Mandrágora

    mand2A mandrágora é uma planta da família das Solanaceae, de origem eurasiana, herbácea, acaule, dotada de flores campanuliformes (forma de sino) e frutos bacáceos. Seus frutos amarelos, carnosos, aromáticos e tóxicos eram chamados de "as maçãs do diabo" pelos árabes devido a supostos efeitos afrodisíacos. As várias crendices e lendas ao redor desta planta provavelmente se originaram do fato de ela possuir uma raiz principal bifurcada bastante ramificada, muitas vezes assemelhando-se à forma humana.

    São-lhe atribuídas propriedades tóxicas e medicinais: afrodisíaca, alucinógena, analgésica e narcótica. O uso da raiz da planta é muito antigo, encontrando-se citado nos textos bíblicos em Gênesis 30:14 e Cantares 7:13. Segundo lendas medievais, as raízes da mandrágora deveriam ser colhidas em noite de lua cheia, puxadas para fora da terra por uma corda presa a um cão preto; e se outro animal ou pessoa fizesse esta tarefa, a raiz "gritaria" tão alto que o mataria. Outra lenda refere que a mandrágora tinha como semente o Sêmen de um homem enforcado.

    Apesar do grande interesse demonstrado na planta mandrágora ao longo dos tempos e do uso secular das raízes na medicina tradicional, surpreendentemente poucos trabalhos foram publicados sobre seus componentes químicos. Entre os alcaloides referidos na sua constituição, possivelmente em mais de uma espécie, encontram-se a hiosciamina, hioscina, apoatropina.

    A flor Mandrágora na Bíblia

    mand1

    Encontramos a citação da flor chamada mandrágora em vários textos bíblicos. Passemos a algumas citações para termos uma idéia. Já no primeiro livro da Bíblia em Gênesis 30,14. fala da flor mandrágora vejamos:

    14Tendo chegado o tempo da ceifa do trigo, Rúben encontrou nos campos mandrágoras , que trouxe para sua mãe Lia... (Gênesis 30,14ss) Bíblia de Jerusalém.

    Mandrágora é uma planta cujo nome em hebraico é formado pela raiz de “amor” e os antigos habitantes da região atribuíam propriedade afrodisíacas. A tradição popular colocou este fruto em relação ao nascimento de José.

    Outrotexto Bíblico fala:

    “As mandrágoras exalam seu perfume; a nossa portas há de todos os: frutos, novos e frutos secos, que eu tinha guardado meu amado para ti”.(Cântico dos Canticos 7,13) Bíblia de Jerusalém.

    Veneno

    mad4

    É considerada uma planta venenosa da família das solanáceas, a mandrágora (Mandragora officinarum) contém elementos como os alcalóides, a atropina e a escopolamina. Encontram em toda a região do Mediterrâneo e tida como nativa deste lugar.

    Praticamente não possui caule, se compõe de uma roseta de folhas circulares, e em sua parte central se contrapõe as hastes das flores, cuja cor vai entre o violeta e o azul. Possui uma raiz central bifurcada relativamente grossa e carnuda. E tida pelos curandeiros e feiticeiros como erva afrodisíaca. As mandrágoras adquirem uma conotação especial, pois tem origem na palavra (dudhaim) formada pela mesma raiz de “amor”. Ainda hoje em muitas partes do Oriente Médio, esta planta é considerada como afrodisíaca e capaz de excitar o amor e aumentar a fertilidade humana.


    Mandrágora: uma planta "humana" e "mágica", lendária e com história

    mand3


    2012 - Qual a lenda da mandrágora? Como se carateriza esta planta? Qual a origem do seu nome? Ela existe no nosso país? São questões que nos surgem quando pensamos neste ser vivo.

    Quem não se lembra da Professora Sprout, de Herbologia, a pegar numa mandrágora que guinchava sem parar? Entre as páginas do livro “Harry Potter e a Câmara dos Segredos”, de J.K.Rowling e de obras como “Romeu e Julieta” de William Shakespeare ou até em imagens de filmes como “Labirinto de Fauno”, de Guillermo Del Toro, a mandrágora está presente e desperta curiosidade em quem a vê. De nome científico Mandragora officinarum L., a mandrágora é uma planta, em tempos considerada medicinal, cuja história é longa e povoada de lendas, que envolvem as civilizações hebraica, grega e romana.

