Híbridos de pessoas e de animais, mito ou verdade?

    hibri1Cientistas em vários países criam híbridos fantásticos de pessoas e de animais que podem lançar o pânico na sociedade. Apenas nos últimos 10 anos, o progresso no campo da engenharia genética espantou os cientistas e simples observadores. Hoje, a criação de novas formas de vida tornou-se acessível mesmo a estudantes em condições caseiras. Infelizmente, as leis não conseguem acompanhar os jogos dos cientistas. Por sua vez, estas novas formas de vida não são ilegais, mas podem representar perigo para a sociedade. É impossível prever o que acontecerá se elas começarem a multiplicar-se, mas os cientistas de todo o mundo querem apenas descobrir a sua nova criação para o mundo: descobrir aquilo que ainda recentemente parecia ser fantasia absoluta. Podemos apresentar o seguinte exemplo: os cientistas criaram um rato com um cromossoma ...

    humano artificial. Isto é considerado um avanço que pode levar a novas formas de tratamento de toda uma série de doenças. Segundo a página do Lifenews.com, cientistas da Universidade de Wisconsin conseguiram grandes êxitos na transplantação de células do embrião humano no cérebro de ratos. As células começaram a crescer e, com o tempo, os ratos tornaram-se mais inteligentes. Esses ratos podem encontrar saída de um labirinto e aprender sinais convencionais mais rapidamente do que antes dos transplantes.

    Coloca-se uma questão: a prática de transplantação de tecidos humanos para animais trará mais vantagens do que riscos? Hoje, já é evidente que a criação de órgãos humanos no interior de animais não é ficção científica, mas realidade pura. Os cientistas japoneses começaram a utilizar leitões para criar órgãos humanos, o que demora até um ano a realizar. Segundo o Infowars.com, o principal objetivo neste caso é aumentar a quantidade de órgãos para as necessidades da medicina. Mas o governo japonês coloca outras tarefas: neste momento, prepara leis que permitem começar investigações ligadas a embriões.

    A página Thetruthwins.com assinala que, se um órgão humano começa a crescer dentro de um leitão, este já não é 100% um leitão, e um órgão humano que cresce dentro de um leitão não pode ser considerado um órgão humano a 100%. Os receptores desses órgãos devem concordar com a transplantação de órgãos híbridos do homem e do animal no seu organismo. As consequências da criação de híbridos poderão ameaçar a sociedade tanto hoje, como no futuro, mas o principal perigo consiste na impossibilidade de prognosticar as consequências da perda de controle de semelhantes híbridos.

    Mais preocupante ainda é o fato de a maioria dos países não ter leis que limitam a criação de semelhantes seres, o que permite produzi-los sem controle. Mais, não se prevê penas se esse ser animal provocar prejuízo às pessoas que vivem em redor. Existe a opinião de que os animais utilizados para a criação de órgãos humanos neles são mais uma via para a destruição da natureza. Em 2011, o jornal DailyMail informou que cientistas britânicos tinham criado mais de 150 embriões do homem e de animais, mas os leitores não se preocuparam com isso.

    Outros exemplos foram citados na revista Slate: cabras que produzem leite humano, uma estrutura anatômica anal transplantada num rato e doutores que criam um sistema imunitário humano para animais. Mas isto são apenas os projetos que conhecemos. É possível que existam outros por enquanto desconhecidos. Um híbrido do homem e de um animal é possível, mas continua a discussão de se são mais as vantagens do que os riscos potenciais.

    Hoje, os produtos geneticamente modificados já não surpreendem ninguém. Por enquanto, pessoas e animais modificados apenas se preparam ainda para se tornarem parte do nosso mundo comum. E vão mudá-lo de forma radical e para sempre. De que são capazes as quimeras dos laboratórios científicos e serão realmente uma ameaça séria?
    Porque é que os cientistas se ingerem no código genético de seres vivos e o modificam?

    O zoólogo Dmitri Isonkin compartilha a sua opinião com a Voz da Rússia:

    “Pode haver várias respostas. Primeira, por interesse de investigação científica para compreender de que modo ocorre a formação de embriões e de células e se é possível juntar dois códigos genéticos diferentes sem provocar rejeição. Segunda, um aspecto médico importante. Os cientistas procuram formas de curar as doenças até agora incuráveis, com a ajuda de um DNA estranho de outro organismo que resiste a esse mal. Terceira, isso pode ser uma iniciativa comercial vantajosa no futuro, pois é sabido que, hoje, no corpo dos animais cultivam órgãos doados muito caros.”

    Porém, tal como no caso de produtos geneticamente modificados, organismos vivos modificados podem constituir uma ameaça considerável. Todas as experiências realizadas em engenharia genética devem ser sujeitos a longos testes, para se compreender como, no fim de contas, irá se comportar o organismo vivo. E se a maioria das experiências se realiza atualmente em ratos de laboratório, cuja longevidade é extremamente pequena e pode-se acompanhar as mudanças qualitativas no seu organismo durante várias gerações, é muito difícil fazer isso com animais grandes e muito mais com pessoas.

    Segundo a lei, todos os híbridos-quimeras devem ser destruídos num prazo de duas semanas, mas como compreender a forma como os genes mistos influem nas gerações seguintes? Significa que o governo proíbe a realização de estudos mais profundos de hibridação de pessoas e animais. Mas isso acontece, muito frequentemente, apenas no papel. E na realidade?

    Pode-se apenas supor como agem os laboratórios secretos, mas sem dúvida que, se eles criam um ser híbrido, dificilmente o destruirão numa idade tão pequena: o mais interessante começa precisamente no período do amadurecimento sexual, quando as caraterísticas qualitativas do organismo passam a outro nível e pode-se acompanhar como o gene se irá comportar quando adulto, bem como quando se cruza um híbrido adulto com outro.

