Bebidas açucaradas associadas ao crescimento do tumor no cólon

    bebiadoci topo09.08.2021, por Dr. Mercola - Tirando os cânceres de pele não melanoma, os cânceres de cólon e reto são as terceiras categorias de câncer mais comuns diagnosticados a cada ano. Os cientistas reconheceram vários fatores modificáveis ​​que aumentam o risco de câncer colorretal, e a ligação mais recente são as bebidas adoçadas com açúcar, muito populares no Ocidente. A terceira e principal causa de morte em homens e mulheres é o câncer de cólon e reto, podendo ser a segunda principal causa caso combine os dois.

    A American Cancer Society (ACS) estima que haverá 149.500 novos casos de câncer colorretal diagnosticados em 2021. Os especialistas esperam que 52.982 morram de câncer colorretal em 2021. Embora os números do câncer colorretal tenham diminuído em adultos mais velhos nas últimas duas décadas devido ao aumento de testes e mudanças no estilo de vida, os cientistas acreditam que essa tendência de queda está abafando um número crescente de adultos jovens que estão sendo diagnosticados com a doença. Em um artigo publicado pela ACS em 2017, os pesquisadores investigaram os padrões de incidentes de 1974 a 2013. Eles escreveram que "quase um terço dos pacientes com câncer retal têm menos de 55 anos", o que impulsionou manchetes e recomendações que os mais jovens deveriam considerar rastreio do câncer do cólon.

    Entretanto, não está claro se o aumento do número de exames pode provocar a redução do número de pessoas que são diagnosticadas, pois, é um erro comparar o exame à prevenção. Isso é sobretudo verdadeiro, porque as ramificações da má alimentação e do comportamento sedentário estão acontecendo em idades cada vez mais jovens. Portanto, em vez de indicar a necessidade de mais testes, o número crescente de adultos jovens com diagnóstico de câncer colorretal deve ser um sinal de alerta para repensar seu estilo de vida. Na verdade, os dados do estudo apresentado demonstram o impacto que uma escolha dietética pode ter sobre o risco de câncer colorretal.

    Bebidas açucaradas elevam o risco de câncer de cólon em jovens adultos

    Neste estudo, uma equipe de pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington usou dados do National Nurses’Health Study II para avaliar a relação entre bebidas adoçadas com açúcar e o crescente número de indivíduos com menos de 55 anos diagnosticados com câncer colorretal. Era 95.464 mulheres com idades entre 25 e 42 anos que relataram a ingestão de bebidas de 1991 a 2015. Eles também examinaram dados de um subconjunto de 41.272 enfermeiras que usaram um questionário de frequência alimentar validado do ensino médio para relatar a ingestão de bebidas quando tinham 13 a 18 anos.

    Leia também - Você nunca mais vai ir ao banheiro da mesmo forma depois de ler isto!

    Durante o estudo prospectivo de 24 anos, os pesquisadores registraram 109 cânceres colorretais de início precoce no grupo. Após analisar os dados, eles descobriram que os indivíduos que beberam duas ou mais porções com cerca de 237 ml, cada uma bebida adoçada com açúcar teve o dobro do risco de diagnóstico se comparado com pessoas que beberam menos de uma bebida adoçada com açúcar por semana. Os resultados também parecem mostrar que, quanto mais cedo os indivíduos começaram a beber bebidas adoçadas com açúcar, mais cedo também seria o risco de câncer colorretal. Em adultos, a cada bebida adicional de 240 ml que bebiam por semana, o risco aumentava em 16%. No entanto, no grupo de adolescentes, para cada bebida adicional adoçada com açúcar a cada semana, o risco de desenvolver câncer antes dos 50 anos aumentou 32%.

    Os dados também apresentaram que, quando os indivíduos substituíram uma bebida adoçada com açúcar por café, chá ou bebidas adoçadas de forma artificial, o risco foi reduzido de 17% para 36%. De qualquer modo, como discuto abaixo, existem riscos adicionais e perigosos para a saúde, fora do câncer colorretal, que também estão associados aos adoçantes artificiais. Caroline H. Johnson, uma epidemiologista da Escola de Saúde Pública de Yale, estuda os riscos ambientais associados ao câncer colorretal. Ela não estava participando do estudo, porém, falou com um repórter do The New York Times sobre os resultados, dizendo: “Fiquei muito interessada em ver que o estudo era sobre mulheres. O foco costuma ser nos homens. Será interessante ver se isso se confirma nos homens.”

    bebiadoci1

    Os pesquisadores não acharam uma associação entre beber sucos de frutas e o início precoce do câncer colorretal. Durante a análise, os cientistas controlaram diversos fatores externos que também afetam o risco, incluindo o uso de hormônios durante a menopausa, tabagismo, álcool, corrida e atividade física. Um dos pesquisadores comentou que, por mais que o ganho de peso seja um risco já conhecido, sua análise controlada para obesidade, sugerindo que a associação estatística que eles encontraram está fora do risco independente de obesidade.