    A sua lenda e as caraterísticas peculiares levaram a que Carla Lixa, professora de Biologia do Ensino Básico e Secundário, decidisse explorar este tema, no âmbito do Doutoramento em Ensino e Divulgação das Ciências, da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, através de um trabalho de pesquisa para a disciplina de Epistemologia e História das Ciências, Módulo de História da Biologia.

    “A mandrágora é uma planta perene e que tem uma grande raiz principal, bifurcada e muito ramificada e que por vezes adquire a forma humana. As folhas têm 30 centímetros e são verde-escuras, ovadas, basais e as flores são de cor amarela ou púrpura”, explicou ao Ciência 2.0. Os frutos por ela originados são carnosos e de cor amarela, sendo aromáticos e tóxicos. Foram apelidados pelos árabes como “as maçãs do diabo”, por terem propriedades consideradas afrodisíacas.

    A mandrágora, planta que tem várias espécies e não apenas a referida, pertence à família botânica Solanaceae, é conhecida na história de várias civilizações por diversos nomes. A sua nomeclatura foi evoluindo ao longo dos anos, até que o nome científico que conhecemos hoje – Mandragora officinarum L. – foi dado pelo botânico sueco Carl von Linné (em Português, Carlos Lineu),criador da chamada nomenclatura binomial. O nome mais abrangente desta planta, de acordo com o trabalho de Carla Lixa, provém do inglês, “mandrake”, ou seja, por um lado homem, devido à raiz que parece ter uma forma humana, por outro o “drake”, derivado de dragão, que faz alusão aos poderes mágicos.

    Mandrágora e os efeitos alucinógenios

    mand4

    Acreditava-se que a mandrágora tinha poderes mágicos, tendo sido associada muitas vezes a rituais de bruxaria, e que servia como tratamento, por exemplo, para a infertilidade. Ao longo de vários séculos, autores clássicos, como Sócrates, Demóstenes, Macróbio e Teodoreto, escreveram sobre as propriedades soníferas e anestésicas desta planta.

    A mandrágora foi considerada por várias civilizações como tendo propriedades medicinais, narcóticas e afrodisíacas, segundo nos conta Carla Lixa. A doutoranda revela ainda que hoje em dia existem vários estudos que fundamentam a presença de elementos químicos – alcaloídes –que concedem propriedades alucinogénias à Mandragora officinarum L. De acordo com Rubim Almeida, docente de Biologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, consultado pelo Ciência 2.0, todas as mandrágoras "contêm alcaloídes (atropina, escopolamina, etc) que provocam delírios e outros efeitos hipnóticos e depressivos que podem causar muitos outros sintomas como bradicardia, delírios, vómitos e morte".

    “De certo modo a mandrágora começa a surgir como uma planta associada a tratamentos. Antigamente, transpunha-se a forma da planta para aquilo que ela tratava, se tinha a forma de rim, tratava os rins, como a mandrágora era a planta que tinha uma raiz de forma humana, então achavam que curava tudo”, explica Carla Lixa.

    “A planta lançava um grito que enlouquecia aquele que o ouvisse”

    Teofrasto, filósofo grego que escreveu o primeiro tratado sobre plantas, contou, no livro "Enquiry Into Plants II" a história da lenda das mandrágoras que passamos a citar: “O herborista só o poderia fazer à noite. Primeiro, teria de se inclinar em direção do sol poente e homenagear as divindades infernais, isto é, as forças telúricas. O produtor deveria desenhar três círculos ao redor da planta com a sua espada de ferro virgem.

    Então, de frente para o oeste para evitar feitiços, ele deveria cortar porções das raízes secundárias. Em seguida, não deveria proceder pessoalmente à colheita pois, no momento em que era arrancada, a planta lançava um grito que matava ou enlouquecia aquele que o ouvisse. Por isso, depois de ter cuidadosamente tapado os ouvidos com cera, o herborista amarrava um cão à planta e atirava-lhe um pedaço de carne um pouco além do seu alcance. O cão corria e caía morto. Mas a mandrágora estava arrancada. Uma colheita tão perigosa merecia uma grande retribuição. Mas que importância tinha, já que a mandrágora reembolsava largamente seu comprador. Bastava fechá-la num cofre para que ela dobrasse o número de moedas que ele continha”.

