais formaram um time de futebol que competiu contra outros times da prisão. Em 31 de agosto de 1993, os prisioneiros da Capital realizaram um campeonato de futebol auto-organizado, aparecendo no primeiro jogo vestindo camisetas brancas padrão; rabiscado em tinta de caneta esferográfica azul no peito esquerdo havia três letras - PCC, referindo-se ao Primeiro Comando da Capital, ou Primeiro Comando Capital. Depois do torneio, o PCC assassinou os criminosos mais temidos do presídio de Taubaté, conquistando o respeito e a lealdade dos demais presidiários e se firmando como os novos chefes penitenciários.

    Leia também - As entrelinhas das guerras por alimentos

    Em 1993, as prisões brasileiras ainda estavam se recuperando do que havia sido até então o maior surto de violência nas prisões. Menos de um ano antes, 111 presidiários foram mortos a tiros pela polícia em uma operação para conter uma rebelião no Presídio do Carandiru, em São Paulo. A tragédia começou como uma briga banal entre duas gangues rivais pela posse de algumas caixas de cigarro.5 Em 1993, ao assumir posição dominante na hierarquia das gangues prisionais, o PCC adotou o discurso da unidade, argumentando que no ano anterior carnificina os próprios prisioneiros eram os culpados, pois eram fratricidas e não governados por uma organização forte o suficiente para manter a paz entre eles e representá-los dentro e fora das prisões. Uma carta para os presidiários foi redigida e os criminosos se comprometeram com o lema: "Irmão não mata irmão. O irmão não explora o irmão. Os ‘Fundadores’ são os líderes.

    A base operacional do PCC foi baseada em dois pilares. Internamente, os internos do PCC se submeteriam a uma nova regra, comportando-se de forma mais coordenada, porém menos conflituosa, protegendo os seus, mas ainda assim liquidando seus rivais. Externamente, o PCC prestaria assistência jurídica unificada, amparada pelas contribuições mensais de cada um dos presos, que deviam efetuar pagamentos à organização por meio de seus familiares. Inspirado e organizando-se junto com o modelo sindical, o PCC atraiu um número cada vez maior de associados. E sua mensagem modernizadora, que transcendeu a mensagem de uma gangue convencional, foi exportada para várias outras prisões por membros transferidos do PCC. Em 1995, o PCC conquistaria o controle da penitenciária do Carandiru, que era na época a maior prisão da América Latina.

    pcccri2

    A segunda fase

    No início, as receitas financeiras do PCC não eram exclusivamente produto do crime. Conforme observado, cada membro do PCC pagou uma taxa mensal para o suprimento de fundos da organização, mesmo quando eles se envolveram de forma independente em várias formas de atividade criminosa. Enquanto as gangues de prisões convencionais usavam violência para recrutar e controlar, o PCC recorria a essa violência apenas em situações excepcionais. Organizações criminosas mais antigas, como o Comando Vermelho (Comando Vermelho ou CV), centralizavam seus modelos de negócios no narcotráfico, enquanto o PCC tentava se estabelecer como uma “sociedade de autoajuda” 7.

    Em 1999, um assaltante de banco chamado Marcos Williams Herbas Camacho, conhecido pelo apelido de Marcola, ingressou na liderança do PCC. De ascendência boliviana, Marcola, considerado um gênio entre os criminosos, impôs uma nova dimensão ao modelo de negócios da organização. Naquela época, o PCC não apenas dominava mais de duas dezenas de prisões, mas também controlava milhares de membros livres nas ruas. O líder emergente do PCC compreendeu que os membros gerais eram um bem precioso para a organização, útil para aumentar a receita, a influência e o poder. Sob a gestão de Marcola, o PCC começou sua consolidação como o que Max Manwaring chamou de “gangue de segunda geração”, organizada tanto para negócios quanto para controle do terreno local.8 Marcola não apenas expandiu a atividade do PCC no tráfico de drogas e assaltos a bancos (este último sua especialidade), ele também levou a organização a adotar uma visão de mercado do crime e a conquistar market share por meio da violência, afastando os concorrentes.