    Adoçantes artificiais também possuem grandes riscos

    Embora o estudo apresentado não tenha procurado uma ligação entre adoçantes artificiais e câncer colorretal, pesquisas anteriores confirmaram que os adoçantes artificiais têm um efeito negativo em sua saúde bastante notável. Por exemplo, um estudo francês descobriu que pessoas que beberam por volta de apenas 237 ml ou mais por dia de refrigerante adoçado com açúcar tiveram um risco maior de eventos cardiovasculares ao longo de 6 anos e 6 meses de acompanhamento — porém, pessoas que beberam 177 ml de bebidas adoçadas de forma artificial tiveram um risco semelhante aumento das doenças cardiovasculares.

    Além disso, os substitutos do açúcar têm uma variedade de efeitos metabólicos, incluindo um impacto negativo no microbioma intestinal. Um recente estudo de pesquisa molecular da Angelia Ruskin University percebeu que adoçantes artificiais populares, incluindo sucralose (Splenda), aspartame (NutraSweet, Equal e Sugar Twin) e sacarina (Sweet'n Low, Necta Sweet e Sweet Twin) têm um efeito patogênico em duas categorias de bactérias intestinais. Quando a E. coli e E. faecalis tornam-se patogênicos, eles destroem as células Caco-2, responsáveis pelo revestimento da parede do intestino. Dados do estudo mostraram que a concentração de duas latas de refrigerantes diet aumentou bastante a capacidade de E. coli e E. faecalis para aderir às células Caco-2 e aumentar o desenvolvimento de biofilmes bacterianos.

    Uma pesquisa realizada em animais publicada na revista Molecules analisou seis adoçantes artificiais, incluindo sacarina, sucralose, aspartame, neotame, Advantame e acessulfame de potássio-K. Os dados mostraram que todos eles causaram danos ao DNA e interferiram na atividade normal e saudável das bactérias intestinais. Outro estudo mostrou uma ligação entre refrigerantes adoçados de forma artificial, casos de morte por doenças circulatórias e uma associação entre refrigerantes adoçados com açúcar e morte por doenças digestivas. E, um estudo publicado em abril de 2021 confirmou estudos anteriores realizados em ratos que mostraram que “o aspartame é um carcinógeno químico” que pode aumentar o risco de câncer em filhos expostos a ele no útero. Isso sugere que políticas voltadas para o corte ou redução do consumo de açúcar podem ter consequências desastrosas quando os fabricantes reformulam seus produtos usando adoçantes artificiais.

    Falta de vitamina D em adultos mais velhos associada ao câncer de cólon

    Novas evidências publicadas no BMC Public Health revelaram uma relação oposta, dependente do envelhecimento entre a exposição à luz ultravioleta B (UVB) e a incidência de câncer colorretal. Os dados foram coletados em 186 países usando estimativas de UVB e as taxas de incidência de câncer colorretal. Os pesquisadores fizeram a conexão entre a luz UVB e o fabricante da vitamina D no corpo, visto que a vitamina D tem fontes dietéticas limitadas. O padrão inadequado de vitamina D foi identificado como um fator de risco no desenvolvimento de câncer colorretal e tem uma potencial ação protetora.

    Pesquisas anteriores demonstram que tomar no mínimo 1.000 unidades internacionais de vitamina D por dia pode reduzir até 50% o risco de câncer colorretal. Ao analisar os dados, os pesquisadores consideraram fatores que podem afetar os resultados como tabagismo, pigmentação da pele e idade. Os autores sugeriram que uma pequena exposição aos UVB pode diminuir os níveis de vitamina D. de um indivíduo. Dado que a deficiência foi associada a um risco aumentado de câncer colorretal no passado, os pesquisadores utilizaram dados de UVB para estimar os níveis de vitamina D. A falta de exposição ao UVB foi correlacionada com taxas mais altas de câncer colorretal em todas as faixas etárias que vivem de todos os países que foram incluídos no estudo.

