O Golpe das Pirâmides Financeiras: Sucesso entre os Brasileiros

    pirfin124/02/2019, por Rennan Setti - Caso da JJ Invest, acusada de estelionato, é o último exemplo de uma trapaça criada pelo italiano Carlo Ponzi, que viveu no Brasil a partir de 1939. Quando mudou-se para o Brasil em 1939, o italiano Carlo Ponzi não imaginava que aterrissaria em um "mercado" propício por muitas décadas para pirâmides financeiras. Quase 20 anos antes, o ítalo-americano inventara o golpe, enganando 30 mil investidores, tomando-lhes US$ 9,6 milhões (mais de US$ 200 milhões em dinheiro de hoje) em uma aplicação que prometia retorno de 50% em 90 dias e que se revelou um engodo.

    A fraude entrou para os anais das falcatruas emprestando seu próprio nome: Esquema de Ponzi, ou pirâmide, no qual novos investidores financiam lucratividades elevadas dos mais antigos até que o negócio estoura deixando um número grande de vítimas — a base da tal pirâmide. Um século depois da fraude original, golpes financeiros similares continuam se repetindo — e, aparentemente, foi o que aconteceu no último mês no Rio de Janeiro que Ponzi adotara como sua cidade há 80 anos.

    A empresa JJ Invest, sediada no bairro de Copacabana, está sendo acusada de sumir com o patrimônio de milhares de pessoas. Fala-se em R$ 300 milhões, mas o número não pode ser verificado, uma vez que a firma nem sequer tinha autorização para funcionar. A companhia seduzia os aplicadores com rendimentos de mais de 10% ao mês e marketing agressivo, calcado em patrocínios de clubes de futebol e eventos com celebridades. Além de anônimos, famosos como Zico, Júnior e Sérgio Loroza tiveram prejuízo com a empresa. Desde que o jornal O Globo revelou que a empresa estava sendo investigada pelo Ministério Público Federal (MPF), pela Polícia Federal (PF) e pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a companhia sofreu uma corrida dos clientes por resgates. Quase ninguém recebeu o dinheiro de volta e, nas últimas semanas, a JJ Invest fechou as portas e zerou suas contas bancárias, enquanto seu dono, Jonas Jaimovick, está desaparecido.

    As autoridades ainda não sabem se o esquema de Jaimovick funcionava, de fato, como uma pirâmide financeira, mas consideram que há indícios nesse sentido. Se for um modelo clássico de Ponzi, porém, não será o único caso recente em que se aproveita da busca de alguns investidores por retornos ilusórios. No caso da JJ Invest, muitas das vítimas relatam que desconfiavam do ganho gerado pelo "investimento", mas ignoravam esses sinais por acreditar na imagem de credibilidade transmitida pela empresa. Afinal, por que um golpista chamaria atenção de forma tão explícita para si anunciando no peito de Neymar em um jogo beneficente, na camisa do Vasco da Gama e nos intervalos da final do reality show Masterchef Profissionais? Acontece que ousadias como essa parecem ser frequentes em golpes financeiros.

    O caso mais emblemático de pirâmide financeira no Brasil é o da Fazendas Reunidas Boi Gordo, que prometia retornos espetaculares — até 42% em 18 meses — em troca de investimentos coletivos em bezerros e no processo de “engorda do gado". A companhia atraía incautos com comerciais de TV veiculados no horário nobre nos anos 90 — com direito a propagandas apresentadas por Antônio Fagundes nos intervalos de Rei do Gado, folhetim com temática rural.

    O problema era que o lucro dos investidores não advinha do gado, e sim da entrada de novos aplicadores, definição clássica de uma pirâmide financeira. O esquema eclodiu em 2004, deixando um passivo de R$ 4,2 bilhões e lesando 32 mil pessoas. Doze anos depois da falência, as fazendas da Boi Gordo foram a leilão. Em meados do ano passado, definiu-se que as vítimas finalmente começariam a ser ressarcidas, mas elas receberão apenas cerca de 10% do que aplicaram. Essas indenizações seriam financiadas por recursos dos bens do grupo que foram leiloados. Foram arrecadados R$ 483 milhões com a venda de mais de 60 fazendas distribuídas por 220 mil hectares.

    Mais recentemente, "bois" foram atualizados, e o esquema de pirâmide recorreu à tecnologia para encontrar vítimas no caso Telexfree. A empresa começou a atuar no país em 2012, oferecendo planos de minutos de ligações telefônicas pela internet (VoIP), em serviço semelhante ao do Skype. A companhia se apresentava como firma de “marketing multinível”, modelo polêmico no qual clientes fazem as vezes de promotores do serviço. Eles pagavam para acessar o serviço com a promessa de que ganhariam muito mais se conseguissem trazer novos consumidores para o produto.

    Leia também - O Discurso do Deputado Clodovil Hernandes (04/11/2008)

    Só que, na prática, grande parte do faturamento da empresa dependia do dinheiro aportado por novos divulgadores, não da venda de serviços de telecomunicações em si. Aliás, quase ninguém que pagava para “usar” o produto da Telexfree estava interessado em telefonar — o objetivo de todos era ganhar dinheiro divulgando o serviço. Prova das más intenções da empresa era o fato de que ela nem sequer possuía autorização de órgãos reguladores para comercialização de serviços de telecomunicações. Assim como a JJ Invest, a Telexfree se envolveu com o futebol carioca, chegando a patrocinar o Botafogo em 2014.

    Foi justamente naquele ano que o negócio começou a ruir. A Telexfree foi multada em R$ 5,59 milhões pela Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) por “desrespeitar princípios básicos” do Código de Defesa do Consumidor (CDC), como transparência, confiança e boa-fé nas relações de consumo. Sua publicidade também foi considerada enganosa e abusiva. Posteriormente, a empresa foi condenada na Justiça. A companhia era americana, mas o esquema também acontecia no Brasil, uma vez que um dos cofundadores da Telexfree, Carlos Wanzeler, tinha dupla cidadania. No ano passado, o governo revogou sua cidadania brasileira.

    O caso Telexfree é considerado o maior esquema de pirâmide já detectado no mundo, em número de vítimas. Estima-se que 1,8 milhão de pessoas foram lesadas, perdendo cerca de US$ 3 bilhões. Embora a mais célebre das pirâmides — a de Bernie Madoff, em Wall Street — tenha causado um prejuízo de US$ 17,5 bilhões, "apenas" alguns milhares de investidores foram prejudicados.

    Mas talvez atenue a indignação das vítimas o fato de que, muitas vezes, o destino dos golpistas não é dos mais dourados. Como o jornalista Elio Gaspari volta e meia rememora em sua coluna, o "patriarca" Carlo Ponzi terminou seus dias quase cego, ganhando exígua aposentadoria do Instituto de Aposentadoria do Comerciários (IAPC) no apartamento 102 do número 118 da Rua Engenho Novo, em Sampaio, Zona Norte do Rio. Morreu de trombose cerebral, em 1949, no leito de um hospital público carioca, e seu corpo está sepultado no cemitério do Caju. Por muito pouco não foi dado como indigente. Até na hora da morte, recorreu ao dinheiro dos outros: o enterro foi pago por um casal de amigos, já que o falecido não tinha fundos.

    Fonte: https://epoca.globo.com/

    Translate

    ptenfrdeitrues

     

     

     Ajude a manter o site no ar.

     

    Curta O Arquivo no FacebookCurta O ARQUIVO no Facebook

    O Arquivo

    Sobre  |  Fale Conosco