    Embora a Mandragora officinarum L. tenha sido descrita como originária da Península Ibérica, "os últimos estudos taxonómicos apontam que na Península Ibérica todas as plantas de mandrágora pertencem à espécie Mandragora autummalis" [mandrágora mediterrânica], realça Rubim Almeida. Existe, assim, uma única espécie de mandrágora em Portugal. Atualmente, apesar de estas plantas terem sido muito usadas a nível medicinal, não há conhecimento, segundo o docente, de nenhum medicamento feito a partir delas.


    A magia da Mandrágora

    mand5


    Nome científico: Mandragora officinarum L.
    * Outros nomes: Maçãs-de-maio; maçã-indiana; limão-selvagem; semente-amarela; semente-de-quati; pé-de-pato; raiz-do-diabo; maçã-de-satã; homem-dragão; vela-do-diabo; luz-do-diabo; raiz-de-bruxo; planta-de-circe; anão-terra; pequeno-homem-enforcado.
    * Planeta: Mercúrio
    * Elemento: Terra

    A Mandrágora é umas das plantas mais conhecidas por seu uso na magia. Por conta de seu curioso formato e das lendas que a envolvem, a planta já foi retratada na literatura e até no cinema. Sabe a Circe? Aquela famosa feiticeira da mitologia grega, pois é, a mandrágora era usada como ingrediente frequente em seus feitiços, poções e filtros de amor.

    No filme "Harry Potter e a Câmara Secreta" as mandrágoras da estufa de herbologia dão um escândalo quando são retiradas do solo pelos alunos de Hogwarts, mas o grito das mandrágoras tem uma explicação folclórica. Shakespeare, na sua clássica obra "Romeu e Julieta", fez a seguinte referência a mandrágora: "Gritavam como mandrágoras arrancadas da terra que levavam à loucura os mortais que as ouvissem."

    Segundo uma lenda medieval a raiz da mandrágora era como um pequeno homem dormindo dentro da terra e, ao ser retirado de seu descanso, dava um grito tão agudo que era capaz de deixar surdo, enlouquecer e até mesmo levar alguns homens a morte. Com base nessa crença, foram sendo criadas várias técnicas para se retirar a mandrágora do solo sem sofrer com o grito da planta. Alguns tapavam os ouvidos, afofavam a terra ao redor da mandrágora, amarravam a planta ao pescoço de um cachorro e faziam com que o mesmo corresse, arrancando a raiz do solo.

    Escritos medievais afirmam que é mais seguro colher mandrágora durante uma sexta-feira à noite, pouco antes do nascer do sol. Depois de ser colhida alguns lavavam a raiz com vinho e a guardavam embrulhada em seda vermelha ou branca. Aos olhos dos caçadores de mandrágora, tanto trabalho para conseguir a raiz valia a pena, pois a planta possuia variados usos, tanto mágicos como medicinais. Há muitos registros do uso mágico da mandrágora na Europa medieval. Na antiguidade a raiz da mandrágora era considerada calmante e analgésica, mas podia ser tóxica quando usada em grande quantidade, provocando alucinações tão intensas que beiravam a loucura. Também era conhecida no passado por curar impotência sexual masculina.

    A raiz é a parte mais curiosa dessa planta, pois cresce como uma batata, muitas vezes bifurcada, ganhando traços semelhantes ao de um pequeno homem. Por conta do curioso formato humano é que a fama "mágica" das mandrágoras se difundiu rapidamente. Pitágoras se referiu a mandrágora como "antropomorfa". O agrônomo romano Lúcio Columela a definiu como "semi-homem". Na ilustração abaixo, do antigo botânico e autor greco-romano Pedanio Dioscórides Anazarbel podemos ver a mandrágora representada com forma humana.

    Outro fato curioso em relação as mandrágoras é que elas podem ser classificadas como "macho" e "Fêmea". De acordo com o antigo naturalista romano Plínio ("O Velho"), se diz que uma mandrágora é macho quando as folhas são largas, a raiz é preta por fora e branca por dentro. A raiz da fêmea é toda preta e as raízes são bifurcadas. Mantida em determinadas condições de calor e umidade, a raíz grossa e marrom da mandrágora pode liberar alguns gases e vapores, que às vezes eram chamados de "fogo fátuo", pois acreditava-se que era uma espécie de espírito que saía da planta. Na Idade Média as pessoas afirmavam que as mandrágoras cresciam mais quando eram plantadas sob a forca de assassinos executados.