    As experiências de quimerização de pessoas e animais têm, no fundo, um caráter ilegal como a clonagem de pessoas. Estes “jogos de Deus”, com vista à criação artificial de uma nova vida, poderão levar-nos muito longe. Por exemplo, relativamente há pouco tempo, a revista Cell Research, publicada pelo Instituto de Biologia Celular e pela Academia das Ciências da China, noticiou a realização de uma experiência com êxito de cruzamento de um homem com uma lebre. Para a realização do planejado, os cientistas chineses libertaram as células de uma lebre do seu DNA e, depois, injetaram DNA humano. Como resultado, foram obtidos cerca de 400 embriões, dos quais foram extraídas células estaminais para posteriores experiências, e os híbridos foram destruídos. Posteriormente, os cientistas planejam criar uma série de novos híbridos na base de DNA humano e de outros animais.

    Não se compreende que criação saíra daí. Também não se compreende durante quanto tempo se manterá a proibição de semelhantes manipulações com o código genético de seres vivos. Porque se por um instante se imaginar que as experiências serão legalizadas, tanto como as quimeras, o nosso mundo, na realidade, mudará completamente. E vocês irão para o trabalho rodeados de homens-porcos, homens-bodes e homens-burros? Então, será agradável recordar os bons velhos tempos.


    Hoax: cientistas criam híbridos de humanos com animais

    hibri2


    Boato – Cientistas em vários países criam híbridos de pessoas e de animais que podem lançar o pânico na sociedade. Nos últimos 10 anos, o progresso no campo da engenharia genética espantou os cientistas. A tecnologia nos impressiona cada vez mais, não é mesmo? Às vezes para o bem, mas às vezes tende para o pânico. Animais clonados e geneticamente modificados nos fazem pensar o limite da ciência e consequências disso. Um texto que circula na internet diz que é possível criar híbridos de pessoas e de animais e isso realmente assusta quem lê. Essas espécies seriam como trans-espécies, entre um animal e um humano.

    Trecho do texto diz:

    Hoje, a criação de novas formas de vida tornou-se acessível mesmo a estudantes em condições caseiras. Infelizmente, as leis não conseguem acompanhar os jogos dos cientistas. Por sua vez, estas novas formas de vida não são ilegais, mas podem representar perigo para a sociedade. É impossível prever o que acontecerá se elas começarem a multiplicar-se, mas os cientistas de todo o mundo querem apenas descobrir a sua nova criação para o mundo: descobrir aquilo que ainda recentemente parecia ser fantasia absoluta. O texto ganhou popularidade no Brasil após ser publicado na versão em português do site Voz da Rússia. Acompanhado ao texto (carregado de teorias da conspiração), há imagens apavorantes de seres que misturam a aparência de humanos com a de animais.

    Mas calma, o texto é apenas um boato, não precisa ficar com medo. A primeira imagem é de um animal com traços de mulher e de cão, e até mesmo porco, devido ao focinho. A imagem choca, mas também causa dúvida, que é desvendada facilmente. Apesar de parecer mesmo com algo real, não se passa de uma escultura da artista Patricia Piccinini, de uma exposição feita em 2003, com o título “We are Family”. Esse link em inglês do Livescience fala sobre a origem das imagens. Há mais imagens de híbrido entre humano e animais ao longo do texto, e elas até mesmo podem servir como um alerta no campo da manipulação genética, porém, não são reais. Mas é claro que atraem a curiosidade de quem vê.

    O texto também cita algumas fontes de informações, porém, não traz nenhum link direto para checagem de notícias. Há apenas vagas frases que dizem “Segundo a página do Lifenews.com” ou “A página Thetruthwins.com assinala que”. Porém, numa busca rápida no Google sobre o assunto + essas páginas citadas, não encontramos referências, a não ser textos publicados com a mesma notícia do Voz da Rússia.

    O assunto já está na mídia há algum tempo, em 2005, foi publicada uma notícia na National Geographyc (em inglês), com o título “Híbridos de animais e humanos provocam controvérsia”. A matéria fala sobre experimentos com animais e humanos e que as primeiras “quimeras” humano-animal criadas teriam sido feitas em 2003, através de cientistas chineses do Shanghai. Porém, nada chega perto ao que sugere o texto do hoax e as imagens.

    Concluímos que, através das pesquisas divulgadas, realmente não existem os supostos híbridos entre humanos e animais, muito menos os das imagens reproduzidas no falso texto. Esse tipo de informação trata-se mais de uma suposição que assusta as pessoas, é claro, quem não se assustaria com uma meia-mulher, meio-porco, meio-cão, no meio de nós?! Mas a ciência ainda não está criando isso (ou pelo menos divulgando), e por enquanto, podemos ficar tranquilos. Ufa!


    Cientistas pedem limite para experimentos híbridos entre animais e humanos

    hibri3


    Humanizar animais em nome da ciência pode fornecer informações valiosas sobre a forma de funcionamento do corpo humano e até trazer solução para doenças. Mas o limite para isso nem sempre é bem delineado; agora, pesquisadores dizem que regras claras precisam ser estabelecidas em pesquisas que criam híbridos de animais e humanos. Cenários extremos, como a inserção de células cerebrais em primatas para criar macacos falantes, pode parecer ficção científica, mas pesquisadores de todo o mundo parecem estar cada vez mais à beira de limites como esse.

    Cientistas chineses já introduziram células-tronco em fetos de cabras e pesquisadores americanos têm estudado a hipótese de criar um rato com células de cérebro humano. Fatos como esses estão sendo contestados pela Academia de Ciências Médicas da Grã-Bretanha, que está pedindo uma maior fiscalização e regras mais estritas para as pesquisas híbridas de animais e humanos.

    A criação de animais com traços humanos não é nova, e nem sempre é prejudicial. Camundongos geneticamente modificados são prova disso. Graças a esses animais, contendo DNA humano, novas drogas contra doenças como o câncer estão sendo desenvolvidas.

