Seus filhos e filhas revolucionários marxistas

    ficomu1Por Thomas DiLorenzo/ 20/10/2020 - Os tumultos violentos, saques, incêndios criminosos e até mesmo a execução pública de partidários de Trump nos últimos seis meses foram principalmente o trabalho dos autodenominados revolucionários comunistas associados a “Antifa” e Black Lives Matter (BLM). Fotos de fichamento na polícia de alguns dos criminosos da Antifa/BLM que apareceram nos noticiários e on-line mostram que alguns deles estão seriamente perturbados; alguns são criminosos experientes com longos antecedentes criminais; parece haver uma preponderância de criminosos sexuais condenados e pedófilos entre eles; e o que parece ser centenas de piromaníacos.

    Eles estão sempre acompanhados por multidões de saqueadores urbanos ordinários e comuns, os produtos do estados e das suas escolas públicas do centro da cidade, destruidoras de vidas e infestadas de crimes, do seu assistencialismo social que destrói o incentivo à família e ao trabalho, e sua guerra contra as drogas.

    Depois, há o grande exército de idiotas úteis – os milhares de garotos em idade universitária ou um pouco mais velhos, em sua maioria brancos. Eles não parecem dominar as fotos criminais publicadas pelos departamentos de polícia, mas parecem ter composto pelo menos metade da multidão nas muitas das cenas transmitidas pela televisão americana nos últimos meses. Perdi a conta de quantas vezes assisti na telinha uma menina branca gordinha vestida como uma mendiga mascarada gritava na cara dos policiais negros palavras sobre “supremacia branca” e racismo, como se esses negros em sua maioria de meia-idade não soubessem o que é discriminação racial. Depois, há aquela estudante da Ivy League cujos pais possuem várias casas multimilionárias que foi presa por colocar fogo em carros da polícia durante um dos distúrbios na cidade de Nova York. Suspeita-se que ela não era a única que se encaixava nessa descrição.

    Leia também - Conheça a cidade egípcia perdida, encontrada após 1200 anos

    Os criminosos e os saqueadores da classe baixa estão nisso (bagunçando) por diversão e lucro, mas os universitários brancos estão lá porque pensam que estão sendo bons revolucionários marxistas ao se associarem ao BLM, cujos fundadores orgulhosamente proclamaram “somos marxistas treinados” (E que também defendem a abolição da família, como o próprio Karl Marx). Como diabos, pode-se perguntar, tantos estudantes universitários e graduados foram convencidos de que o comunismo totalitário, entre todas as coisas, é o que eles desejam para seu futuro?

    Não estou falando de todos os estudantes universitários e recém-formados, é claro, mas de um segmento muito grande e expressivo dessa população – os chamados flocos de neve da justiça social. A resposta a esta pergunta é óbvia: eles foram completamente doutrinados pelas academias de doutrinação socialistas conhecidas como “faculdades e universidades” e também por seus professores do ensino fundamental e médio que foram doutrinados lá primeiro. Eles foram doutrinados no marxismo de livro didático, em técnicas e ideologias que foram pioneiras por Marx, Engels, Lenin e outros, e levadas adiante primeiro pelos “radicais marxistas dos anos 60” e depois pelos estudantes dos radicais que agora dominam quase todas as universidades.

    Socialismo significa destrucionismo

    Ludwig von Mises escreveu em seu clássico de 1922, Socialism, que “a ideia socialista nada mais é do que uma racionalização grandiosa de ressentimentos mesquinhos” e “a destruição é a essência disso”, o “desmanchador do que milhares de anos de civilização criaram”. A propriedade privada, a livre empresa, o império da lei, a sociedade civil, o constitucionalismo, a religião, a família, a tradição, a história, são todos hoje denunciados e destruídos rotineiramente pelos idiotas úteis que se rebelam nas ruas. O que mais alguém poderia chamar de motins, saques, incêndios criminosos e caos em certas cidades americanas, senão destrucionismo marxista?

    Tudo o que Mises disse sobre os “marxistas revolucionários” do início do século XX se aplica à esquerda hoje. “Em vez de refutar” seus críticos, disse Mises sobre Marx e os marxistas, “seus discípulos imitaram fielmente o exemplo do mestre, insultando seus oponentes, mas nunca tentando refutá-los com argumentos”. Este é um credo marxista no qual os estudantes universitários de hoje são muito bem educados. Agora é quase rotina que, se um grupo de estudantes convidar um orador conservador ou libertário para o campus, ele será recebido por uma multidão gritando insultos contra ele, proibindo-o de falar e, no caso da Universidade da Califórnia em Berkeley, a casa do “movimento da liberdade de expressão”, incendiando os prédios do campus. Consequentemente, muito poucas vozes dissidentes chegam a ser convidadas para o campus. Apenas as classes “oprimidas” merecem o direito à liberdade de expressão. Os estudantes universitários de hoje são ensinados com os escritos do excêntrico acadêmico marxista do século XX, Herbert Marcuse. Todos os outros devem ser difamados, caluniados e rotulados como “racistas”, sexistas”, “fascistas”, etc., etc. As classes” oprimidas “são definidas pelos marxistas acadêmicos de hoje como todo mundo, exceto homens brancos heterossexuais que não sejam esquerdistas declarados. Todas as pessoas brancas são consideradas racistas inerentes de acordo com a esquerda de hoje, mas ser um comunista declarado no campus dá a alguém um cartão de saída livre da prisão.