    No folclore anglo-saxão há registros de que a mandrágora era utilizada para expulsar demônios e também era desidratada por alguns para ser usada como amuleto de proteção. Na Alemanha era costume entre os camponesses talhar e cuidar muito bem das raízes de mandrágora, par usá-las em magias e advinhações. Existia uma crença de que as raízes talhadas com formas humanas responderiam aos questionamentos de seus donos, como se a planta ganhasse vida própria.

    Até hoje a mandrágora é usada por magistas, principalmente em magias de proteção, aumento do poder pessoal, coragem e amor. É um poderoso concentrador fluídico e para carregá-la com seu poder pessoal, você pode deixá-la durante três dias embaixo da sua cama, no período da lua cheia. Por ser uma planta européia, é bem complicado conseguir mandrágora no Brasil, mas existem algumas plantas que podem servir como substitutas mágicas, é o caso do gengibre e do melão-de-são-caetano.


    Mandrágora - A Raiz Gritadeira

    mand7


    A mandrágora é considerada uma planta mágica desde a antiguidade. Ela aparece, inclusive, em textos do antigo testamento (no livro do Gênesis e no Cântico dos Cânticos). Desde tempos remotos usa-se a mandrágora para os mais diversos fins; dizem que ela possui qualidades de natureza medicinal e, tanto médicos como curandeiros, a recomendavam principalmente como analgésico e narcótico. Mas seu uso ia muito mais além, pois acreditava-se que ela era afrodisíaca e alucinógena.

    Era muito utilizada pelos antigos romanos como anestésico em suas cirurgias, mas em tempos medievais poucos a utilizavam por ser considerada uma planta de mau agouro. A raiz desta planta, assemelha-se a um ser humano e, em alguns casos, a um perfeito feto. Devido à esta semelhança, muitos mitos e lendas foram criados ao redor da mangrágora e seu uso na magia e na bruxaria estava também relacionado a esta similaridade.

    Acredita-se que a lenda da raiz gritadeira tenha origem na Idade Média. Para que a raiz da planta pudesse manter suas propriedades mágicas, ela devia ser arrancada somente em noites de lua cheia e, para extraí-la, devia-se utilizar uma corda com uma das pontas amarradas nas ramas da planta e a outra ao pescoço de um cão, de preferência preto. Sendo assim, o cão puxaria a raiz e a mandrágora sairia do solo sem grandes problemas. Caso contrário, diz a lenda, extraí-la sem o devido cuidado poderia ter efeito devastador. Ao ter sua raiz exposta, a mandrágora soltaria um grito tão horripilante e estridente que podia ser fatal a qualquer um que estivesse por perto. É sabido que a superstição medieval ultrapassava muitos limites e é bem provável que muitos preferiam não arriscar extrai-la de outra maneira.

    Cuidado

    Vale lembrar que a mandrágora, ainda muito procurada principalmente para para uso em rituais e poções mágicas, é altamente tóxica.
    Há dois gêneros de plantas de nome "mandrágora" que são bem distintas e de famílias diferentes. Uma é parente do tomate e é considerada a verdadeira. Trata-se da Mandragora officinalis ; possui flores roxas e suas folhas se assemelham às da tançagem. A outra (Bryonia dioica) é parente da abóbora e possui as folhas em forma de palma; tem flores brancas e pequenos frutos vermelhos; é também conhecida como "Nabo-do-diabo".
    Devido às dificuldades em encontrar mandrágoras em países fora da Europa, quando se trata de fins mágicos, utiliza-se, ao invés delas, o gengibre ou o ginseng. Ambas raízes também têm aspectos que se assemelham a um ser humano (antropomorfismo), com a vantagem de não serem venenosas.
    Algumas pessoas me escrevem perguntando se eu conheço algum fornecedor e mudas ou sementes, portanto, serei bem enfático nesta questão:

    1 - Até mesmo na Europa, onde é nativa, é difícil encontrar mudas de mandrágora.
    2 - É uma espécie onde o comércio na Europa não é bem visto por apresentar diversos ricos devido às suas propriedades tóxica.
    3 - É uma planta que dificilmente se adapta a climas diferentes daquele onde é endêmica. No Brasil está praticamente fora de questão adaptação.
    4 - É extremamente frágil e de difícil cultivo.
    5 - Faça uma busca no Google e procure pela palavra "Mandrake Plant", você verá que a maioria das imagens são de desenhos ou ilustrações e pouquíssimas são retratos da planta. É difícil até mesmo ser fotografada.