    O problema, para o professor de genética britânico Martin Bobrow, é quando Frankesteins começam a ser criados, com aspectos singularmente humanos, como pele, formato de rosto e fala. Por isso, segundo Bobrow, outros países devem seguir o mesmo caminho de fiscalização e regulação, abordando as preocupações com o público. Animais humanizados têm desempenhado um papel fundamental em diversas áreas, como no tratamento da infertilidade e da Síndrome de Down. Uma pesquisa de opinião pública mostrou que a maioria das pessoas é a favor de pesquisas em animais contendo material humano, se ela for conduzida para melhorias na saúde.

    Mas há sérias preocupações com experimentos que envolvam o cérebro e possíveis fertilizações de óvulos humanos com espermas de outros animais. Afinal, encontrar um papagaio que diz “quem é esse menino bonito?” é uma coisa; ver um macaco falando é outra, bem diferente – e assustadora.


    Fábrica de quimeras embriões híbridos entram em linha de produção

    hibri4


    Na Inglaterra, sinal verde do governo para a produção de embriões feitos com material genético humano e de animais. Servirão para se obter células-tronco necessárias à cura de doençasNa mitologia grega, a quimera era um ser monstruoso, com cabeça de leão, corpo de cabra e rabo de dragão. No mundo também fantástico da engenharia genética, usa-se o mesmo termo - quimera - para indicar um indivíduo composto de diversos genomas. Um ser cujo DNA possui seqüências provenientes de mais de uma espécie.

    Em Londres, dia 5 de setembro, a quimera genética se tornou realidade. Depois de muita polêmica, discussões e inclusive uma consulta à população, as autoridades inglesas autorizaram a criação de embriões híbridos humano-animais para utilização científica na busca da cura de diversas doenças. Em princípio, os seres que nascerão dessas experiências terão pouco ou nada a ver com a quimera mitológica.

    Mais de 60% dos ingleses se declararam A FAVOR das EXPERIÊNCIAS realizadas com embriões HÍBRIDOS. Ian Wilmut, o "pai" de Dolly, a primeira ovelha clonada. Cientistas de dois supercentros britânicos especializados em pesquisa de engenharia genética - o King's College de Londres e a Universidade de Newcastle - se limitarão a produzir "embriões híbridos" removendo o núcleo do óvulo de uma coelha ou de uma vaca e substituindo-o com o núcleo de uma célula humana. Entre esses pesquisadores está Ian Wilmut, o "pai" de Dolly, a primeira ovelha clonada.

    O resultado será um embrião com 99% dos genes tomados do doador humano e apenas 1% do animal. Mas, para seus opositores - sobretudo para as autoridades católicas -, o significado da experiência não se altera: trata-se de "algo absurdo, inútil, utópico", que se torna realidade. Um conúbio sacrílego e imoral entre o homem e a besta.
    Uma idéia que lembra a criação de horrendos Frankensteins surgidos em provetas de laboratórios. A abertura de uma porta que conduzirá a alucinantes experiências contra a natureza.

    A fala do Vaticano, expressa pela voz de monsenhor Elio Sgreccia - presidente da Academia Pontifícia para a Vida - no próprio dia em que a notícia foi lançada, não deixa margem a dúvidas: "Trata-se de um ato monstruoso contra a dignidade humana, uma rendição do governo britânico às pressões de um grupo de cientistas que vai certamente contra a moral." Mas 61% dos ingleses consultados em pesquisa pela Authority se declararam a favor dessas experiências com embriões híbridos, considerando que seu potencial positivo é maior que o negativo.

    Como a ciência faz uma quimera? Há vários processos. Um modo relativamente simples, hoje muito usado no campo farmacêutico, consiste em inserir numa bactéria um ou mais genes provenientes de um outro organismo, permitindo àquela bactéria produzir determinadas substâncias úteis para o ser humano. A insulina, por exemplo, necessária para o tratamento da diabete, até há poucas décadas era extraída do pâncreas de vacas, cavalos ou porcos.

    Hoje em dia, ela é produzida por bactérias modificadas em laboratório, inserindo-se nelas o gene que contém os códigos para a produção de insulina humana. Na Inglaterra, sinal verde do governo para a produção de embriões feitos com material genético humano e de animais. Servirão para se obter células-tronco necessárias à cura de doenças.Com procedimentos mais complexos, inserindo-se genes humanos no genoma de animais de laboratório, como porquinhos-da-índia, coelhos, ovelhas, cabras e porcos, é possível se produzir proteínas humanas (como o hormônio do crescimento) com finalidades terapêuticas, poe meio do leite ou do soro sangüíneo, da urina ou do esperma do animal doador.

    Num nível mais simples, nos anos 60 foi largamente usado na Inglaterra um teste de fertilidade masculina que consistia na fecundação de células-óvulo de hamsteres com espermatozóides humanos: o teste era interrompido quando o zigoto (a célula resultante da fusão) começava a se reproduzir. DÚVIDAS permanecem a respeito do valor dessa SOLUÇÃO, mas elas não poderão ser resolvidas sem a devida EXPERIMENTAÇÃO Num extremo oposto em termos de complexidade, é possível fundir não os gametas (as células reprodutivas), mas sim os zigotos de indivíduos pertencentes a espécies diferentes. Foi dessa maneira que, em 1984, foi produzida uma "cabrovelha" que combinava os embriões de uma cabra e de uma ovelha. Com técnicas análogas, espera-se no futuro poder salvar algumas espécies da extinção.

    Em 2003, CIENTISTAS chineses anunciaram ter conseguido produzir, em Xangai, híbridos de células humanas e de coelho. Isso foi feito inserindo- se o núcleo de células somáticas humanas no interior de células-óvulo de coelha destituídas de seu próprio núcleo, e deixando que a célula resultante se desenvolvesse até o estágio de blastócito (um dos primeiros estágios do desenvolvimento embrionário), ou seja, até a formação de um aglomerado de células que seriam depois utilizadas para a pesquisa das células-tronco.