    O PCC cresceu na obscuridade graças à negação do governo brasileiro de sua existência. Dentro da estrutura de segurança pública, o PCC não foi considerado uma ameaça grave. Foi apenas em 1996 que um deputado do Estado de São Paulo se tornou a primeira autoridade brasileira a se referir publicamente à entidade. O PCC foi citado pela primeira vez na imprensa brasileira apenas um ano depois, mas ainda ninguém os levou a sério. O PCC, segundo o governador de São Paulo, era “uma ficção”. A estratégia do governo para desmantelar o PCC foi negar sua existência e separar seus líderes, transferindo-os para prisões em outras cidades e estados.

    Essa política de separação falhou. Ao enviar membros “graduados” do PCC para outras partes do país, o governo involuntariamente ajudou o PCC a expandir seu domínio por todo o Brasil. Esses presidiários transferidos serviam como “embaixadores” da organização onde quer que fossem. Muitos eram dos maiores e mais ricos estados brasileiros e vinham com experiência em inovação organizacional que superava em muito as gangues locais. Eles representavam uma organização capaz de fornecer proteção além dos muros da prisão e das fronteiras do estado de São Paulo. Para reforçar essa dinâmica, o próprio PCC deu início a motins, fazendo com que o estado reagisse com o envio de integrantes a outros presídios do Brasil.9

    Em fevereiro de 2001, o PCC chamou a atenção do público brasileiro quando 28 mil presidiários assumiram o controle de 29 presídios em dezenove cidades do estado de São Paulo.10 O mega-motim ocorreu em um domingo, no horário de visita. Nada menos que 10.000 pessoas foram feitas reféns. Folhas pintadas com a insígnia do PCC foram penduradas nas janelas. No Carandiru - a mesma prisão onde 111 pessoas foram mortas em um conflito com a polícia uma década antes - o PCC manteve 5.000 reféns. Vinte e sete horas depois, os reféns seriam libertados e o motim controlado, mas a relação do PCC com o estado nunca mais seria a mesma.

    pcccri3

    Insurgência como instrumento político

    Tendo demonstrado sua capacidade de mobilização e ao perceber o impacto causado pelo que seria considerado o maior motim da história do Brasil, os líderes do PCC se convenceram de sua capacidade de enfrentar, constranger e chantagear o Estado. A estreia da organização foi tão bem-sucedida que o PCC começou a se autodenominar o "Partido do Crime". Logo após essa primeira ação coletiva, e menos de uma década após sua constituição, o PCC adotou um plano de ação que o definiria como uma “quadrilha de terceira geração” com agenda política e conexões transnacionais.

    Outro marco importante na evolução do PCC foi a prisão e encarceramento no Brasil, em 2002, do terrorista chileno Mauricio Hernández Norambuena. Norambuena era membro da Frente Patriótica Manuel Rodríguez (FPMR) e planejou o sequestro de um empresário brasileiro.11 Fugitivo da justiça chilena desde 1996, Norambuena, conhecido como “Comandante Ramiro”, era o líder operacional da FPMR. Em seu próprio país, foi condenado por duas vezes à prisão perpétua pelo assassinato de um senador e sequestro de um empresário. Considerado o segundo na hierarquia do FPMR, Norambuena coordenou inúmeros bombardeios e sequestros. As investigações no Brasil revelaram que Norambuena recebeu treinamento e patente de coronel do Exército cubano.12 Esse militante de esquerda armada, com grande proficiência em ações de insurgência, foi preso em uma cela com Marcola.

    Segundo o procurador Márcio Sérgio Christino - uma das primeiras autoridades a atuar na luta contra o PCC - a parceria Marcola-Norambuena marcou uma nova fase para a entidade. O cerebral Marcola tornou-se aluno de Norambuena. Aprendeu os conceitos de guerra assimétrica e guerrilha urbana, e desenvolveu ainda mais o programa político do PCC, como forma de garantir a perpetuação da empresa criminosa que, naquele momento, estava em plena expansão no Brasil.

