A pele artificial que permite que os robôs se sintam

    pelearti1a28/11/2019 - Os robôs estão um passo mais perto de ganhar um senso humano que até agora os escapou: o toque. No mês passado, os cientistas revelaram uma pele artificial que permite que os robôs sintam e respondam ao contato físico, uma habilidade necessária quando entrarem em contato cada vez mais próximo com as pessoas. Em 2017, os fabricantes em todo o mundo usaram cerca de 85 robôs industriais por 10.000 funcionários, de acordo com um relatório da Federação Internacional de Robótica.

    O mesmo relatório prevê que o suprimento global de robôs industriais cresça 14% ao ano até 2021 Mas se os robôs acabam trabalhando mais de perto com seus colegas, uma preocupação é como eles irão interagir com segurança. "Atualmente, os robôs não têm senso de toque", disse à CNN Business, professor Gordon Cheng, que desenvolveu a pele especial com sua equipe na Universidade Técnica de Munique.

    Os robôs são capazes de exercer forças que podem ferir seriamente um ser humano, de modo que os empregadores precisam garantir que estão cientes de seu entorno e capazes de navegar pelas pessoas.
    "O toque possibilita a operação segura do robô, detectando o contato com obstáculos invisíveis e dando a possibilidade de aplicar a força correta para realizar uma tarefa, sem danificar objetos, pessoas e o próprio robô", Chiara Bartolozzi, especialista em robótica do Instituto Italiano de Tecnologia , independente da pesquisa, diz à CNN Business.Essa pele especial não só poderia tornar a colaboração entre humanos e robôs mais segura, como também possibilitava o futuro dos robôs como cuidadores, profissionais de saúde e companheiros.

    Imitando a pele humana

    Para desenvolver a pele sintética, os pesquisadores começaram estudando seres humanos. Cada pessoa tem cerca de 5 milhões de receptores de pele que registram o que está acontecendo na superfície do corpo e enviam sinais para o cérebro. Mas o cérebro não pode digerir informações de cada um ao mesmo tempo. Em vez disso, o sistema nervoso prioriza novas sensações. Imitando isso, a equipe cobriu um robô autônomo do tamanho humano (conhecido como H-1) com mais de 13.000 sensores do ombro aos pés, capazes de detectar temperatura, aceleração, proximidade e pressão.

    Leia também - Mamba Negra

    "Esses [fatores] são fundamentais para sentir nos seres humanos ... são eles que tornam as interações entre humanos e humanos muito seguras", diz Cheng.
    Atualmente, a equipe está trabalhando na criação de células sensoras menores que podem ser produzidas em massa.

    Alguns cientistas são céticos em relação à sua escalabilidade. O alto custo de cada sensor e sua fragilidade é uma grande barreira para a produção em massa, disse à CNN Business Etienne Burdet, professora de robótica humana no Imperial College de Londres. Durante anos, os cientistas têm se esforçado para desenvolver tecnologia que permita a sensação tátil - tanto para robôs quanto para humanos. Na semana passada, uma equipe da Universidade Northwestern apresentou uma capa inteligente sem fio e sem bateria que pode adicionar toque a experiências virtuais, como uma chamada pelo Skype.

    Cheng já superou um desafio que impediu tentativas anteriores de criar um senso de toque robótico. A maioria confiou no vasto poder computacional para processar sinais de todas as células artificiais da pele, enquanto sua criação só envia sinais quando células individuais são ativadas. Isso significa que o sistema não está sobrecarregado com dados e, dessa forma, age exatamente como o sistema nervoso humano. Por exemplo, sentimos luvas quando as colocamos pela primeira vez, mas eventualmente nosso corpo aprende a ignorá-las.

    Futuros colegas ou prestadores de cuidados

    Essas características podem permitir que os robôs percebam seus arredores com mais sensibilidade e lhes permitam interagir com humanos, antecipar e evitar acidentes. "Tecnologias como essa podem abrir oportunidades em que os robôs podem trabalhar muito mais estreitamente com seres humanos, como profissões de assistência", disse à CNN Business Bob Doyle, vice-presidente da Associação das Indústrias Robóticas.

    "Eles poderiam ajudar alguém a sair da cama ou ajudá-lo em casa", acrescenta.

    No entanto, Doyle reconhece que essas tecnologias ainda estão muito longe da aplicação real no campo e que garantir a segurança dos seres humanos virá primeiro.

     

    Fonte: https://edition.cnn.com/

    Translate

    ptenfrdeitrues

     

     

    Curta O Arquivo no FacebookCurta O ARQUIVO no Facebook

    O Arquivo

    Sobre  |  Fale Conosco