    Além de ser condenada pelo bom senso, a produção de embriões que representem um híbrido real entre o homem e um animal é universalmente proibida pelas leis - nos países onde já existem leis a respeito. Mas, de outro lado, a pesquisa médica hoje precisa trabalhar com células-tronco, que são aquelas encontradas nos embriões que ainda estão em seus primeiríssimos estágios de desenvolvimento. O potencial dessas células é imenso, já que elas são capazes de gerar tecidos e órgãos vitais. Dessa novíssima fronteira da pesquisa científica poderá surgir não apenas uma nova compreensão sobre o modo como pode nascer um organismo inteiro a partir de uma única célula, mas também várias outras vantagens para a medicina. A possibilidade, por exemplo, de reconstruir em laboratório tecidos danificados, ou de fazer crescer órgãos inteiros no corpo de um animal hospedeiro ou de compreender os mecanismos de doenças degenerativas que impedem um funcionamento correto das células, de modo a se criar fármacos capazes de combatê-las.

    Mas, para se alcançar tudo isso, será mesmo necessário criar embriões humanos transgênicos, embriões-quimera que poderão, pelo menos em teoria, dar origem a toda uma geração de monstruosos seres híbridos? A pergunta é cabível, já que, na Inglaterra, os primeiros passos nesse sentido já foram dados com o apoio das agências oficiais de controle. A aprovação da HFEA - Human Fertilization and Embriology Authority (http://www.hfea.gov.uk) para esse tipo de pesquisa é bem precisa e reflete, de certo modo, as preocupações morais dos cientistas. Ela autoriza apenas a produção de linhas celulares que utilizam o núcleo de uma célula somática humana e uma célula-óvulo bovina ou de outro animal privada do próprio núcleo.

    A célula resultante é ativada com estímulos elétricos para que inicie o processo de reprodução. Das linhas celulares que ela gerará serão obtidas as várias células que serão utilizadas com fins de pesquisa científica. Com esse método, seria praticamente impossível obter-se um embrião que dê origem a um indivíduo (neste caso, uma espécie de minotauro), porque as células assim obtidas não têm o potencial para fazê-lo. Mas, no futuro, com o desenvolvimento dessa tecnologia, quem sabe?

    Dúvidas permanecem a respeito do valor real dessa solução, mas, como afirma a maioria dos cientistas que opinaram a respeito, elas não poderão ser resolvidas sem a devida experimentação. Entre os objetivos principais está o da descoberta de novos métodos para a produção de células-tronco diretamente a partir de células somáticas, sem a necessidade de se recorrer a óvulos ou a embriões humanos. E, como um outro objetivo de igual importância, o desenvolvimento de modelos de doenças degenerativas da célula, como os distúrbios motores de origem neuronal, diabete, Mal de Parkinson, Alzheimer, bem como a criação de terapias que permitam o seu tratamento. A fábrica de quimeras, portanto, está aberta. Sua língua oficial é o inglês.


    O Alerta de Alex Jones


    Alexander Emerick Jones (11 de fevereiro de 1974) é um cineasta e apresentador de rádio americano. Seu programa "The Alex Jones Show" é transmitido através de cerca de 60 estações de rádio AM, FM por todo os Estados Unidos e na Internet. Ele é um famoso teórico da conspiração.

    "Meus amigos, eu estou aqui para visar vocês. Eu estou aqui para alertar vocês a respeito da maior ameaça a nossa espécie e a nossa civilização, neste planeta. Apenas nos últimos 100 anos, a humanidade aumentou seu conhecimento tecnológico e científico e milhares e milhares de vezes em relação ao que era antes. Mas nós ainda somos a mesma espécie de antigamente. Capazes de realizar façanhas magníficas, como também outras horripilantes. Eu quero falar a você sobre a maior ameaça à civilização humana e à socieade de hoje. Agora mesmo, o código genético da biosfera deste planeta está sendo mudado de forma definitiva. E isto se chama Engenharia Genética.

    Eu amo ciência e tecnologia, Eu sei que se trata de algo neutro, que o homem pode usar tanto para o bem quanto para o mal. Mas, isto dito, os controladores e arquitetos de nossa sociedade, por mais de 100 anos, tem acreditado que, se puderem descobrir os segredos da vida - DNA, que dai eles terão a chave para a imortalidade. E agora você vê todos os artigos de jornais nos quais eles se gabam sobre isso. E a elite diz:"Nós não precisamos mais de uma população gigante para operar nossos sistemas tecnológicos. Agora estamos introduzindo a era robótica, na qual os aviões militeres serão pilotados por controle remoto no qual robôs de combate é que vão lutar nas guerras, na qual a produção industrial será conduzida e executada por sistemas não-biológicos. Por isso exsite uma corrida armamentista em andamento agora. E uma corrida tecnológica também que estão envolvidas com Engenharia Genética.

    E recentemente, a Agência de Controle de Alimentos e Medicamentos (FDA) pôs em prática novas políticas que autorizam empresas de engenharia genética prodominantemente grandes empresas do setor agrícola, a lançar no mercado qualquer organismo geneticamente modificado (transgênicos) que elas esejarem semnem mesmo consultar o público. Agora analisando isto, não se trata apenas de grama ou pasto transgênico que consome menos água, não se trata apenas de tomates transgênicos, que duram mais na prateleira. Todos os engenheiros genéticos com os quais conversei, que trabalharam para estas mega-empresas, disseram que nos diferentes estudos, seja para batatas, arroz ou qualquer tipo de transgênico, foram descobertos efeitos colaterais de redução de fertilidade de roedores. De ratos, de camundongos e de porquinhos-da-india que foram testados.

