Arte rupestre descoberta na Amazônia mostra humanos com animais da Era do Gelo

    rupestreima303/12/2020 - Milhares de registros de arte rupestre retratando enormes criaturas da Idade do Gelo – como mastodontes – foram revelados por pesquisadores na floresta amazônica. As pinturas foram provavelmente feitas por volta de 11.800 a 12.600 anos atrás, de acordo com um comunicado de imprensa de pesquisadores da Universidade de Exeter, no Reino Unido. As pinturas estão dispostas em três cavernas rochosas diferentes, sendo a maior delas, a Cerro Azul, um lugar que abriga 12 painéis e milhares de pictogramas individuais.

    Localizada na Serranía La Lindosa, na atual Colômbia, a arte rupestre mostra como os primeiros habitantes humanos da área teriam coexistido com a megafauna da Idade do Gelo, com registros que mostram o que parecem ser preguiças gigantes, mastodontes, camelídeos, cavalos e três ungulados com os dedos dos pés com troncos.

    “Essas imagens realmente são incríveis, produzidas pelas primeiras pessoas a viver no oeste da Amazônia”, disse Mark Robinson, arqueólogo da Universidade de Exeter.

    “As pinturas dão um vislumbre vívido e emocionante da vida dessas comunidades. É inacreditável para nós hoje pensar que elas viviam entre e caçavam herbívoros gigantes, alguns do tamanho de um carro pequeno.”

    Outras fotos mostram figuras humanas, formas geométricas e cenas de caça, além de animais como veados, antas, crocodilos, morcegos, macacos, tartarugas, serpentes e porcos-espinhos. As pinturas vermelhas, feitas com pigmentos extraídos do ocre raspado, compõem um dos maiores acervos de arte rupestre da América do Sul.Na época em que os desenhos foram feitos, a Amazônia estava mudando de uma colcha de retalhos de savanas, floresta tropical e matagal espinhoso para a floresta tropical de folhas largas que conhecemos hoje.

    Os artistas teriam usado o fogo para esfoliar a rocha e fazer superfícies planas para pintar, dizem os especialistas. Embora as pinturas sejam expostas a impactos naturais, elas são protegidas por pedras salientes, o que significa que permanecem em melhores condições do que outras artes rupestres encontradas na Amazônia.

    Leia também - Khalkhin Gol: A batalha mais decisiva da qual ninguém ouviu falar

    Alguns deles foram pintados tão alto na rocha que “escadas especiais feitas com recursos florestais teriam sido necessárias” para criá-los, de acordo com o comunicado à imprensa.

    As pessoas que pintaram os quadros eram caçadores-coletores que comiam frutos de palmeiras e árvores, além de pescar piranhas e crocodilos no rio próximo. Ossos e restos de plantas também revelam que comiam cobras, sapos, tatus e roedores, incluindo paca e capivara. Os pesquisadores envolvidos tentam descobrir quando os humanos se estabeleceram na região amazônica e como sua presença afetou a biodiversidade. José Iriarte, professor de Arqueologia de Exeter, disse à CNN que as descobertas são uma etapa inicial de um projeto que durará cinco anos. Um dos objetivos imediatos é documentar toda a arte rupestre da área e descobrir que outros animais são retratados, disse ele.

    rupestreima2

    “Essas pinturas rupestres são uma evidência espetacular de como os humanos reconstruíram a terra e como caçaram, cultivaram e pescaram”, disse Iriarte no comunicado à imprensa.

    “É provável que a arte fosse uma parte poderosa da cultura e uma forma de as pessoas se conectarem socialmente. As fotos mostram como as pessoas teriam vivido entre animais gigantes, agora extintos, que caçavam.”

    Iriarte ficou impressionado com o realismo das pinturas, que foram produzidas durante uma rara janela em que os primeiros humanos viveram ao lado da megafauna.

    “O nível de observação da fauna foi incrível”, disse.

    As pinturas rupestres aparecem em uma nova série de TV, “Jungle Mystery: Lost Kingdoms of the Amazon”, no Canal 4 do Reino Unido, e as descobertas também são descritas em um artigo na revista Quaternary International. Robinson e Iriarte trabalharam no projeto ao lado de Javier Aceituno da Universidad de Antioquia em Medellin, Colômbia e Gaspar Morcote-Rios da Universidad Nacional de Colombia em Bogotá. As comunidades na área local sabiam das pinturas rupestres e ajudaram os pesquisadores a documentá-las na esteira do acordo de paz de 2016 entre o governo colombiano e o grupo guerrilheiro das FARC, que se desarmou após 52 anos de conflito.

