Partículas de plástico encontradas na corrente sanguínea humana pela primeira vez

    partiplas124/03/2022, por Nick Lavars - Os cientistas continuam a descobrir a verdadeira extensão do nosso problema de poluição plástica, e cada vez mais estamos vendo uma ênfase em seus efeitos potenciais no corpo humano. O mais recente desenvolvimento nesta área vem de cientistas na Holanda que usaram novas ferramentas analíticas para produzir a primeira evidência de partículas de plástico sendo absorvidas pela corrente sanguínea.

    Quando resíduos de plástico, como sacolas e garrafas, entram no meio ambiente, forças naturais como correntes oceânicas, vento e luz UV fazem com que eles se quebrem em fragmentos menores chamados microplásticos. E estes são incrivelmente problemáticos, tanto porque dificultam para os cientistas rastrearem seu caminho pelo meio ambiente quanto porque podem ser absorvidos por organismos vivos.

    Vimos os impactos prejudiciais em criaturas marinhas, com microplásticos que causam aneurismas em peixes e deficiências cognitivas em caranguejos eremitas. Também sabemos agora que eles chegam ao corpo humano, com estudos em tecidos e fezes humanos encontrando partículas de plástico em todas as amostras.

    A equipe de pesquisa por trás deste novo estudo procurou desenvolver isso investigando a presença potencial de plásticos no sangue humano. Para fazer isso, os cientistas criaram um novo método envolvendo o uso de espectrometria de massa para inspecionar o sangue humano em busca de pequenas partículas de plástico.

    Agora provamos que nossa corrente sanguínea, nosso rio da vida, por assim dizer, contém plástico

    Leia também - Neurocientista da Harvard: Meditação não apenas reduz estresse, ela muda o seu cérebro

    partiplas2

    Esta técnica foi aplicada a amostras de 22 doadores saudáveis ​​com os cientistas à procura de cinco polímeros diferentes que são considerados os blocos de construção do plástico. Três quartos dos indivíduos tinham partículas de plástico no sangue, servindo como a primeira evidência de que o material pode acabar na corrente sanguínea humana. A concentração média foi de 1,6 microgramas por mililitro, cerca de uma colher de chá de plástico para cada 1.000 litros de água.

    “Já provamos que nossa corrente sanguínea, nosso rio da vida, por assim dizer, tem plástico”, disse Heather Leslie, da Vrije Universiteit Amsterdam.

    Polietileno tereftalato (PET), polietileno e polímeros de estireno foram as formas mais comuns de plástico a aparecer nas amostras. A rota do plástico para a corrente sanguínea "provavelmente será através do contato com a mucosa (ingestão ou inalação)", escrevem os pesquisadores em seu artigo, observando que partículas transportadas pelo ar entre 1 nanômetro e 20 micrômetros são consideradas respiráveis.

    Então, como isso afeta a saúde humana? Estudos demonstraram que partículas de plástico podem ter efeitos tóxicos nas células e alterar sua forma. Estudos com ratos também sugerem que eles podem se infiltrar na barreira hematoencefálica e contribuir para o colesterol alto e doenças cardíacas. Mas ainda há muito a aprender sobre os perigos da absorção de partículas plásticas, com os autores deste novo estudo procurando investigar como essas partículas podem se mover do sangue para os tecidos e órgãos como próximo passo.

    “Este conjunto de dados é o primeiro desse tipo e deve ser expandido para obter informações sobre como a poluição plástica está generalizada nos corpos humanos e quão prejudicial isso pode ser”, disse a autora do estudo, Marja Lamoree. a exposição a partículas de plástico representa uma ameaça à saúde pública”.

    A pesquisa foi publicada na revista Environment International.

    Fonte: Vrije Universiteit Amsterdam

    Translate

    ptenfrdeitrues