    Jeffrey M.Smith: "Aqueles que comeram a soja geneticamente modificada, não apresentam estres problemas na primeira geração. A segunda geração teve o seu crescimento retardado e alcançava a maturidade sexual mais tarde do que o normal. Mais na terceira geração quase todos os adultos perderam a habilidade de ter filhos"

    E mais tarde, em estudo com primatas, macacos e outros símios, a mesma coisa aconteceu. E, juntamnte com as características que foram divulgadas ao público, para as quais estes organismos foram desenvolvidos, há outras características que estão sendo desenvolvidas secretamente, como se fossem um Cavalo de Troia, que causam mudanças biológicas no corpo. Que aumentam a incidencia de câncer. Que reduzem a fertiliade. E estas mudanças estão bem mais avançadas do que foi contato para o público. A informação está disponível, mas este não é um assunto que chama a atenção da mídia. E, mesmo quando eu tenho as reportagens e as divulgo, eu recebo e-mails que dizem que eu sou mentiroso.

    Eu nunca vou esquecer o que aconteceu anos atrás, quando cobri reportagens sobre cabras-aranha. Parte cabra, parte aranha, que produzem matéria-prima para armaduras através de suas glândulas mamárias. Que poderia então ser usada com um produto industrial. Em componentes especiais. Esta é a verdadeira força da vida do planeta, os tijolos de construção do planeta, que estão sendo embaralhadas. E as pessoas ligavam para mim e não conseguiam acreditar. Ainda hoje vejo reportagens sobre cabras-aranha e salmão sendo misturados comoutros insetos e animais. Que, após 40 gerações irá extinguir o salmão natural que existe no oceano, de acordo com estudos de universidades. E as pessoas parecem não se importar.

    Estão nos alimentando com essa coisa, Plantações de transgênicos tem infectado outras plantações, como também outras plantas, que estão crescendo naturalmente. E que foram desenvolvidas através de hibridização. Quando há um desastre nuclear, que aumenta a incidência de câncer e causa um monte de doenaçs, essas condições tendem a se dissipar com o passar do tempo. Mas em relação a organismos modificados genteicamente, as modificações não vão embora. E se misturam com outras espécies. E é a respeito disto que eu estou aqui para falar com você. Qual é a maior ameaça à nossa espécie? É engenharia genética não ficalizada e fora de controle, sendo produzida por milhares de companhias em dezenas de milhares de laboratórios por todo o mundo. Eu me lembro de ver no Washington Post, uns 7 ou 8 anos atrás, apenas uma pequena nota num artigo na seção de ciências, no qual eles admitiam que na Costa Rica há clones animais/humanos sendo gerados em grande número.

    E sim, meus amigos, vocês me ouviram bem. De fato, se vocês pesquisarem reportagens da BBC de mais de uma década, eles admitiam que não estavam apenas cloando humanos, mas que também os estavam cruzando, em um dos casos, com genética bovina, de forma que a vaca não rejeitasse o feto humano crescendo no interior de seu útero. Por que eles estão fazendo isso? Eles estão desenvolvendo o feto até a idade próxima do parto declaradamente, e isto é algo que já sabemos de forma que os órgãos possam ser extraídos. Você tem o seu clone produzido com genética de vaca dentro dele, desenvolvida dentro dela até próximo ao período em que você precisará de seu transpolante de fígado ou de rim, ou de sua transfusão de sangue, seja qual for o caso. Daí seuclone será retirado do útero da vaca, ou dos úteros artificiais que eles tem desenvolvido, para que seus órgãos sejam extraídos e você tenha uma vida mais longa.

    E a questão é que precisamos ter um debate sobre isso. As pessoas veem isso como ficção científica, porque aparecia nos filmes dos anos 1950, 60 e 70, como em "A Ilha do Dr Moreau", que foi escrita muitas décadas antes de tudo isso acontecer. Por isso as pessoas foram pré-condicionadas de que isto é fantasia, e que não existe. isto é muito real. E eu sabia que iria falar sobre este tema de novo, porque durante esta semana eu vi no noticiário asutraliano: "Híbrido animal-humano criado a despeito de alertas de "Frankesntein". Cientistas no Reino Unido declaradamente criaram mais de 150 embriões de híbridos animais-humanos em experimentos de laboratório secretos e polêmicos, que se difundiam por 3 anos."

    E tem outra reportagem aqui, no Daily Mail, que também abordou este tema. Um monte de coisas me preocupa e tomara que preocupe a você também, em relação a tudo isso. Uma questão é a mídia. Todas as vezes que eu vi isto sendo coberto pela mídia pelos últimos 15 anos, diziam quase sempre que era a primeira vez que este assunto estava sendo divulgado e sempre diziam que isto estava ja estava acontecendo há 3 ou 4 anos. Bem, a primeira vez que vi a confirmação de que clones humanos foram criados, mas que foram mortos antes do nascimento, foi na BBC em 1995 ou 96, vá pesquisar. E vi de novo em 1997, 98 e 99. Eu vi em publicações científicas. E na China, eles adotaram totalmente este sistema. Eles não criam apenas clones animais-humanos. Que parecem humanos. Eles também criam vacas que são parte humanas. Que produzem leite mesmo materno humano em seus ubres.

    Nos últimos 100 anos, governos começaram a desenvolver armas biológicas. O império japonês, Alemanha, Inglaterra, os Estados Unidos. França e muitos outros governos. E eles sempre concentraram as pesquisas em armas biológicas voltadas contra raças esepecíficas, que aniquilaria uma certa "raça de pessoas". Fossem negros, árabes ou judeus. Governos visaram todas elas. O problema com estas pesquisas é que eles descobriram que humanos são tão interconcetados, e que compartilham de tal forma sua genética, que isto torna esta tarefa impossível. Até agora. O perigo número 1 é que quando governos começam a desenvolver armas biológicas, primeiro tentam obter armas biológicas contra animais, como o vírus Ebola afetava macacos e outros símios, para depois transferi-las para humanos. E há evidência de que é isto o que aconteceu com o Ebola.

