A lenda chinesa dos nove Dragões

    dralen1Saudações amigos e amigas. Hoje falaremos um pouco sobre a mitologia chinesa. Como todos sabem a China é um país repleto de lendas e com uma rica mitologia. Algumas dessas curiosas crenças podem parecer estranhas aos olhos ocidentais, sobretudo a adoração que existe em torno de certos símbolos, como, por exemplo, o Dragão, que será o tema da postagem abaixo. Convido a todos a conhecerem um pouco mais sobre a Lenda dos Nove Dragões Chineses e sua relação com o mito do Deus criador (mais abaixo tem um link que leva a um texto sobre o mito desse Deus criador, que é um dos mais belos mitos sobre a criação do mundo que eu conheço). Segundo a mitologia chinesa, dragão foi ...

    um dos quatros animais convocados pelo deus da criação Pan Ku, também chamado Pan Gu, para participar na criação do mundo. Este animal místico é representado por ter olhos de tigre, corpo de serpente, garras de águia, chifre de veado, orelhas de boi e bigodes de carpa. O número 9 é considerado um número de sorte na China representado o maior dígito de unidade, como tal é frequentemente associado às crenças mitológicas. A Lenda dos Nove Dragões baseia-se nos nove tipos de dragões existentes e nos nove filhos do rei dragão.

    Nove tipos de dragões

    Tianlong (??: "Dragão Celestial")- O soberano dos dragões.

    Shenlong (??: "Dragão espiritual")- controla o tempo.

    Fucanglong (???: "Dragão dos Tesouros Escondidos") - guardião de metais preciosos e de jóias enterrados.

    Dilong (??: "Dragão da Terra") – controla as estações do ano.

    Yinglong (??: "Dragão Alado") - imortalização do imperador Huang em dragão.

    Leia também - Star Trek: uma história de liderança, amizade, diversidade e amor pela vida

    Jiaolong (??: "Dragão Chifrudo") – simboliza força.

    Panlong (??: "Dragão Espiralado") - habita nos lagos do Oriente.

    Huanglong (??: "Dragão Amarelo") - símbolo de sabedoria, este dragão é representado sem chifre.

    Rei Dragão (??: "Dragão Majestoso") - segundo a mitologia existem 4 dragões majestosos que governam os quatro mares: do leste, do sul, do oeste, e do norte.

    Os nove filhos do dragão

    Bixi (??), semelhante a uma tartaruga gigante e forte. É frequentemente usado como base nas esculturas ornamentais.

    Chiwen (?? ou ??), semelhante a uma besta e dotado de boa visão, como tal é frequentemente decorado nos telhados.

    Pulao (??), é um dragão pequeno e barulhento. É usado como decoração nos sinos.

    Bi'an (??), semelhante a um tigre e bastante poderoso. É esculpido portas da prisão para amedrontar os prisioneiros.

    Taotie (??), simboliza a gula e é usado como decoração na alimentação.

    Qiuniu (??), símbolo de música e é esculpido nos instrumentos musicais tais como as harpas chinesas (??).

    Yazi (?? ou ??), que gosta de matar, e é encontrado em espadas e em facas.

    Suanni (??), semelhante a um leão e tem uma afinidade com o fogo de artifício. É geralmente representado nos dias festivos.

    Jiaotu (??), semelhante a uma concha e detesta ser perturbado. É esculpido na porta dianteira ou no degrau da porta.

    Também existem lugares com o nome de Nove Dragões como por exemplo Kowloon (nove dragões em cantonês), em Hong Kong ou Kulong em Mekong no Vietname cada um com a sua lenda. No caso de Hong Kong, Kowloon é conhecido pelas nove colinas que acreditam ser os nove dragões formando uma paisagem única.

    O que representa as cores dos Dragões

    Azul: Augúrio do Verão

    Vermelho e Negro: Dragões destas cores eram bestas ferozes cujas lutas causavam tempestades e outros desastres naturais.

    Amarelo: Estes eram os mais afortunados e favoráveis dos dragões, não podiam ser domados, capturados ou mesmo mortos. Apenas apareciam em tempos apropriados e somente se houvesse uma perfeição à ser encontrada.

     

    Mitologia chinesa: Pan Gu e a criação do mundo

     

    Olá meus caros e queridos Atormentados...O texto abaixo fala de um conto da mitologia chinesa, a respeito da criação do mundo em que vivemos. O texto foi retirado do livro "Mitologia chinesa: mitologia primitiva: quatro mil anos de história através das lendas e mitos chineses." escrito por Antonio Daniel Abreu. Bem eu estou lendo esse livro, e se eu encontrar mais algumas lendas interessantes, eu pretendo postá-las aqui...A leitura poderá demorar um pouco, afinal me encontro em meio as provas de final de semestre na faculdade...

