Os efeitos assustadores da pornografia: como o vício agudo do século XXI está religando nossos cérebros

    porfiu111/11/2017 - No final dos anos 80, acredita-se que existiam apenas três tipos de pessoas usando a internet: funcionários públicos, acadêmicos e pessoas que procuravam pornografia. Presumivelmente, eles também não eram mutuamente exclusivos. São os alunos que devemos culpar ou agradecer. Desde o início, a 'internet' - então uma plataforma rudimentar enraizada em sistemas de boletins e protocolo de transferência de arquivos - estava sendo utilizada nos campi universitários dos Estados Unidos, tanto para fins de pesquisa quanto para o compartilhamento de imagens explícitas e protegidas por direitos autorais da pornografia indústria. Onde havia demanda, a oferta se seguiu e cresceu.

    Nos anos seguintes, os sites de sexo começaram a ser pioneiros em todos os desenvolvimentos tecnológicos, adotando textos e visuais antes de muitos outros setores, inovando o compartilhamento de arquivos e ganhando muito dinheiro. Em 1995, quando o empresário americano Gary Kremen (que é Kremen como 'Werder Bremen', não Kremen como 'sêmen') registrou o sex.com, a indústria já era uma força dominante. Hoje, acredita-se que o setor de pornografia on-line valha cerca de US $ 15 bilhões e atinge mais pessoas e jovens todos os anos. Em 2016, o relatório de análise de apenas um site, o Pornhub, revelou que seus vídeos foram assistidos 92 bilhões de vezes no ano passado, por 64 milhões de visitantes diários. Ele funciona em 12,5 vídeos para todas as pessoas no planeta e, se você tentar assistir a todas consecutivamente, não fique, você estará ocupado por 524.641 anos.

    É um relatório muito completo e fascinante. No ranking dos termos de pesquisa mais populares do site, 'lésbica' conquistou mais uma vez tudo, enquanto 'madrasta' conquistou o segundo lugar com 'MILF' e 'adolescente' pela primeira vez. Enquanto isso, por mais um ano, os usuários de pornografia nas Filipinas gastam mais tempo por visita, com duração de 12 minutos e 45 segundos em média. Aqui no Reino Unido, onde 'british chav' é o nono termo de pesquisa mais popular e os pedidos para a palavra 'giganta' aumentaram 354pc ao longo desses 12 meses, permanecemos por apenas 9 minutos 40. É um esforço mediano: melhor do que os franceses, pior que os australianos. Hoje marca o início da Semana de Saúde Sexual no Reino Unido, com um foco específico no papel da pornografia na sociedade do século XXI. Portanto, com a facilidade de acesso praticamente garantida e o apetite aparentemente incessante, que efeito a pornografia tem no cérebro dos usuários?

    Leia também - Os 14 Benefícios do Suco da Melancia Para Saúde

    Inegavelmente, o consumo pesado pode ter conseqüências claras, especialmente para aqueles que já estão inclinados ao comportamento sexual compulsivo. Em 2014, um estudo da Universidade de Cambridge descobriu que a pornografia desencadeia a atividade cerebral em viciados em sexo, da mesma forma que as drogas desencadeiam viciados em drogas.

    “Comportamentos compulsivos, incluindo assistir pornografia em excesso, comer demais e jogar, são cada vez mais comuns. Este estudo nos leva um passo adiante para descobrir por que continuamos repetindo comportamentos que sabemos que são potencialmente prejudiciais para nós ”, disse o Dr. John Williams, chefe de Neurociência e Saúde Mental do Wellcome Trust, que financiou a pesquisa. "Quer estejamos enfrentando a dependência sexual, abuso de substâncias ou distúrbios alimentares, saber qual a melhor forma e quando intervir para interromper o ciclo é um objetivo importante". Embora não fosse suficiente declarar a pornografia inerentemente viciante, o mesmo estudo estabeleceu uma correlação entre a atividade cerebral e a idade. Quanto mais jovem o usuário, maior a resposta neural à pornografia, potencialmente a longo prazo. No ano passado, verificou-se que 53% das crianças de 11 a 16 anos viram material explícito online em algum momento.

    Apreciar menos o sexo na vida real é talvez a consequência mais conhecida do excesso de consumo de pornografia e um problema bem compreendido no século XXI. Na década de 1980, os manifestantes anti-pornografia sempre argumentaram que transformaria homens em pragas monstruosas. Se alguma coisa, parece ter feito o oposto; não é incomum ouvir homens jovens tão acostumados a assistir pornô de qualquer tipo, sempre que quiserem, que o trabalho de fazer sexo real é visto como desnecessário. Depois, há um impacto fisiológico. Um estudo de 2015 realizado por pesquisadores da Universidade da Califórnia encontrou uma rara correlação positiva entre assistir pornografia e libido, mas o consenso está do lado oposto. No ano passado, por exemplo, especialistas do NHS observaram um aumento na disfunção erétil em homens jovens saudáveis ​​e pensaram que o uso excessivo de pornografia era o fator mais provável em jogo.