    Talvez, na Idade Média, onde as matas europeias eram mais densas, fosse mais fácil encontra-las na natureza. Hoje é realmente algo raro de se ver.


    Um ser humano e um vegetal


    Os feiticeiros da Idade Média acreditavam que as mandrágoras eram um tipo de meia-criatura entre o ser humano e o vegetal. Suas folhas reluziam à noite(por isso também eram conhecidas como velas do demônio) com um brilho estranho. Seus frutos e folhas exalavam um odor narcótico e sem igual. Sua raiz possuía a forma de uma pequena figura humana, com uma vida própria e esquisita, pronta para tornar-se o auxiliar de um mortal que tivesse coragem suficiente de tomar posse dela.

    Porém tomar posse de uma mandrágora era uma ousadia repleta de perigos, porque ao ser arrancada da terra, ela soltava um grito tão assustador que aquele que o ouvia ficava insano ou caia morto no mesmo lugar.

    Assim, o feiticeiro que desejava possuir uma mandrágora tinha que seguir um ritual no mínimo curioso: Ao encontrar a planta, que geralmente crescia aos pés de um local sobre o qual estavam os restos mortais de um criminoso condenado a forca(debaixo de uma árvore ou cadafalso por ex.), o feiticeiro teria que ir buscá-la ao pôr-do-sol. Sob os raios da luz do sol se pondo, ele tinha que desenhar três círculos ao redor da planta, tampava seus ouvidos com cera e se colocava contra o vento, para não sentir o odor narcótico da mandrágora.

    Ele levava consigo um cachorro faminto e algum tipo de alimento, com o qual o cachorro poderia ser seduzido. Com uma barra de marfim ele soltava a terra ao redor da planta e cuidadosamente amarrava o cachorro a mesma, se afastava e mostrava o alimento para o cachorro, que em seguida corria ao encontro da refeição e assim puxava a planta da terra. Ao passo em que a planta era arrancada do solo o feiticeiro soprava uma trombeta o mais alto possível, para abafar o grito da mandrágora. O Cachorro, acreditavam, morria ali mesmo.

    Assim, tendo conseguido arrancar a planta sinistra da terra, o feiticeiro envolvia-a em um pedaço de linho branco e poderia assim apressar-se pela escuridão que se formava tendo em mãos seu merecido prêmio.

    Depois de colhida, separavam-se a raiz das folhas e de acordo com o propósito, eram manipuladas e ou consagradas em diferentes rituais para que determinado espírito possuísse a raiz assumindo assim o papel de auxiliar magístico de seu dono. Os cuidados com as mandrágoras variavam de acordo com o propósito ao qual elas serviriam, as mais cabulosas necessitavam de alimentar-se com leite, mel e sangue(do seu próprio dono), algumas eram vestidas com pequenas túnicas vermelhas com símbolos mágicos desenhados e, basicamente todas deveriam ser guardadas numa caixa envolta em seda e banhada quatro vezes ao ano com vinho. O liquido que sobrava após o banho possuía virtudes mágicas e poderia ser utilizados em feitiços.

    Tantos mistérios rondam esta planta que mesmo nos dias atuais muitos a temem, muitos a desejam e poucos atrevem-se a arrancá-la do solo. São tantas lendas que a envolvem que as pessoas até duvidam de sua real existência. Mas não tenham dúvidas, esta planta escrota do capeta de fato existe.

    A verdadeira mandrágora, Atropa Mandrágora Officinarum, pertence a ordem de plantas Solanaceae, uma ordem muito conhecida entre as bruxas, feiticeiros, magos , xamãs, alquimistas e velhos hippies malucos. Desta mesma ordem também estão o Meimendro, a Dulcamara, o Estramônio e a Trombeteira (Aquela mesma da música do Ventania, da qual se faz um chá muito louco), todas com uma fama sinistra.