    Em 7 de março de 2002, apenas um mês após a união de Marcola e Norambuena, o PCC tentou seu primeiro ataque terrorista em São Paulo. Um automóvel carregado com 40 quilos de explosivos powergel (emulsão) estava estacionado em frente ao Fórum da Barra Funda, onde 5.000 pessoas trabalharam e outras 7.000 transitaram a cada dia. Devido a uma falha do dispositivo, o ataque falhou.

    O monitoramento policial de conversas telefônicas entre membros do PCC, por meio de celulares grampeados fornecidos clandestinamente aos presos, revelou as ordens da missão do PCC para atrapalhar a eleição para governador em São Paulo. O conteúdo dos áudios só se tornaria público quatro anos depois.13 De suas celas de prisão, os líderes do PCC planejaram uma série de incidentes para desacreditar o governador em exercício que buscava a reeleição. Segundo os áudios, o PCC havia escolhido o candidato de oposição de esquerda do Partido dos Trabalhadores (PT) e trabalharia para sua eleição. Na véspera do primeiro turno das eleições, a direção do PCC emitiu uma ordem para que todos os familiares dos presos votassem em seu candidato. Para garantir maior participação nas urnas, a organização determinou que não haveria visitas familiares no dia das eleições para maximizar o comparecimento.

    Leia também - Esquema de vacinação é uma GRANDE FARSA diz documentos secretos do próprio governo britânico

    O esforço eleitoral do PCC parece ter dado certo. O candidato preferencial da facção conseguiu chegar ao segundo turno da eleição de 2002 para o governo de São Paulo. Conforme a campanha avançava para a próxima fase, Marcola e a liderança do PCC tomaram a decisão drástica de atacar a economia do Brasil explodindo a bolsa de valores de São Paulo. Eles acreditavam que o impacto disso favoreceria o candidato de esquerda e também poderia mudar o curso da eleição presidencial ainda naquele ano. Segundo os especialistas que acompanharam a evolução do PCC, foi a mente guerrilheira de Norambuena que trouxe o PCC para a caixa de ferramentas do terrorismo. Felizmente, o ataque foi interrompido quando uma escuta telefônica da polícia levou à descoberta de um carro carregado com 66 libras de explosivos apenas seis dias antes do segundo turno das eleições. Por mais de um ano e meio, Marcola e Norambuena continuaram a trocar ideias dentro do presídio de Taubaté. Tratado como irmão pelos membros da facção, Norambuena ganhou status de liderança.

    Em 2006 - ano em que se acreditava que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não seria reeleito por causa de uma investigação do envolvimento de seu governo no que ficou conhecido como escândalo do Mensalão - o PCC voltou a atacar.15 O single “ A estratégia de grande ataque, que falhou duas vezes, foi substituída por uma série de ações envolvendo uma onda massiva de violência do PCC. Durante um período de nove dias, o PPC conduziu 293 ataques a delegacias de polícia e prédios públicos. Dezenas de ônibus foram incendiados e São Paulo - a maior cidade da América Latina - foi paralisada pela onda de terror.

    O PCC acabou assinando uma trégua quando o governo de São Paulo concordou em negociações secretas.16 Os termos completos do acordo nunca foram divulgados, mas depois que Marcola recebeu uma delegação de alto nível do governo na prisão, ele ordenou que seus seguidores abortassem a operação. Marcola conseguiu o que queria - o estado entrou em diálogo direto com o PCC. Para “recompensar” o governo por esse diálogo, o PCC estabeleceu uma trégua que, segundo alguns especialistas em violência no Brasil, teve implicações diretas no perfil da violência no estado de São Paulo e posteriormente em outras regiões do país. As principais cidades brasileiras viviam um boom de homicídios; São Paulo sendo um dos mais violentos do mundo tinha taxas de homicídio que chegavam a 66 por 100.000 habitantes.17 Após a trégua entre o PCC e o governo, o número de mortes no estado de São Paulo começou a diminuir a ponto de, em 2016, a taxa de homicídio foi 46 por cento menor.18 Um dos estudos pioneiros do impacto do PCC na taxa de homicídio concluiu que a facção havia se tornado um "monopolista" da morte.19 Crimes antes não controlados ficaram sob a gestão dos líderes do PCC.20 O PCC começou a determinar quem morre, quantos morrem e quando morrem. Marcola exportou com sucesso esse sistema para outras partes do Brasil sob o argumento de que a sociedade em geral deveria ser poupada da violência destinada exclusivamente aos inimigos do PCC.