    “Esses jovens não têm doenças orgânicas [uma] primeira pergunta de avaliação que eu sempre faço agora é sobre pornografia e hábitos masturbatórios, porque essa pode ser a causa de seus problemas em manter uma ereção com um parceiro”, psicossexual a terapeuta Angela Gregory disse à BBC. Dado isso, talvez não seja surpresa que organizações como o NoFap - uma comunidade de suporte on-line para homens que tentam se abster de pornografia, sexo e masturbação - estejam crescendo cada vez mais em popularidade.

    Embora muitos argumentem que a força do pornô não importa, desde que seja puramente fantasia e consensual, é provável que até um consumo moderado altere fundamentalmente a maneira como a pessoa vê o sexo. Estudos confirmaram que o aumento da dopamina resultante da pornografia significa que os usuários precisam de uma sensação cada vez maior do sexo real, a fim de combinar com o que podem acessar com tanta facilidade.

    "Uma geração inteira está crescendo e acredita que o que você vê na pornografia hardcore é a maneira como você faz sexo", disse Cindy Gallop, uma executiva de publicidade, em sua palestra no TED de 2009 sobre o assunto. "Como a indústria pornô é dirigida por homens, financiada por homens, gerenciada por homens, dirigida por homens e direcionada a homens, a pornografia tende a apresentar uma visão de mundo: que é assim que é."

    Em 2009, a Gallop lançou o Make Love Not Porn, uma "revolução social do sexo" que fornece um contraponto aos vídeos predominantemente masculinos. Agora, o 'pornô feminista', projetado para repensar como as mulheres são apresentadas nos vídeos populares, está em ascensão. Os estudos geralmente concordam que a pornografia influencia a prática da vida real, em graus preocupantes. Um relatório de 2014 descobriu uma ligação entre assistir a um sexo desprotegido na tela e ter relações sexuais desprotegidas na vida real, por exemplo, enquanto o número de mulheres submetidas a uma 'labiaplasty' - um procedimento cirúrgico para reduzir o tamanho da vagina. abertura - aumentou quase 40% no ano passado nos EUA, e acredita-se que seja eleita por mulheres que desejam se parecer mais com as que costumam ter melhoras estéticas.

    A pornografia estava ligada à infidelidade em outro estudo, novamente americano, que descobriu que ver vários parceiros sexuais na tela fere sutilmente um relacionamento comprometido, convencendo o observador de que a grama será mais verde do outro lado, não importa o quanto você esteja feliz sua situação atual.

    Leia também - Como Construir uma casa com menos de R$ 3.000

    A condenação de Jamie Reynolds, que assassinou Georgina Williams, de 17 anos, em Shropshire, em 2013, levou o assunto a sério ao debate público. Reynolds, um tribunal ouviu, estava assistindo pornografia extrema imediatamente antes de estrangular Williams até a morte. Dando provas aos deputados, Lord Thomas, o Lord Chief Justice, deixou de culpar diretamente o pornô, mas disse que ficou "sem dúvida nenhuma que o tráfico de pornografia na Internet teve um efeito dramático sobre o indivíduo".

    As manchetes nunca foram boas, desde que começaram a se espalhar rumores sobre as palmas das mãos peludas. Alguns podem se lembrar da sugestão alarmante, em 2014, de que os cérebros das pessoas diminuem à medida que assistem pornografia. Por acaso, a pesquisa em questão também foi profundamente falha, algo que o próprio cientista principal do estudo pareceu identificar e esclarecer: "não está claro se [...] assistir pornografia leva a alterações cerebrais ou se pessoas nascidas com certos tipos de cérebros observam. mais pornografia. ” Isso levou outros pesquisadores a criticar estudos de pequena escala e rápidos para tirar conclusões precipitadas.

    "Tudo vai ficar ruim em excesso e provavelmente não é terrível com moderação", disse Gregory Tau, da Universidade de Columbia. “É possível que existam indivíduos com um certo tipo de cérebro que sejam mais suscetíveis a esse tipo de comportamento. Ou, é possível que o uso excessivo (de pornografia) esteja se perpetuando para causar alterações cerebrais. Ou, podem ser os dois.

    E esse é o melhor resumo que temos.

    Fonte: https://www.telegraph.co.uk/

    Translate

    ptenfrdeitrues

     

     

     Ajude a manter o site no ar.

     

    Curta O Arquivo no FacebookCurta O ARQUIVO no Facebook

    O Arquivo

    Sobre  |  Fale Conosco