    Por mais fantásticas que algumas histórias possam parecer, algumas destas antigas crenças sobre as mandrágoras são baseadas em fatos. A planta possui realmente uma raiz grande e gorda, que traz uma grosseira semelhança com a forma humana. Ela sem dúvida possui um perfume estranho, que alguns apreciam e outros detestam, e certamente ela possui propriedades narcóticas, alucinógenas, afrodisíacas e analgésicas. Na verdade a mandrágora é provavelmente o anestésico mais antigo utilizado pelo homem.

    Nos tempos mais remotos, a raiz era utilizada para colocar os pacientes prestes a passar por uma cirurgia em estado de sono profundo, durante o qual as operações poderiam ser realizadas. A raiz era infundida ou fervida e um pouco era dado para o paciente beber, entretanto, tomava-se certos cuidados quanto à dose, porque quando usada em excesso poderia causar um sono do qual não se acordava mais. Outras vezes era usada apenas umedecendo um tecido para ser ministrada externamente.

    A crença de que a mandrágora brilha a noite tem uma base de fato. Por alguma razão suas folhas atraem os vaga-lumes, e são essas pequenas criaturas, cuja luminescência esverdeada é muito impressionante, que fazem a planta brilhar na escuridão. Qualquer desavisado certamente poderia sentir-se assustado com a aparência da planta no escuro e achar que as antigas lendas sobre seus poderes diabólicos eram verdadeiras.

    Até mesmo o grito temeroso pode ter ao menos um pouco de verdade de onde a lenda foi ganhando mais força. Essas plantas com raízes grandes e encorpadas geralmente crescem em lugares úmidos e quando são arrancadas da terra, soltam um ruído gritante (Claro que não tão alto quanto diziam). As lendas de pessoas que endoideciam têm mais a ver com o odor narcótico exalado pelas folhas na hora de arrancá-las do que com o ruído em si. Imaginem o sujeito já doidão com o cheiro da planta arrancando uma raiz que lembra um ser humano e que ainda grita. Quem consegue imaginar a cena também pode imaginar o que este mesmo sujeito poderia sair falando dessa situação.E claro, todos sabemos que "quem conta um conto aumenta um ponto".

    Naturalmente todos os detalhes horrendos da lenda da mandrágora foram mantidos vivos por aqueles que vendiam as mandrágoras. As pessoas pagavam quantias exorbitantes por uma mandrágora em bom estado e com forma humana, e as guardavam como importantes talismãs. Muitos picaretas esculpiam em raízes formas humanas e vendiam como mandrágoras originais. Um antigo livro intitulado Thousand Notable, descreve passo a passo como fazer sua mandrágora falsa.

    Mas nem todos preparavam as raízes apenas para vender e obter lucros, algumas tradições antigas de magos, alquimistas, bruxas e xamãs preparavam suas mandrágoras cuidadosamente e acreditavam de fato que elas poderiam abrigar um determinado espírito ou ter algum poder magístico, que os auxiliariam em suas práticas e rituais.Eram colhidas geralmente em noites de lua cheia sob a realização de alguma cerimônia ou ritual. Algumas tradições secavam lentamente a raiz em forma de homem em fogueiras ou em areia quente, o Balneum Arenae dos alquimistas.(Dai uma das origens da lenda do Homúnculo)

    As mandrágoras secas e já consagradas (ou supostamente possuídas por algum espírito) eram passadas como relíquias ou amuletos aos membros de diferentes gerações de um determinado grupo ou família, sempre de forma secreta, principalmente na idade média, pois, adivinhem só o que acontecia quando os inquisidores achavam um bonequinho bizarro desses em sua casa?

    A planta é citada na Bíblia em Gênesis na história de Lea 30:14 e também em Cantares de Salomão 7:13, só histórias estranhas. Também citada por Shakespeare em Romeu e Julieta. Acredita-se que o remédio que julieta usou para fingir estar morta tenha sido extraído de uma mandrágora. Muitos escritores flertaram com as lendas e as propriedades secretas das mandrágoras. É o caso por ex. de Platão em A República, Madame Blavatsk em A Doutrina Secreta, Maquiavel em A Mandrágora e Hans Heinz Ewers em Alraune( que significa mandrágora em alemão).

    Hoje em dia ela ainda é usada como amuletos de sorte, prosperidade e proteção, é usada com fins magísticos e afrodisíacos, usadas também em doses seguras na fabricação de remédios homeopáticos e também usadas por algumas pessoas como droga recreativa. Podemos ver a caricatura desses homenzinhos estranhos em diversos filmes,livros jogos e desenhos. Como no filme de Guillermo Del Toro, O Labirinto de Fauno, no jogo de MMORPG Ragnarok e até mesmo nas histórias infantis de Harry Potter.