    A capacidade de influenciar ou mesmo ameaçar com credibilidade o governo e intervir no cotidiano da sociedade brasileira define o PCC como o que o professor Max Manwaring do US Army War College chamou de “gangue de terceira geração” .22 A evolução do PCC sugeriu que a organização não apenas passou a implementar ações de promoção de uma agenda política e econômica, passou também a atuar como organização criminosa transnacional. No entanto, embora o PCC indiscutivelmente atenda aos requisitos do conceito de gangues de terceira geração de Manwaring, ainda há debate entre estudiosos e especialistas se a organização atingiu esse nível.

    Em 2016, o Ministro da Justiça e o Presidente do Tribunal Superior Eleitoral do Brasil acreditavam ter encontrado as primeiras evidências de política mimetizando o crime organizado.24 Sua investigação indicou que, de um total de 730.000 doações registradas para os candidatos e partidos que contestaram aquela nas eleições anuais para prefeitos e vereadores, pelo menos 300.000 eram de pessoas sem recursos financeiros suficientes para fazer tais contribuições. As primeiras indicações eram de que organizações como o PCC estavam por trás desse esquema financeiro. A avaliação deles revelou que a campanha de ataques abertos do PCC durante os anos de eleições presidenciais anteriores foi substituída por uma estratégia de interferência política nos bastidores. O PCC passou a investir e eleger candidatos dentro do processo político estabelecido. Posteriormente, surgiram evidências em várias partes do país de que políticos ligados ao crime organizado realmente venceram suas eleições.25 Em 2018, oito dos 27 estados brasileiros solicitaram reforços de tropas federais temendo a interferência armada de facções criminosas, a mais poderosa das quais é o PCC. 26 Mas, naquela época, a ação política do crime organizado no Brasil não se baseava mais na violência explícita. Em vez disso, as organizações criminosas começaram a desempenhar um papel de liderança nas disputas e atividades políticas formais.27 Elas financiam não apenas candidatos que atendem a seus interesses, mas também aqueles que promovem as campanhas políticas de seus próprios membros.28 No Estado do Ceará, um dos Nas principais bases do PCC fora de São Paulo, os órgãos de inteligência do governo local investigaram dez prefeitos e cinquenta vereadores que receberam apoio eleitoral do PCC.29

    A pressão e a influência do PCC nas decisões do sistema político acabaram chegando a níveis tão alarmantes que provocou uma reação das autoridades. Em abril de 2016, o governo do Estado do Ceará planejou instalar sistemas de bloqueio de comunicação telefônica em presídios, enquanto se aguarda a aprovação de uma lei pelos deputados estaduais. Após vários motins e protestos retaliatórios, o PCC deixou um carro com 29 quilos de explosivos estacionado em frente ao prédio da legislatura na cidade de Fortaleza. Os próprios criminosos alertaram a polícia sobre o dispositivo, mas essa ameaça por si só foi suficiente para obter o adiamento da legislação por vários meses; e mesmo depois que a lei foi finalmente aprovada, os bloqueadores nunca foram instalados nas prisões.

    Domínio Territorial e Finanças

    Pelo menos 27 gangues estão ativas no Brasil de acordo com agências de segurança e inteligência.30 O PCC é o maior, com cerca de 30.000 membros que exercem controle sobre 90% da população carcerária, ou 550.000 presos.31 Os primeiros países sul-americanos em que o PCC estendeu seus domínios foram Paraguai, Bolívia (onde opera quase monopolisticamente), Peru e Colômbia; todos os países em que os fornecedores competem com os rivais CV, a segunda maior gangue do Brasil.32

