O encosto facebookiano

    faceen1Por Sidney Silveira, 21/05/2015 - Onde reina a dissipação mental, asnos pontificam — não raro com ar afetado de circunspecção, indigerível para qualquer pessoa com dois dedos de miolos e um pouco de bom senso. Assim é o Facebook: com volúpia opiniática imparável, verdadeiras cavalgaduras desembestam certezas sobre os mais variados assuntos, com o entusiasmo insano de quem atirasse blocos de granito à cabeça de inimigos imaginários. Não conseguem apresentar os seus argumentos ...

    sem denegrir outras pessoas, e aqui se vê a nota distintiva do caráter desses indivíduos audazes: se ninguém os lisonjeia, eles próprios encarregam-se de fazê-lo, sem qualquer sinal detectável de pudor. Por trás do teclado dos computadores de onde reinventam a roda e o mundo, são Hércules invencíveis pessoalmente, costumam ser libélulas a esvoaçar tímidas em torno do próprio ego. A distância, atroam de perto, esganiçam. Começam por fazer alusões maldosas em postagens enigmáticas, depois passam à detração enviesada, até que, flagrados em delito de inveja ou de ódio, são impelidos a mostrar o estado tétrico de suas almas.

    Leia também - Alimentos para reativar sua glândula pineal: Nutrição para o olho da mente

    Quando porém se trata de julgar moralmente as atitudes alheias, sob a proteção reconfortante proporcionada pelo evanescente universo virtual, essas libélulas tornam-se carniceiras, agem como urubus esfomeados. Julgam-se no direito de cobrar condutas de pessoas cujas motivações nem de longe vislumbram. Trombeteiam juízos definitivos que, de alguma maneira, mancham a honra alheia, o que pouco se lhes dá a reputação do próximo é um conceito abstrato inalcançável para quem chafurdar transformou-se em ofício.

    O Facebook é hoje a tribuna das susceptibilidades eriçadas, dos ataques enraivecidos, do desnudamento involuntário de vaidades letais, do entretenimento de sádicos e psicóticos, da incivilidade ostentada como coragem. Quem nele entra para ver e fazer coisas boas, aprenda a ser seletivo e tenha cuidado: a péssima companhia virtual tem o condão de se fazer virtualmente onipresente. Em tais casos, não tem pé-de-pato-mangalô-três-vezes que dê jeito.

    Só Deus pode afastar o encosto!


    Sidney Silveira é professor e edita o blog Contra Impugnantes.

    Translate

    ptenfrdeitrues

     

     

     Ajude a manter o site no ar.

     

    Curta O Arquivo no FacebookCurta O ARQUIVO no Facebook

    O Arquivo

    Sobre  |  Fale Conosco