    Pesquisadores trabalharam no local em 2017 e 2018.

     

    A ‘Capela Sistina’ da Amazônia

     rupestreima4

    12/05/2021 - Pesquisadores descobriram caverna com imagens rupestres no coração da floresta amazônica. Apesar da degradação da natureza provocada pelo ser humano nos últimos tempos, ainda restam no planeta santuários completamente conservados. Pesquisadores da Universidade de Exeter, do Reino Unido, encontraram uma caverna repleta de pinturas antigas no coração da floresta amazônica. A descoberta já é considerada um dos marcos arqueológicos mais relevantes do ano. Apelidada de “Capela Sistina dos Antigos”, o achado indica que os primeiros habitantes dessas florestas coexistiram com a megafauna característica da Era do Gelo, milhares de anos atrás. Impressionante por sua exuberância, o sítio arqueológico está localizado no Parque Nacional Chiribiquete, região sul da floresta amazônica, na Colômbia. Ao todo, o paredão tem cerca de 13 quilômetros decorados com gravuras rupestres praticamente intactas. Estima-se que as primeiras marcações nas rochas foram feitas entre 12,6 e 11,8 mil anos atrás. Nas análises preliminares, especialistas identificaram desenhos de paisagens e outros elementos da natureza, além de figuras humanas. A reconstrução do período foi baseada nas gravuras de peixes, pássaros e mamíferos que habitavam a região durante a Era do Gelo, como mastodontes, preguiças-gigantes e campilídios.

    “Essas pinturas são uma evidência espetacular de como os humanos reconstruíram a terra, caçaram, cultivaram e pescaram” Jose Iriarte, arqueólogo

    Um dos mistérios que chamaram a atenção dos arqueólogos é a técnica apresentada nos desenhos. As gravuras medem mais de cinco metros de altura e vão do chão ao teto da caverna, o que obrigou a equipe a usar escadas especiais para acompanhar os detalhes das obras. “Essas pinturas dão um vislumbre vívido e emocionante da vida dessas comunidades”, disse Mark Robinson, arqueólogo da Universidade de Exeter. “Hoje é inacreditável pensar que esses seres humanos viviam e caçavam animais gigantes”, afirma.

    Marcos Lima, historiador e coordenador do Museu da Obra Salesiana no Brasil (MOSB/Unisal), conta que o ano de 2020, mesmo abalado pela pandemia, revelou descobertas arqueológicas sem precedentes. Ele reforça ainda a importância da preservação ambiental. “Quando não preservamos o meio ambiente perdemos parte ou toda a história deixada por nossos ancestrais”, diz. “Sem sombra de dúvidas acredito que esse seja um dos maiores achados já registrados”, afirma.

    O objetivo dos pesquisadores agora é documentar toda a arte encontrada e tentar descobrir outros animais retratados que possam gerar informações sobre o deslocamento migratório humano. “Os primeiros povos a viver na Amazônia ocidental se mudaram para a região em um momento de mudanças climáticas extremas, que estavam levando a mudanças na vegetação”, ressalta Mark Robinson. Arqueólogos vão documentar a arte encontrada nos 13 km de extensão do paredão para identificar espécies e mapear o deslocamento humano

    Projeto futuro

    rupestreima5

    Leia também - A lenda de Tereza Bicuda - GO

    Jose Iriarte, arqueólogo que lidera a pesquisa, relata que sua equipe sabia da existência da “Capela Sistina dos Antigos” há pelo menos um ano, mas aguardou para divulgar a notícia por conta da produção do documentário chamado “Mistério da Selva: Reinos Perdidos da Amazônia”, exibido pela TV no Reino Unido. “É provável que a arte fosse uma parte poderosa da cultura e uma forma que as pessoas usavam para se conectar socialmente”, disse Iriarte.

    Ele afirma ainda que questões políticas afetaram as explorações do local ao longo dos anos. A região do Chiribiquete estava na área de atuação das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), organização paramilitar que só assinou acordo de trégua com o governo em 2016. Antes disso, o local era perigoso demais para exploradores locais e estrangeiros. A descoberta levará a um projeto mais amplo de exploração, com tempo mínimo de cinco anos e apoiados pelo governo colombiano. É uma garantia de que interessantes informações culturais sobre esse período estão a caminho.

    Fonte: https://www.cnnbrasil.com.br/
               https://istoe.com.br/

    Translate

    ptenfrdeitrues