    Os “partidos socialistas” da época de Mises aperfeiçoaram “a técnica de agitação, a súplica por votos e almas, o despertar da excitação eleitoral, as manifestações de rua e o terrorismo.” Em outras palavras, não há nada de novo sob o sol quando se trata de ser um revolucionário marxista. O objetivo do “socialismo revolucionário”, escreveu Mises, “está principalmente preocupado em limpar o terreno para a construção de uma nova civilização liquidando a mais antiga”. Claro, toda a história das revoluções marxistas é que a civilização mais antiga, que pode ter evoluído ao longo dos séculos, é de fato destruída e então substituída por nada além de banditismo totalitário, corrupção, violência e matança em massa. Os estudantes universitários de hoje aprendem pouco ou nada sobre isso – a história real do socialismo – mas são bem educados em sonhos utópicos como o Manifesto Comunista. Certa vez, usei o Manifesto em uma aula chamada “Capitalismo e seus Críticos”, onde o tratei como um artefato histórico. Um aluno reclamou que foi a quarta vez que foi designado para lê-lo durante sua carreira na faculdade, mas a primeira vez que não foi retratado como um roteiro para o futuro.

    Muitos não ficaram surpresos quando os desordeiros, saqueadores e incendiários marxistas revolucionários (RMRLA) começaram a derrubar estátuas de soldados confederados e nada disseram. Muitos zombaram do presidente Trump quando ele previu que a multidão passaria para Thomas Jefferson e outros fundadores. Eles ficaram (e estão) confusos, no entanto, quando a mesma gangue começou a destruir estátuas de Cristóvão Colombo, Abraham Lincoln, Thomas Jefferson, Teddy Roosevelt, abolicionistas da Nova Inglaterra e quase todos os outros tipos de estátua que comemoram o passado do país. Eles cortaram cabeças de estátuas da Virgem Maria em igrejas católicas e pintaram grafites vulgares em inúmeras igrejas. Mais uma vez, tudo isso é marxismo de livro didático como ensinado a seus filhos e filhas nas instituições de “ensino superior”. A tradição é apenas “uma ferramenta da burguesia”, disse Marx. “Na sociedade burguesa, o passado domina o presente; na sociedade comunista, o presente domina o passado.” Os marxistas não querem saber de aprender com os erros da história, pois eles – e somente eles – sabem todas as respostas.

    Marx e Engels pediram a “Abolição da Religião” no Manifesto Comunista, juntamente com um apelo para “abolir o atual estado de coisas”. “A derrubada pela força de todas as condições sociais existentes” era seu objetivo. “Os comunistas em todos os lugares apoiam o movimento revolucionário contra a ordem social e política existente”, disseram eles, algo que provavelmente foi dito muitas vezes nas salas de aula das universidades no ano passado.

    “Criticar implacavelmente de tudo o que existe” também foi pedido por Marx, que divagou que “as ideias dominantes de cada época sempre foram as ideias de sua classe dominante”. O comunismo “abole as verdades eternas”, gabou-se Marx, e “age em contradição com toda a experiência histórica passada”. Como F.A. Hayek escreveu em O caminho da servidão, em uma sociedade totalitária a verdade não é determinada por pesquisa, investigação, discussão, debate e educação, mas é transmitida pelo estado na forma de chavões estatistas.

    Hoje isso é chamado de “teoria crítica” no mundo acadêmico e é bastante prevalente. Quando uma professora de faculdade de administração (na verdade, uma advogada contratada para pregar política de esquerda para estudantes de administração) iniciou um novo curso chamado “Pensamento crítico” na minha antiga universidade, perguntei a ela em qual disciplina acadêmica ela estaria se baseando – filosofia, lógica, filosofia política, economia, etc. Sua resposta foi “Oh, nada disso; vamos apenas criticar pessoas como você.”

    Leia também - O Segredo das Sete Irmãs, a Vergonhosa História do Petróleo

    Conversando com muitos de seus alunos ao longo dos anos, aprendi que nada lhes foi ensinado sobre como estruturar uma crítica usando lógica, fatos e teoria. Em vez disso, eles são ensinados a condenar, caluniar, rotular, denunciar e difamar qualquer pessoa que discorde de qualquer um dos chavões esquerdistas padrão com os quais todos os estudantes universitários são bombardeados desde o ensino fundamental. Crítica implacável, em outras palavras, exatamente como o próprio Marx defendia.

    “O comunismo começa onde começa o ateísmo”, escreveram Marx e Engels, e “o comunismo é incompatível com a fé religiosa”. Marx ficaria realmente orgulhoso de seus seguidores contemporâneos. Um artigo da Agência Católica de Notícias de 1º de junho relatou que “igrejas em 6 estados americanos foram danificadas por protestos violentos”. Catedrais foram desfiguradas e danificadas e pintadas com spray “Deus está morto” e “Não há Deus”. Na Europa, cerca de 3.000 igrejas cristãs e outros edifícios foram vandalizados, saqueados e desfigurados em 2019.

    Enquanto os pais dormiam, os esquerdistas universitários transformaram milhões de seus filhos em idiotas iletrados, de cabeça vazia e repetidores de slogans úteis para os mais desprezíveis tiranos políticos e pretensos ditadores do planeta. Muito bem, pais.

    Fonte: https://www.lewrockwell.com/

    Translate

    ptenfrdeitrues

     

     

     Ajude a manter o site no ar.

     

    Curta O Arquivo no FacebookCurta O ARQUIVO no Facebook

    O Arquivo

    Sobre  |  Fale Conosco