Robô semelhante a um tentáculo atravessa os pulmões para combater o câncer

    robocancer123/03/2022 - O uso inovador de campos magnéticos abriu algumas possibilidades interessantes no tratamento do câncer, com cientistas demonstrando como eles podem ser usados ​​para direcionar partículas que matam tumores em tecidos cancerosos ou fios em veias em busca de cânceres no sangue, para liste alguns exemplos. Um novo robô fino desenvolvido na Universidade de Leeds segue esses passos, assumindo a forma de um tentáculo que pode ser guiado nas profundezas dos pulmões para inspecionar lesões suspeitas ou administrar drogas.

    O robô inspirado em tentáculos foi concebido para expandir o alcance do que é conhecido como broncoscópio, um instrumento médico semelhante a um tubo usado para examinar os pulmões e as vias aéreas. Os médicos o alimentarão através do nariz e da boca nas passagens brônquicas e, em seguida, enviarão um cateter mais fino de 2 mm por dentro e mais profundamente no trato respiratório.

    Mas essa abordagem tem limitações em sua manobrabilidade, o que deixa alguns pontos fora de alcance, então os cientistas da Universidade de Leeds decidiram projetar um dispositivo mais flexível que pudesse ser controlado com mais precisão uma vez dentro do corpo. O resultado é um robô que consiste em segmentos cilíndricos ligados feitos de um elastômero macio e embutidos com minúsculas partículas magnéticas.

    Isso significa que, quando submetidos a um campo magnético, os segmentos individuais podem se mover de forma independente, tornando o robô altamente flexível e capaz de abrir caminho através das voltas e reviravoltas dos pulmões. Em um ambiente clínico, exames pré-operatórios permitiriam aos médicos mapear a rota através das estruturas pulmonares exclusivas do paciente, que seriam então programadas em um sistema robótico montado com ímãs para automatizar o controle do campo magnético.

    Leia também - Engula esta pílula de 'senha' para desbloquear seus dispositivos digitais

    “Um robô ou cateter tentáculo magnético que mede 2 milímetros e cuja forma pode ser controlada magneticamente para se adequar à anatomia da árvore brônquica pode atingir a maioria das áreas do pulmão, e seria uma ferramenta clínica importante na investigação e tratamento de possível câncer de pulmão e outras doenças pulmonares", disse o professor Pietro Valdastri, que supervisionou a pesquisa. "Nosso sistema usa um sistema autônomo de orientação magnética que dispensa a necessidade de os pacientes serem radiografados durante o procedimento".

    A tecnologia ainda está a anos de entrar em uso em hospitais, mas os cientistas acreditam que sua precisão e natureza autônoma oferecerão um meio muito mais eficaz de inspecionar lesões, coletar amostras de tecidos ou entregar medicamentos anticâncer em locais de difícil acesso.

    "Esta nova tecnologia permitirá diagnosticar e tratar o câncer de pulmão de forma mais confiável e segura, guiando os instrumentos na periferia dos pulmões sem o uso de raios-X adicionais", disse a Dra. Cecilia Pompili, membro da equipe de pesquisa.

    Fonte: Universidade de Leeds

    Translate

    ptenfrdeitrues