    Após a desmobilização das FARC na Colômbia, o PCC começou a recrutar mão-de-obra treinada de ex-guerrilheiros.33 No Ministério da Defesa do Brasil, foram confirmadas no campo as crescentes suspeitas desse desenvolvimento. Entrevistas com policiais revelaram ocorrências frequentes de combates com traficantes colombianos que estavam cada vez mais bem armados e proficientes em combate, especialmente nas áreas de selva. Existe um vínculo histórico e uma lógica estratégica com o interesse do PCC pelos ex-guerrilheiros das FARC. Na década de 1990, um dos mais poderosos traficantes brasileiros, Fernando da Costa, firmou parceria com as FARC.34 Conhecido pelo apelido de Fernadinho Beira Mar, era integrante do CV. O envolvimento de Beira Mar com as FARC ficou evidente em 2001, quando ele foi preso pelas forças de segurança colombianas em uma operação com líderes das FARC. Uma investigação do Congresso brasileiro descobriu que o grupo guerrilheiro colombiano havia estabelecido uma joint venture com a CV para obter armas traficadas do Suriname e para vender drogas no Brasil e na Europa.35 A colaboração com as FARC levou à dominação de CV e Beira Mar sobre Rotas de tráfego amazônico, cujas origens estavam na Colômbia. Apesar da prisão de Beira Mar, os laços foram mantidos e o CV e suas gangues aliadas, incluindo a gangue Família do Norte (A Família do Norte ou FDN), expandiram sua influência e poder na região amazônica, especialmente no Estado do Amazonas , na fronteira com a Colômbia.

    Para conquistar a rota amazônica, antes dominada por rivais, o PCC recorreu à “mão de obra especializada”. As autoridades policiais do Amazonas começaram a observar um aumento da brutalidade dos combates entre traficantes rivais na região do rio Amazonas. Chamados de “piratas”, os soldados do PCC atacaram carregamentos de drogas transportados em navios FDN e CV, em vários casos usando os fuzis AKM e FAL, típicos dos guerrilheiros das FARC. Em outros casos, policiais brasileiros foram identificados carregando material militar desviado do exército colombiano. Relatórios da polícia brasileira sobre este novo padrão de violência parecem confirmar a presença de ex-combatentes das FARC nos grupos de assalto usados ​​pelo PCC na guerra pelo controle das rotas da Colômbia.

    pcccri4

    Também no norte do Brasil, o PCC aproveitou a crise humanitária na Venezuela para recrutar refugiados que chegam pelo Estado de Roraima.37 Os venezuelanos agregaram valor aos criminosos brasileiros como ponte para as milícias bolivarianas e os arsenais fornecidos pelos Chávez- Governo de Maduro. Para o PCC, a crise econômica na Venezuela torna esta uma fonte barata de armas que são vendidas como alimento por venezuelanos desesperados.38 Além disso, os “embaixadores” do PCC operam no Paraguai, onde participam diretamente na produção e transporte de maconha e cigarros falsificados , armas e munições indo para o Brasil. Na Bolívia, os criminosos brasileiros se tornaram os principais clientes dos produtores locais de cocaína e são quase os distribuidores exclusivos das drogas bolivianas no Brasil. A última pesquisa que mede o número de usuários de drogas no Brasil conclui que em 2012 havia dois milhões de viciados em cocaína e outro um milhão de viciados em crack; números que tornam o Brasil um dos maiores mercados consumidores de cocaína, atrás apenas dos Estados Unidos.39 Projeções das autoridades brasileiras indicam que o mercado de drogas é avaliado em até US $ 8 bilhões por ano; com 60 por cento das vendas, a PCC é dona da maior fatia de mercado.40

    O poder financeiro do PCC é acompanhado por sua capacidade de controlar parcelas significativas das cidades em que opera. O controle territorial é feito pela força e consolidado com dinheiro. Nos estados do Acre, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, no oeste do Brasil, o PCC controla o trecho da fronteira que se estende da Bolívia ao Paraguai. Nas capitais, a organização controla partes inteiras da cidade. Em Porto Velho, capital de Rondônia, o PCC assumiu a gestão de um condomínio construído pelo Governo Federal para atender 2.000 famílias de baixa renda.41

