China: "código de civilização" digital distópico avalia a vida diária dos cidadãos para "promover" o bom comportamento

    codcivi114/09/2020, por Cindy Harper - O sistema visa criar um “retrato pessoal” para cada residente numa tentativa de promover os “bons hábitos”. O governo local de Suzhou, na província de Jiangsu, no leste da China, introduziu um sistema de pontuação de comportamento civil. O “código de civilização” gerou um debate acalorado, no qual o público está preocupado com o formalismo e o potencial para abuso de poder.

    O sistema de pontuação de comportamento civil, apelidado de código de civilização, engloba indicadores como o índice de voluntários e o índice de transporte civil, que analisam as maneiras de uma pessoa nas estradas. O índice de voluntariado também concederá pontos pela participação em trabalhos voluntários. As autoridades afirmam que o objetivo do código de conduta civil, que foi apresentado na quinta-feira, é incentivar a “responsabilidade social”. A segurança pública ainda não definiu outros índices a serem incluídos no sistema de pontuação. No entanto, em um comunicado, o bureau afirmou que o código ajudaria a criar um "retrato pessoal" para os residentes que incentivará bons hábitos, como boas maneiras, coleta de lixo, voluntariado, cortesia social, jantares civilizados, economia de comida, bom comportamento online e obediência à lei.

    No entanto, é claro, o público é cético em relação ao código. Debates acalorados surgiram online sobre o formalismo do código, os padrões de critérios e o potencial abuso de poder. Eventualmente, alguns cidadãos terão pontuações de civilização mais altas do que outros. Por esse motivo, as pessoas questionam se é justo que os serviços públicos priorizem algumas pessoas. O consenso geral entre os internautas é que o código de civilização é uma violação dos direitos humanos, pois condenará algumas pessoas com base em padrões incomensuráveis. No entanto, um oficial local afirmou que, nesta fase inicial de teste, não haveria consequências para a perda de pontos. Ainda.

    Leia também - De canibalismo a ratos: A grande fome de Mao, o "Holomodor" chinês

    De acordo com Zhao Peng, professor da Universidade de Ciência Política e Direito da China, tentar encorajar o comportamento civil é racional. No entanto, o problema é como eles estão tentando fazer isso. O especialista em direito disse que o governo deve construir uma sociedade mais civilizada, “promovendo a autodisciplina” em vez de “medidas obrigatórias”. Alguns acham que o código da civilização foi apressado, ao contrário do sistema de pontuação de crédito que foi cuidadosamente desenvolvido.

    “Se uma política faz com que o público em geral se sinta limitado ou desconfortável, deve haver algo de errado com ela”, observou o diretor executivo do Centro de Pesquisa de Direitos Humanos da Academia Chinesa de Ciências Sociais, Liu Huawen. Huawen ficou satisfeito com o fato de os chineses começarem a se manifestar contra a violação de seus direitos.

    “As controvérsias geradas online indicam que o senso de direitos humanos do povo chinês está aumentando, o que também serve como um lembrete para que os órgãos governamentais estabeleçam e promovam políticas de maneira mais cautelosa para respeitar a privacidade e equilibrar o poder com os direitos”, ele disse.

    Fonte: https://reclaimthenet.org/

    Translate

    ptenfrdeitrues

     

     

     Ajude a manter o site no ar.

     

    Curta O Arquivo no FacebookCurta O ARQUIVO no Facebook

    O Arquivo

    Sobre  |  Fale Conosco