    Existem coisas que o tempo não consegue apagar da memória das civilizações. São as lendas, os mitos, os símbolos, as tradições e tantas outras coisas significativas que compõe nosso Inconsciente Coletivo. E acreditem, isso tem um bom motivo.


    Mandrágora – Propriedades medicinais e indicações


    A mandrágora, de nome científico Mandragora officinalis, é uma planta medicinal pertencente à família das Solanaceae, sendo também conhecida como mandraque. Originária da região do Mediterrâneo até o Himalaia, esta planta já foi citada por Shakespeare em “Romeu e Julieta”, no livro “A Mandrágora”, de Nicolau Maquiavel, e no filme “Harry Potter e a Câmara Secreta”. As diversas crendices e lendas que envolvem esta planta se originaram do fato de ela ter uma raiz principal bifurcada muito ramificada, lembrando a forma humana.

    O uso da raiz da mandrágora vem de tempos remotos, sendo citada nos textos bíblicos em Gênesis e Cantares. Nas lendas medievais, as raízes desta planta deveriam ser colhidas em noites de lua cheia e puxadas para fora da terra com o auxílio de uma corda presa a um cão preto. Se outro animal ou pessoa realizasse essa atividade, a raiz gritaria tão alto que o mataria.

    Propriedades medicinais e indicações

    A mandrágora é uma planta herbácea e possui uma grande raiz grossa, que se divide em duas partes, e se estende por cerca de 1 metro abaixo do solo; o seu caule é curto, as flores são brancas e os seus frutos são amarelos, carnosos e chamados de “as maçãs do diabo” pelos árabes, devido aos seus supostos efeito afrodisíacos. A mandrágora apresenta propriedades tóxicas e medicinais, tais como as seguintes: afrodisíaca, alucinógena, analgésica, potente sedativo, emética, purgativa e narcótica.

    Antigamente, a mandrágora era usada internamente, no alívio de dores, como afrodisíaco e no tratamento de problemas do sistema nervoso. No uso externo, a planta era utilizada para tratar úlceras. Nos dias atuais, a mandrágora é usada apenas em homeopatia. Apesar do grande interesse despertado pelo uso medicinal das raízes da planta, poucos trabalhos foram publicados sobre os seus componentes químicos, dentre os quais se encontram a hiosciamina, hioscina e apoatropina.

    Contraindicações e efeitos colaterais

    A mandrágora é tóxica e, por isso, é necessário ter bastante cuidado ao utilizá-la. Ela não pode ser ingerida de forma alguma e só deve ser usada com prescrição médica e em doses homeopáticas. Esta planta é contraindicada para gestantes e lactantes. O uso da mandrágora pode causar efeitos colaterais como vermelhidão na pele, secura na boca, arritmia, midríase e obstipação. No início do uso, proporciona uma sensação de sonolência, seguida de alucinações, delírios e exaustão. A mandrágora não deve ser confundida com a mandrágora americana (Podophyllum peltatum), uma erva medicinal usual.


    BRUXARIA TRADICIONAL - A mandrágora


    2011, por Jonatas Dornelles - A mandrágora é famosa por supostamente apresentar algumas qualidades de natureza medicinal, tais como atributos afrodisíacos, alucinógenos, analgésicos e narcóticos.

    Classificação científica:

    Reino: Plantae
    Divisão: Magnoliophyta
    Classe: Magnoliopsida
    Ordem: Solanales
    Família: Solanaceae
    Gênero: Mandragora
    Espécie: Mandragora officinarum

    Esta planta é constituída por seis tipos de ervas perpétuas, desprovidas de troncos, dispostas na forma de diminutas rosas com folhas no formato oval, providas de imensas raizes divididas em dois ramais semelhantes a feições humanas. Elas estão disseminadas pelos territórios mediterrâneos. A utilização da raiz deste arbusto é remota. Encontram-se referências a ela nas Escrituras, nas passagens do Gênesis 30:14 e do Cantares 7:13. Ela também está presente em alguns mitos; dizem as lendas que as raízes tinham que ser arrancadas da terra sob a luz da lua cheia, trazidas do subterrâneo por uma corda amarrada a um cachorro de cor preta. Se outro bicho ou um humano realizasse o mesmo trabalho, a raiz ‘vociferaria’ de tal forma que o ser morreria.