    O PCC possui uma estrutura organizacional eficiente, quase militar, com lideranças abaixo de Marcola distribuídas em camadas, cujas funções incluem gestão de arrecadação, controle de “estoque” de medicamentos, importação, exportação e recursos humanos. O setor responsável pela gestão de filiados possui um livro-razão com o cadastro completo de cada integrante, tanto na prisão como na rua. As ordens superiores seguem um caminho piramidal. Os traficantes de varejo, que trabalham na rua, estão subordinados aos gestores, que por sua vez se reportam aos chefes das “cozinhas”, ou locais onde a cocaína é misturada com outros produtos antes de ser vendida nas ruas. Embora se reportem ao mesmo chefe, os chefes de cozinha não interagem entre si. Desse modo, procuram compartimentar as atividades para evitar uma reação em cadeia caso uma dessas estruturas seja descoberta pela polícia.

    Conforme observado, a principal fonte de receita do PCC é o tráfico de drogas. No entanto, as drogas não são sua única modalidade criminosa. O roubo a banco continua sendo outra fonte importante de receita para o PCC. Os criminosos brasileiros desenvolveram uma técnica distinta para roubo; a explosão de terminais ATM. Em 2015, nada menos que 3.000 caixas eletrônicos foram destruídos.42 Embora não seja possível determinar com certeza a porcentagem daqueles atribuíveis ao PCC, uma estimativa conservadora sugere que o PCC é responsável por cerca de 50 por cento. Supondo que cada caixa eletrônico exija de uma a duas dinamite para esses ataques, os 3.000 ataques em 2015 (uma taxa de 8,2 por dia) teriam exigido cerca de 3.000 a 6.000 dinamite. A origem desses explosivos pode ser atribuída ao comércio ilegal de explosivos que se origina no Paraguai e na Bolívia, onde os materiais são amplamente utilizados pela indústria de mineração.

    A Guerra PCC

    Em 2017, o Brasil já havia se consolidado como o país com maior número de homicídios no mundo. Naquele ano, 63.880 pessoas foram assassinadas.43 As vítimas eram, em geral, cidadãos comuns que sofrem diretamente o impacto dos altos índices de criminalidade. Os defensores da descriminalização das drogas atribuem o número de mortos à “guerra ao tráfico”. No entanto, funcionários de segurança de uma dezena de estados testemunham que o perfil dos crimes denunciados às autoridades segue um padrão predominante diferente.44 Eles dizem que a maioria das mortes violentas registradas no Brasil não é resultado da guerra contra as drogas - isto é, o estado contra os bandidos. A maioria das vidas perdidas é resultado de outro tipo de guerra. Quem mais mata os criminosos? São os próprios criminosos.45 Lamentavelmente, não existem estatísticas oficiais que informem uma análise precisa do impacto do crime organizado no registro total de homicídios. Alguns desses números são estimativas da polícia, que em algumas localidades alcançam uma correlação projetada de 80 por cento do comércio e consumo de drogas com a ocorrência de homicídios.46

    O PCC surgiu e cresceu no escuro, ignorado pelas autoridades. Agora que é a principal organização criminosa no Brasil e na verdade na América do Sul, ainda se beneficia tanto do silêncio das autoridades quanto da falta de uma abordagem que reconheça o PCC como uma organização criminosa transnacional que comete crimes de norte a sul em todo o comprimento da América do Sul. O PCC usa os sistemas bancários de dezenas de países, incluindo os Estados Unidos, para lavagem de dinheiro.47 Investigações conduzidas pela Polícia Federal brasileira detectaram ligações entre o PCC e o Hezbollah em operações de tráfico de drogas. Os criminosos brasileiros oferecem proteção aos agentes libaneses e atuam como operadores logísticos para as milícias xiitas que enviam drogas por portos brasileiros para a África, Europa e Oriente Médio.48 Em troca, os libaneses oferecem redes de lavagem de dinheiro e logística que permitem ao PCC chegar aos mercados de drogas já familiarizado ou dominado pelo Hezbollah, incluindo muitos na África e no Oriente Médio. O PCC tem se mostrado capaz de se adaptar, de chantagear o Estado, de funcionar como uma organização criminosa transnacional (mesmo que não seja formalmente reconhecida pelas autoridades como tal), e de se tornar uma das maiores ameaças à estabilidade política e à segurança pública no Brasil e seus vizinhos.