    Agora, os governos, em nome da "defesa", estão desenvolvendo Ebola transmitido por via aérea, que matará 99% daqueles entre nós que entrarem em contato com ele. Dai descobrimos que a elite dominante está obcecada em utilizar um Goveno Mundial como um mecanismo para empreender a exterminação metódica da população mundial. Cobrimos isto nomeu influente filme "Fim do Jogo: projeto para a escravização global". Grátis na web, no youtube. Por enqunto. Pois estamos sendo censurados cada vez mais. Por favor, distribua este filme para todo mundo que você conhecer.

    Então, temos genes de insetos répteis e outros animais sendo inseridos em peixes, os quais estão sendo soltos na natureza. Nós temos clones humanos, resultantes de cruzamentos entre espécies, se desenvolvendo dentro de vacas. Para que se possa extrair seus órgãos. Senhoras e Senhores, fala-se de direitos animais. O que dizer a respeito de direitos humanos? Eles estão misturando plantas e animais com humanos e isto pemitirá que doenças comuns a diferentes espécies espalhem-se mais facilmente pela população. Isto vai gerar vírus e outros microorganismos mutantes que poderiam criar pragas nunca vistas neste planeta. E há milhares de laboratórios diferentes pelo mundo desenvolvendo estes sistemas. Nós ja vimos evidência clara de que são os transgênicos que estão causando estas alergias inexplicáveis.

    São eles que estão destruindo nosso sistema imunológico. Cada vez mais, os governos estão se empenhando em não deixar que o público saiba quando está comendo comida transgênica. Eles estão vido com carne clonada, frango clonado, peixe clonado. E não apenas clones comuns. mas também provenientes do cruzamento entre diferentes espécies. Quando você ler as publicações da indústria, destas empresas de biotecnologia, emque se gabam das criaturas parte humanas, parte animais, que elas estão criando, verá que elas dizem que é essencial que isto eja feito desde já, para os clones não tenham direitos.

    Quando eles misturam um chimpanzé com um embrião humano, e brincam de ser Deus, eles alegam que estas pobres criaturas que eles criaram não tem direito algum. e escute atentamente o que vou dizer aqui: se isto tem acontecido faz 15 anos, e somente agora está sendo apresentado ao público, você pode imaginar o que tem acontecido em segredo nos laboratórios governamentais e de corporações privadas pelo mundo afora? E por isso que os arquitetos da globalização são tão arrogantes. ?Eles tem brincado de Deus faz muito tempo, eles tem separado os sucessos que tem obtido de seus estudos e os tem guardado para usarem para si mesmos, sob o pretexto de segurança nacional. Se a humanidade sobreviver, quando a história de nosso tempo for escrita, nossos descedentes vão se admirar pelo fato de termos sobrevivido. Eles vão se admirar da total imprudência da classe dominante. Do que eles estão fazendo.

    A incidência de câncer e diabetes dobraram desde a última década. Nós estamos sendo feitos de cobaias. Isto é umpesadelo imposto por tecnocratas psicopatas. Os mesmos governos e instituições corporativas que foram pegos vacinando crianças com poliomielite e sífilis ativas. Essa mesma gente foi pega financiando abortos obrigatórios na China. Eles estão empenhados em continuar com estas experiências insanas, pois estão numa corrida pela fonte da juventude. Ao mesmo tempo emque põe em risco toda a espécie humana no planeta durante este processo. Esta é a ameaça verdadeira. TERRORISMO ENCENADO não é ameaça. TIROTEIO EM MASSA não é uma ameaça. nem todas estas DISTRAÇÕES que eles usam para nos convencer de que precisamos do governo para tomar conta de nossas vidas. A ameaça real é este cartel de bancos globalistas que estão em controle dos métodos científicos e de quase todos os fundos para pesquisas do planeta que brincam de ser Deus. isso faz com que armas nucleares pareçam com brincadeira de criança. A classe dominante e psicopata está anunciando que tudo isto é inevitável. Que todos nós seremos engolidos nesse processo, basicamente. Que transumanismo, o qual foi planejado pelo eugenista Aldous Huxley, é o caminho do futuro, e que eles vão simplesmente fazer isso, e que nada mais importa.

    Eles jogam tudo isso na nossa cara, e nós não estamos nem fazendo um debate ou uma discussão sobre este assunto. Nós estamos sendo envenenados e manipulados por meio da comida, da água, tudo é admitido. Nós estamos sob ataque. Há uma revolução contra a humanidade livre, através da mentalidade eugenista dos globalistas. Eu sou Alex Jones. Direto das fronteiras da Guerra da Informação. Você foi avisado. Agora, por favor, avise os outros. Pergunte a si mesmo o que você está fazendo neste momento de grandes desafios! O que você esta fazendo para libertar mentes? "


    Híbridos de humanos e animais - A ficção dos filmes na vida real


    O Universo não é moradia apenas de Anunnakis e humanos. Existem inúmeras raças alienígenas vivendo em diversos tipos de “mundos” onde os átomos vibram numa freqüência maior ou menor, conhecidos por dimensões, que podem ser densas como a nossa 3D e mais sutis, dimensões “acima”. Algumas dessas raças alienígenas nos visitam constantemente e até firmaram acordos com governos da Terra. Desde 1936 ovnis foram recuperados na Alemanha e sua tecnologia utilizada, os alemães estavam anos a frente em termos de tecnologia nessa época. Desde então acordos foram feitos também entre outros governos. O “acordo” tratava da troca de tecnologia que eles forneceriam para nós, e nós deveríamos “ignorar” as abduções e esconder os fatos. As pessoas envolvidas nesse acordo ficaram conhecidas mais tarde como MJ-12, um grupo com os mais altos cientistas e militares estabelecidos pelo presidente Truman em 1947.