    Entretanto, a ligação entre a menor exposição e o maior risco de câncer foi mais significativa em pessoas com mais de 45 anos. Raphael Cuomo, Ph.D., é um cientista de saúde pública da Universidade da Califórnia, San Diego, e co-autor do presente estudar. Em um comunicado de imprensa, ele comentou:

    "As diferenças na luz UVB foram responsáveis ​​por grande parte da variação que vimos nas taxas de câncer colorretal, sobretudo para pessoas com mais de 45 anos. Embora esta ainda seja uma evidência preliminar, pode ser que indivíduos mais velhos, em particular, possam reduzir seu risco de câncer colorretal câncer corrigindo deficiências de vitamina D."

    Dicas para prevenir o câncer colorretal

    Os dados apontam que existem fatores de risco que variam e que não variam ​​para o câncer colorretal. Alguns dos fatores de risco que não variam ​​incluem raça, sexo, idade, doença inflamatória intestinal e radiação abdominal. Os fatores de risco que variam, ​​são aqueles sobre os quais você tem controle e podem reduzir o risco de câncer colorretal. Isso inclui obesidade, atividade física, dieta, fumo, álcool e certos medicamentos. Pessoas com diabetes e resistência à insulina também têm um risco aumentado relacionado à mudança metabólica que favorece a atividade carcinogênica. Abaixo estão várias proposições de dieta e condicionamento físico que podem ajudar a reduzir bastante o risco de câncer colorretal, não dependendo da idade:

    Consuma mais vegetais — Vegetais, por exemplo, contêm diversos antioxidantes e outros compostos capazes de evitar doenças, que podem ser muito difíceis de obter de outras fontes como o magnésio. Os resultados de uma meta-análise apontaram que uma maior ingestão de magnésio resultou em um risco menor de câncer colorretal.

    Consuma mais Fibras — Para uma saúde ideal, recomendo ingerir cerca de 50 gramas de fibra para cada 1.000 calorias. Se você seguir a dica acima e comer mais vegetais, estará comendo mais fibras da melhor fonte possível.

    Leia também - Você nunca mais vai ir ao banheiro da mesmo forma depois de ler isto!

    Melhore seu nível de vitamina D — A falta de vitamina D é um fator de risco que pode causar câncer colorretal. A exposição ultravioleta sensível, sobretudo do sol, e/ou suplementação de vitamina D3 pode colocar seus níveis de vitamina D na faixa ideal de 45 a 60 nanogramas por mililitro (ng/mL). Você precisará controlar seu nível para ter certeza de permanecer dentro deste intervalo alvo.

    Reduza a ingestão de proteínas e evite ao máximo carnes processadas — A maioria dos americanos consome muito mais proteína do que precisa, aumentando assim o risco de câncer. Uma ingestão de proteína ideal gira em torno de meio grama de proteína por quilo de massa corporal magra. Evite alimentos processados de todos os tipos.

    Faça exercícios com regularidade — Há evidências convincentes de que os exercícios regulares podem reduzir bastante o risco de câncer de cólon. Um estudo revelou que homens e mulheres ativos têm cerca de 30% a 40% de redução no risco de desenvolver câncer de cólon em comparação com pessoas sedentárias, por exemplo.

    Mantenha um peso saudável e controle a gordura da barriga — Vários estudos relacionaram a obesidade a um risco aumentado de cerca de uma dúzia de tipos diferentes de câncer, incluindo câncer de cólon. Perder o excesso de gordura da barriga é muito importante, pois a gordura da barriga está ligada a um risco aumentado de câncer de cólon, independente de qual seja o seu peso corporal.

    bebiadoci2

    Limite o álcool e pare de fumar — Tanto a ingestão excessiva de álcool quanto o fumo está associado a um risco aumentado de câncer colorretal.

    Coma mais alho — a pesquisa mostrou que as pessoas que consomem abundantes quantidades de alho cru têm um risco menor de câncer de estômago e colorretal.

    Beba chá de graviola — beber chá feito de folhas de graviola pode auxiliar na redução do risco de câncer de cólon. Um estudo da PLOS One mostra que as folhas contêm um composto chamado "anomuricina E", que tem efeitos indutores de apoptose contra linhagens de células de câncer de cólon.

    Fonte: https://portuguese.mercola.com/

    Translate

    ptenfrdeitrues