    O mundo veio de uma bola cósmica, envolta em trevas, flutuando no universo. Dentro da bola, havia um espírito. O espírito foi-se desenvolvendo em silêncio, no seu interior, ninguém sabe por quantos anos, até que finalmente esse novo espírito, chamado Pan Gu, nasceu. Pan Gu vivia dentro da bola, com os olhos meio fechados, absorvendo a nutrição da bola, dormindo tranquilamente.

    Milhões de anos se passaram assim, Pan Gu cresceu e virou um gigante. Um dia, ele abriu totalmente os olhos. Mas porque se encontrava em total escuridão, Pan Gu não conseguiu ver nada. Ele pensou que o negrume em frente dos olhos fosse por que ele não tivesse acordado totalmente; limpou os olhos, mas mesmo assim não via nada. Limpou várias vezes os olhos, mas em frente dele existia somente uma escuridão sem fim. Ele ficou bravo, pulando e gritando, pedindo pela luz, batendo na bola para quebrar o mundo escuro.

    Leia também - A Lenda da Kuchisake Onna

    Pan Gu ficava pulando e gritando, ninguém sabe por quantos anos; finalmente, seus gritos e todo o barulho que fez atravessaram a bola e chegaram aos ouvidos do Imperador de Jade no céu. Ao ouvir o barulho, o Imperador de Jade ficou muito feliz. Ele pegou um machado que tinha ao seu lado, e o jogou dentro da bola para Pan Gu.

    Pan Gu, pulando e gritando, de repente, viu um fio de luz quando o machado atravessou a bola. Ficando surpreendido, ele alcançou a mão para tocar a luz. Ao mesmo tempo, o machado chegou e caiu na sua mão. Sentindo que alguma coisa tinha caído na mão, ele deu uma olhada: era um machado. Mesmo não sabendo de onde veio o machado, ele ficou muito feliz e decidiu quebrar a escuridão com o machado.

    Com a primeira machadada, Pan Gu ouviu um barulho enorme, tão forte que pareceu quebrar tudo. Uma racha apareceu na bola, e uma luz brilhante veio de fora. Ele ficou tão alegre que por momentos, se deteve, exclamando sua emoção. Mas subitamente, viu que a racha ia-se fechando e a luz sumindo. Ele jogou o machado no chão e empurrou a parte de cima da bola para manter a racha, e a luz.

    Sabendo que, se desistisse, a bola fecharia de novo e ele perderia a luz, Pan Gu ficou sustentando a parte de cima com muita força. As juntas dos seus ossos começaram a estalar, Pan Gu estava crescendo. Todos os dias, ele crescia um Zhang (medida chinesa, 1 Zhang = 3 metros), e a racha aumentava um Zhang. Muitos anos se passaram, Pan Gu chegou à altura de 18 milhas de Zhang, o mesmo acontecendo com a racha.

    Ao ver que os dois lados da racha ficaram suficientemente afastados um do outro, não podendo mais fechar, Pan Gu sentiu-se aliviado, e começou a dar uma olhada ao redor dele: a escuridão em cima tinha virado o céu, mudando a cor para azul claro; a escuridão, em baixo, mudou para terra grossa, de cor amarela-marrom. Olhando para o céu azul claro, tão grande que parecia não ter fim, e a terra amarela, grossa e ampla, Pan Gu sentiu-se muito alegre: a escuridão tinha-se retirado e a terra estava coberta pela claridade. Ele começou a rir.

    Ele riu tanto que, de repente, teve um colapso e seu grande corpo caiu no chão. Pan Gu havia morrido. Mas, na verdade, ele não morreu. Seu corpo brilhou e as partes da sua essência física começaram a se transformar.

    O seu olho esquerdo voou para o leste do céu, e virou o sol brilhante que ilumina tudo. O seu olho direito voou para o oeste do céu e virou a lua terna. A sua respiração transformou-se no vento da primavera que acorda a Vida e nas nuvens que flutuam no céu; a sua voz, no raio que ilumina as nuvens escuras com um trovão ensurdecedor. Seus cabelos e barba voaram em todos os sentidos e viraram florestas densas, ervas prósperas e flores coloridas. Seu suor atingiu o céu e virou estrelas brilhantes. Seus braços e pernas se estenderam e formaram montanhas. Suas veias tornaram-se caminhos serpenteando a terra, onde seu sangue fluiu, formando os rios. Seus dentes e ossos se espalharam e viraram metais brilhantes; jades brancos, pérolas cintilantes, ágatas lindas e tesouros abundantes. Da sua saliva, surgiu a chuva que umedece a terra.

    O que restava da vida em seu espírito virou lentamente em bichos, peixes, pássaros e insetos, e trouxe vitalidade para o mundo.

    Usando seu corpo e seu espírito, Pan Gu criou o mundo.

     

    Fontes: Site do Oriente
                 Kamy Blog
                 http://noitesinistra.blogspot.com.br/

    Translate

    ptenfrdeitrues

     

     

     Ajude a manter o site no ar.

     

    Curta O Arquivo no FacebookCurta O ARQUIVO no Facebook

    O Arquivo

    Sobre  |  Fale Conosco