O Enigmático poço Santa Cristina na Ilha da Sardenha

    sardeilha102/01/2022 - A Sardenha é uma ilha do mar Mediterrâneo ocidental e uma região autónoma da Itália insular com uma população de 1.648.758 habitantes (censo de 2017). Situada a oeste da península itálica, sul da Córsega e a norte da Tunísia, entre o mar Tirreno, que banha a costa oriental, e o mar da Sardenha na costa ocidental, sendo a segunda maior ilha do Mediterrâneo. A história da Sardenha é muito antiga, remontado ao Peleolítico Inferior.

    Foram encontrados vestígios humanos datados de 150.000 a.C. e os sinais de presença humana mais antigos são de há 500.000 anos. No entanto, supõe-se que o povoamento só ocorreu de forma estável no Neolítico Inferior, cerca de 6.000 a.C.

    Antes da chegada dos fenícios, a partir do século dez antes de cristo, houve três civilizações autóctones que prosperaram na ilha: a de Bonuighinu, que surgiu no quarto milênio a.C., a misteriosa população Shardana, e a mais célebre cultura nurágica, que se desenvolveu a partir do século 16 a.C., senão antes, da qual os vestígios mais monumentais são os mais de 7.000 nuragues (chamados localmente nuraghes no norte e nuraxis no sul), torres defensivas em forma de tronco cônicas construídas com grandes blocos de pedra talhada e trabalhada, que se encontra espalhados por toda a ilha.

    Leia também - As lendas da lagoa dos Barros

    A cultura nurágica deixou na ilha da Sardenha muitos monumentos interessantes que datam do 2º ao 1º milênio a.C. São os chamados “túmulos dos gigantes”, sepulturas, torres redonda e cabanas, feitas pelo método de alvenaria seca de blocos de pedra, que se encontram em muitas partes da ilha. Mas as construções mais misteriosas, que também pertencem à cultura nurágica, são os poços sagrados espalhados por toda a ilha.

    sardeilha3

    No total, existem cerca de setenta poços na Sardenha que datam do período Nurágico. Acredita-se que essas estruturas não só proporcionavam acesso a uma fonte de água, mas também tinham uma finalidade espiritual e astronômica. Um dos poços mais famosos é o poço Santa Cristina, que se localiza no munícipio de Paulilatino, na província de Oristano, centro-oeste da Sartenha. É muito diferente dos restantes poços da Sardenha e por isso é interessante historicamente e não só como atração turística.

    O sítio que se encontra o poço Santa Cristina (que leva o nome da igreja camponesa que se encontra nas proximidades) é constituído essencialmente por duas partes: a primeira, a mais conhecida e estudada, constituída pelo poço templo, com estruturas anexas: cabanas de reunião, recinto e outras cabanas menores. A segunda parte do complexo a cerca de duzentos metros a sudoeste consiste numa única torre nurágica, algumas cabanas de pedra alongadas de datação incerta e uma aldeia nurágica, ainda por escavar, da qual apenas alguns elementos de afloramento são visíveis.

    O poço sagrado, cuja construção pode ter sido implantada por volta do século 11 a.C. é encerrado por témenos, um recinto elíptico que separa a área sagrada da profana, que circula outra forma de “fechadura’, dentro do qual o próprio poço está localizado. A estrutura é semelhante à dos outros poços sagrados encontrados na Sardenha, mas difere pelo excelente estado de conservação das partes internas e também dimensões muito grandes e bem proporcionadas.

    sardeilha2

    O poço é precedido por um vestíbulo onde provavelmente ocorreram as cerimônias de culto, após o vestíbulo seguir a escada que se abre para um compartimento trapezoidal, a escada é formada por um único lance de 25 degraus, que se estreita para baixo (a partir de cerca de 3,50 metros no topo a 1,40 metros na base) conforme se aproxima da câmara que contém o poço real; a escada espelha-se nas vergas do telhado, constituídas por blocos todos idênticos entre si que criam um extraordinário efeito de “escada invertida” de largura constante.

    O poço sagrado propriamente dito é formado por uma cela circular (diâmetro cerca de 2,5 metros) coberta por um tolo com uma abóbada ogival de quase sete metros de altura, feita com blocos de basalto trabalhados e dispostos em filas, cujo diâmetro a partir do lintel da porta de entrada, posicionada no final dos degraus, diminui para criar um orifício de cerca de 35 centímetros ao nível do solo. Esta luz ainda é uma fonte de disputa se foi originalmente fechada por uma pedra circular ou não.

    sardeilha6

    Toda a estrutura do poço é feita com técnicas muito precisas; todos os blocos de basalto de tamanho médio ( cerca de sessenta centímetros de comprimento por trinta centímetros de espessura) foram trabalhados e acabados, em seguida, dispostos em filas horizontais, tendo o cuidado de que o bloco inferior se projetasse cerca de um centímetro do bloco superior, a fim de criar um perfil entalhado e um efeito arquitetônico muito elaborado e eficaz. O excelente estado de conservação da estrutura confere ao poço uma grande importância arqueológica e histórica. Ainda hoje, a água flui para o poço a um aquífero perene que permite encher o tanque circular escavado na rocha base e chegar ao primeiro degrau da escada. O nível é mantido constante por uma canal de descarga presumível.

    sardeilha10

    Na estrutura sagrada e nas suas proximidades, realizavam-se cultos sobre as águas, que reuniam toda a comunidade, recordando os nurágicos de outras partes da Sardenha e talvez devotos que também vieram de fora da ilha. Segundo algumas teorias, o poço de Santa Cristina também pode ter sido um local de observação e análise astronômica; de fato, em uma determinada época do ano ( equinócio da primavera e do outono ), a lua reflete no fundo do poço, iluminando-o; isso acontece quando a lua está no zênite da localidade.

    Leia também - Mistérios da Chapada Diamantina

    No poço de Santa Cristina, porém, a lua não se encaixa perfeitamente na vertical do zênite, mas ilumina igualmente a água abaixo, criando um reflexo. Alguns arqueólogos se opuseram a esta hipótese, afirmando que o ‘tolo’ foi originalmente fechado (portanto, não permitindo a entrada do luar). Em particular, eles se referem à ausência da estrutura elevada, que a maioria dos poços sagrados tinham.

    Além de Santa Cristina, mais dois poços merecem menção especial. São os poços de Santa Vittoria e o do Prédio Canopoli, cujas paredes também são revestidas com blocos bem trabalhados e bem ajustados um ao outro. Com toda a probabilidade, esses três poços já foram construídos no final do período nurágico, de modo que a qualidade do processamento do material e do próprio edifício é superior à dos outros poços.

    Fonte: https://www.magnusmundi.com/

     

    Translate

    ptenfrdeitrues