    Em 1897, um veículo motorizado com três rodas chamado Lanchester foi construído, o primeiro carro que possuía um motor à gasolina e depois outros modelos foram surgindo. A humanidade viveu às escuras na Idade Média, sem avanços rápidos em tecnologia e em menos de 100 anos o homem deixou de andar no lombo do cavalo para andar no lombo de um foguete e chegar à lua. E desde então, o progresso tecnológico não para, é impossível se manter atualizado quando se fala em tecnologia, o que era ficção científica agora é pura realidade. Dr. Hermann Oberth, um dos pais fundadores dos foguetes e astronáutica numa conferência declarou:

    "Nós não podemos tomar o crédito para no nosso avanço recorde em determinadas áreas científicas sozinho, temos sido ajudados por pessoas de outros mundos." Os avanços estão em ritmos tão acelerado que o que hora era ficção científica já é realidade consumada. Essa semana a Academia de Ciências Médicas da Grã-Bretanha pediu ao governo que estipule regras mais estritas paras as pesquisas médicas envolvendo animais. O grupo teme que experimentos envolvendo transplante de células acabem criando anomalias, como macacos com a capacidade de pensar e falar como os humanos. E a seguinte notícia também dessa semana do Daily Mail confirma a realidade consumada:

    Cientistas criaram mais de 150 embriões híbridos de humanos e animais em laboratórios britânicos. Os híbridos foram produzidos secretamente nos últimos três anos por pesquisadores investigando possíveis curas para uma série de doenças. Na noite passada, um militante contra os excessos da pesquisa médica disse que estava enojado com o fato de que os cientistas estavam “se interessando pelo grotesco”. Os embriões “misturados” contendo tanto material genético humano quanto animal, foram criados desde a introdução da Lei de Embriologia e Fertilização Humana, em 2008, a qual legalizou a criação de uma variedade de híbridos, incluindo um óvulo animal fertilizado por um espermatozoide humano; “citoplasma híbrido”, em que um núcleo humano é implantado em uma célula animal, essa mistura é chamada de quimera.

    Os cientistas dizem que as técnicas podem ser usadas para desenvolver células-tronco embrionárias, que podem ser usadas para tratar uma série de doenças incuráveis, o que cientistas nenhum conseguiu justificar eticamente. Josephine Quintavalle, do grupo pró-vida ‘Comment on Reproductive Ethics’, disse:
    “Estou horrorizada que isso está acontecendo e nós não sabíamos nada a respeito. ‘Por que eles mantiveram esse segredo? Se eles estão orgulhosos do que estão fazendo, por que precisamos fazer perguntas parlamentares para que isso venha à luz?’ “O problema com muitos cientistas é que eles querem fazer as coisas porque querem experimentar. Isso não é uma razão boa o suficiente. ”

    Atualmente todos os laboratórios que obtinham licença, pararam de criar embriões híbridos (Eu duvido!), devido à falta de financiamento, mas os cientistas acreditam que haverá mais desse trabalho no futuro. Híbridos humano-animal também são criados em outros países, muitos dos quais têm pouca ou nenhuma regulamentação.


    Lei prevê embrião híbrido humano-animal


    17/05/2007 - O governo britânico apresentou hoje um projeto de lei que autoriza pela primeira vez o uso de embriões híbridos de humanos e animais para fins de pesquisa. Em virtude dessa iniciativa legal, que ainda deverá passar pelos trâmites parlamentares, os cientistas poderão criar embriões que seriam 99,9% humanos, mas com uma fração de genes de animais. O DNA animal estaria presente apenas nas mitocôndrias, as usinas de energia das células. Já o núcleo das células embrionárias terá material genético totalmente humano.

    O governo de Londres, assim, volta atrás em sua oposição inicial à criação artificial desse tipo de organismo. Cientistas e grupos de pacientes tinham pedido uma mudança de postura nessa questão por considerar que a proibição prejudicava os esforços para desenvolver técnicas eficazes para o tratamento de doenças degenerativas hoje incuráveis. No entanto, por lei, um embrião desse tipo poderá crescer apenas por 14 dias e não poderá ser implantado em um útero, para evitar a criação de híbridos.

    Os embriões criados com óvulos de coelhos ou vacas e material genético humano fornecido por doadores podem representar uma reserva importante de células-tronco para a pesquisa de doenças e novos tratamentos. Duas equipes de cientistas, baseadas em Londres e Newcastle, já pediram autorização para criar embriões híbridos de humanos e animais com esse fim.


    Ética: híbrido entre humano e chimpanzé "mudará tudo"


    02/02/2009 - O cientista Richard Dawkins não esteve com meias medidas. Para ele se há algo que pode mudar as concepções que a sociedade tem sobre o homem – que estão na base de muitas discussões éticas sobre temas como o aborto ou a eutanásia – é a “hibridação com sucesso entre um humano e um chimpanzé”. O autor do livro "O gene egoísta" foi um dos criativos e pensadores que respondeu ao repto que a Edge.org lançou para o ar fresco de 2009: “What will change everything?” (O que é que mudará tudo?).

    Desde 1989 que a Edge.org se propõe a juntar pensadores de todas as áreas para criar um espaço que produza ideias inovadoras.

    Dawkins, autor dos livros “O gene egoísta” e “A desilusão de Deus”, foi provocador na sua resposta. “A nossa ética e as nossas políticas assumem, na sua maioria sem questionarem ou sem discutirem seriamente o tema, que a divisão entre o humano e o ‘animal’ é absoluta”, começa o cientista, para quem é este pensamento que está na base de políticas pró-vida que rejeitam o aborto e a eutanásia.

    “Nas mentes de muitas pessoas, o zigoto humano [a célula que resulta da fusão de um óvulo e de um espermatozóide], que não tem sistema nervoso e não pode sofrer, é infinitamente sagrado somente por ser humano. Mais nenhuma célula tem um status tão nobre”, disse o cientista, citado pelo The Guardian.