    Suas virtudes narcóticas e alucinatórias foram amplamente manipuladas em ritos mágicos e na prática da bruxaria ao longo da Antiguidade. Algumas histórias também relatam que a semente desta planta era justamente o sêmen masculino de um indivíduo que teria sido morto em uma forca. A palavra "afrodisíaco" deriva-se de Afrodite, a deusa grega do amor e da beleza. Segundo a lenda, o deus Cronos (Saturno, para os latinos) matou o próprio pai, Urano, jogando seus testículos nas águas do oceano. Depois disso, formou-se uma espuma da qual teria surgido Afrodite, conhecida como Vênus na mitologia latina.

    Inicialmente considerada a deusa da fecundidade, passou mais tarde a personificar o amor, no sentido mais amplo da palavra. Foi cultuada sob diversos nomes, simbolizando desde o amor puro e ideal até o atrativo sexual fora de qualquer limite.

    Em toda a história da humanidade os indivíduos estiveram preocupados com o declínio da função sexual em conseqüência do processo de envelhecimento. Eles sempre procuraram em diversos produtos da natureza um "elixir da juventude" capaz de restabelecer o vigor dos impulsos sexuais. Esses produtos são conhecidos como "afrodisíacos", que são substâncias utilizadas com o objetivo de aumentar o desejo e a capacidade de manter relações sexuais. O Antigo Testamento, por exemplo, relata que Raquel serviu-se da planta mandrágora para facilitar uma gravidez. Os antigos hebreus acreditavam que o suco das raízes e dos frutos dessa erva tinha o poder de provocar excitação sexual e facilitar a concepção.

    Cientificamente conhecida como Mandragora officiarum, a mandrágora pertence à família das Solanáceas, que inclui outras espécies, como a batata, o tabaco, o tomate, o pimentão e vários tipos de pimenta. Dentre as substâncias ativas existentes na mandrágora, destacam-se a atropina e a escopolamina. Elas têm grande emprego medicinal, mas não propriamente com finalidades afrodisíacas.

    A atropina é utilizada para aliviar cólicas intestinais ou biliares e diminuir as secreções dos aparelhos digestivo e respiratório. A escopolamina tem basicamente os mesmos efeitos da atropina, mas difere desta pela sua ação sobre o sistema nervoso central. Enquanto a atropina provoca, em doses elevadas, agitação, nervosismo e, às vezes, alucinações e delírios, a escopolamina atua como depressor, causando cansaço e sonolência. Cientificamente apenas se conseguiu comprovar que os extratos das raízes da mandrágora causam sonolência. Assim, caso se atribua algum efeito afrodisíaco a essa planta, ele se manifestaria de maneira indireta.

    A crença na eficácia da mandrágora como afrodisíaco não ia além da forma de sua raiz, semelhante a um pênis ereto. Segundo o imaginário humano, os efeitos medicinais de uma planta estavam relacionados com a semelhança entre suas formas e os órgãos do corpo humano. Existe em diversas culturas humanas um conjunto de associações simbólicas entre elementos da natureza e suas funcionalidades.

    Poucas substâncias usadas como afrodisíacos provocam efetivo aumento do interesse sexual. As demais atuam exclusivamente por sugestionamento. Ou seja, quem as toma se convence a tal ponto da eficácia desses preparados que acredita realmente "sentir" seus efeitos. Tais pessoas não se dão conta de que, melhor do que qualquer recurso artificial, elas possuem dotes naturais capazes de proporcionar maior estímulo sexual: a imaginação e a fantasia.

    Fonte: https://pt.wikipedia.org
               http://www.abiblia.org/
               http://www.ciencia20.up.pt/
               http://herbologiamistica.blogspot.com.br/
               http://valedomago.blogspot.com.br/
               http://heresiascompartilhadas.blogspot.com.br/
               http://beneficiosnaturais.com.br/
               http://bruxaria-tradicional.blogspot.com.br/

    Translate

    ptenfrdeitrues

     

     

     Ajude a manter o site no ar.

     

    Curta O Arquivo no FacebookCurta O ARQUIVO no Facebook

    O Arquivo

    Sobre  |  Fale Conosco