    Leia também - Illuminati: revelações de um membro no topo da Elite (Explosivo)

    Autoridades brasileiras acreditam que os laços entre o PCC e o Hezbollah foram fortalecidos com a prisão de alguns operadores financeiros da organização libanesa, principalmente Farouk Abdul Hay Omairi, cidadão libanês designado pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unidos por suas ligações com grupos terroristas , 49 Omairi mora na cidade brasileira de Foz do Iguaçu e foi preso em 2006 por ser o chefão de uma gangue de traficantes de cocaína, junto com seu filho, Ahmad Farouk Omairi. Os dois foram acusados ​​de liderar uma rede de distribuição de drogas que traficava para a Europa e Oriente Médio. As autoridades brasileiras monitoraram a família Omairi e outros extremistas que operam na Tríplice Fronteira por anos, mas a falta de legislação antiterrorismo no Brasil impediu sua prisão. No entanto, as operações de financiamento do terrorismo geralmente estão associadas a outras atividades ilegais, como lavagem de dinheiro, contrabando e tráfico de drogas, levando a Polícia Federal a se concentrar nesses crimes.

    A prisão de Omairi e seu filho foi a gênese de uma associação criminoso ‐ terrorista entre o PCC e o Hezbollah. A família Omairi recebeu proteção de membros do PCC enquanto estava na prisão - um acordo negociado diretamente com o Hezbollah, de acordo com uma investigação da Polícia Federal brasileira. Desde então, a parceria se aprofundou e agora o PCC e o Hezbollah trabalham juntos no tráfico de drogas e de armas. De acordo com as investigações da Polícia Federal do Brasil, o Hezbollah vende armas para organizações criminosas brasileiras e também usou os serviços criminosos do PCC dentro do Brasil. O Hezbollah também intermediou a venda de explosivos C4 roubados no Paraguai e vendidos no mercado negro a preços muito baixos.50

    Siga o dinheiro

    Depois de mais de uma década negando sua existência, as autoridades brasileiras finalmente reconheceram o PCC como uma organização criminosa que é uma ameaça significativa à segurança pública, cuja capacidade de ameaçar a democracia e o Estado não pode mais ser ignorada. Em 2018, os brasileiros identificaram a segurança pública como uma de suas preocupações mais importantes, rivalizando até mesmo com a retomada do crescimento econômico em um país que vivia sua pior crise econômica em mais de um século.51 A violência gerada por gangues brasileiras tornou-se o principal tema da campanha presidencial de 2018, e Jair Bolsonaro - o candidato vencedor - foi eleito com a promessa de uma luta implacável e dura contra o crime organizado.

    Em outubro, poucos dias antes do fim da disputa presidencial, o governo brasileiro inaugurou o que pode ser considerado o primeiro passo eficaz para combater o PCC e outros grupos do crime organizado que atuam no Brasil. Uma ordem executiva autorizou a criação da primeira força-tarefa de inteligência brasileira com o único objetivo de monitorar e combater organizações criminosas. O desafio atual das autoridades é identificar e desmantelar as redes de influência do PCC nos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

    Investigações recentes revelaram que criminosos do PCC lavam dinheiro usando a mesma rede descoberta pela Operação Lava Jato, que é celebrada como a maior investigação anticorrupção da história do Brasil. As investigações da Polícia Federal brasileira mostraram que o aparato financeiro do PCC atingiu níveis de profissionalismo que o colocam entre as mais sofisticadas redes de lavagem descobertas no Brasil até hoje. Um esforço conjunto sem precedentes por parte das agências policiais, militares e de inteligência estaduais terá como objetivo básico quebrar as redes de lavagem e financiamento da organização.

    Nascido na prisão, o PCC é uma organização imune às prisões. Seus principais líderes já estão atrás das grades, mas não param de operar. A conclusão é que além de mandar o PCC para a prisão, o poder financeiro da organização deve ser direcionado. Esse esforço exigirá que o Brasil reconheça o caráter transnacional do PCC e busque apoio e cooperação internacional.

    Fonte: https://cco.ndu.edu/

    Translate

    ptenfrdeitrues