    Quebrar a barreira da espécie

    Segundo Dawkins, se houvesse um Paraíso com todos os animais que já viveram, o reflexo da evolução mostraria um continuo de animais que permitiria ligar-nos em rede, através da reprodução, tanto a um chimpanzé, como a um canguru ou a um peixe-gato.

    Apesar de em teoria o cientista defender que as pessoas percebem este raciocínio, “o que mudaria seria uma demonstração prática”. Dawkins dá quatro exemplos do que poderiam ser estas demonstrações: a descoberta de uma população de hominídeos vivos algures na Terra (o investigador não acredita nesta possibilidade), a hibridação com sucesso entre um humano e um chimpanzé, a produção de uma quimera com células de chimpanzé e de humano e a produção, através de engenharia genética, de um ser com ADN das duas espécies.

    Referindo-se ao híbrido, o investigador explicou que, “mesmo que fosse infértil, as ondas de choque que iriam ser propagadas pela sociedade seriam de salutar. É por isto que biólogos iminentes descreveram esta possibilidade como a experiência científica mais imoral que se pode imaginar: porque mudaria tudo!”. Mas as quimeras e a produção de um ser com ADN das duas espécies também seriam motivos de mudança. “Quão humana terá que ser uma quimera antes de haver regras de investigação mais restritivas?”, avança Dawkins. Em relação ao ser fabricado por engenharia genética, o investigador defende que através do conhecimento do genoma humano e do chimpanzé pode chegar-se a genomas intermédios de um ancestral comum das duas espécies. “O genoma intermédio entre este ‘ancestral’ reconstituído e um homem moderno, poderia, se fosse implantado num embrião, desenvolver-se no que seria um austrolopiteco renascido”, sugeriu o escritor.

    Dawkins salvaguarda-se: “Eu não disse que espero que alguma destas possibilidades se realize. Para isso era necessário reflectir mais.” Mas o autor admite que há um grau de excitação sempre que se é forçado “a questionar o que até agora é inquestionável.”


    Os híbridos de cães e lobos não são bons animais de estimação


    Embora os animais selvagens podem ser amorosos nos primeiros meses de vida, tendem a ser cada vez menos os companheiros adequados para os seres humanos quando amadurecem. As características que ajudaram estas espécies à sobreviver ao longo dos milênios, raramente são desejáveis na vida em cativeiro. Em qualquer caso, isto é tão evidente como no caso dos híbridos de cão e lobo. Embora os híbridos de cão e lobo são muito comuns puxando trenós no Alasca, isso só foi possível na última década. Para esse trabalho, a prática de cruzes entre cães e lobos se espalhou em outras partes do país.

    “Alguns acreditam que estes podem ser um tipo de cão de guarda silencioso, o que é completamente errado”, disse Randall Lockwood, um estudante do comportamento animal e vice-presidente de iniciativas de formação da Humane Society dos Estados Unidos . “Esses animais são muito diferentes de um cão. Empregamos pelo menos 12.000 anos para fazer um animal selvagem como o lobo se adaptar bem à sociedade humana”, diz Lockwood.

    Características selvagens do lobo

    Mesmo os cães mas grandes possuem dentes menores que os lobos, e geralmente obedecem à uma pessoa, seu dono ou proprietário e não outro cão. Enquanto os lobos vagam por grandes territórios em busca de comida, os cães foram criados para ficar mais perto de casa. Além de reproduzir características dos lobos nos cães, acabaram criando uma espécie de cão de guarda agressivo e territorial que esta ausente em seus primos selvagens. “Normalmente você tem um animal que é um pouco maior do que qualquer lobo ou cão, que está programado para viajar quilômetros e quilômetros todos os dias, e que agora são obrigados a viver acorrentados detrás de uma casa ou caravana” disse Lockwood.

    Os híbridos causam vários problemas

    Lockwood, que tem estudado os problemas de lobos híbridos em todo o país, diz que estes animais são menos agressivos com as pessoas, só que causam outros tipos problemas que muitas vezes acabam abandonando esses animais. “Eles se entediam facilmente, são muito fortes e quase sempre fogem, acabam ferindo a si próprios ou à outros.” Lockwood diz. “Eles perseguem os cães dos vizinhos, saltam cercas e são atropelados por carros, saltam janelas e roubam comida de sua casa.”

    Se os lobos são híbridos muitas vezes uma decepção para seus donos, são uma ameaça real para a população de lobos selvagens. Exterminados durante a maior parte do país por décadas, os lobos estão começando a voltar, graças aos esforços de certos grupos para a recuperação de animais selvagens e de uma mudança gradual na opinião pública em favor dos habitats naturais . Um pequeno número de lobos migraram do Canadá para áreas remotas de Minnesota e Montana, e um esforço de reintegração saudáveis de populações de lobos em áreas remotas do Idaho e perto do Parque Nacional de Yellowstone, em Wyoming e Montana.

    Os proprietários podem causar danos à reintegração

    Proprietários de lobos híbridos, com frequência entre os mais fortes defensores de projetos de reintrodução de lobos, podem causar danos a estes, em vez de promover sua causa. Os proprietários que desistem de seus híbridos e abandonam nas florestas ou em áreas habitadas por lobos, causam danos ainda piores à população selvagem. Para quem deseja ter algo selvagem, Lockwood tem um conselho simples: “Se você quiser ter um lobo híbrido ou um lobo, porque você quer ajudá-los, faz um donativo com o dinheiro que vai gastar para comprar-lo, para um dos grupos de trabalho para a recuperação do lobo “.

    Fonte: http://portuguese.ruvr.ru/
    http://boatos.org/
    http://hypescience.com/
    [Reuters]
    http://revistaplaneta.terra.com.br/
    http://evoluindo-sempre.blogspot.com.br/
    http://pt.wikipedia.org
    http://g1.globo.com/
    http://www.publico.pt/
    http://www.bulhufas.com/

     

    Translate

    ptenfrdeitrues